Da Interpretatio à interpretação: um percurso histórico e teórico

José Reinaldo de Lima Lopes

Resumo


RESUMO

O texto examina o problema da transposição da lei do passado para o presente e do universal para o particular ao longo da história do pensamento jurídico. Primeiramente detecta a consciência dos juristas clássicos a respeito dessas duas questões, em seguida percorre seus textos para mostrar como entre medievais e modernos houve o reconhecimento desse tema. Em seguida mostra como a questão tomou novo rumo particularmente com a influência da obra de Savigny e como, finalmente, ela tomou ares de subjetivismo no Brasil contemporâneo.

PALAVRAS-CHAVE

Interpretação. Compreensão. Subjetivismo. Savigny. Direito medieval. Direito moderno. Direito contemporâneo.

 

ABSTRACT

The essay examines the issue of transposing the law from the past into the present and from the universal into the particular along the history of legal thought. It first detects classical jurists’ awareness of these two questions, and then follows their texts to show how there has been the acknowledgement of problem among medieval and modern jurists. It then shows how the issue took a particular turn following the work of Savigny and how it lately took an air of subjectivism in contemporary Brazil.

KEYWORDS

Interpreation. Understanding. Subjectivity. Savigny. Medieval law. Modern law. Contemporary law.


Palavras-chave


História do Direito; Filosofia do Direito; Hermenêutica; Interpretação; Compreensão; Subjetivismo; Savigny; Direito medieval; Direito moderno; Direito contemporâneo

Texto completo:

Versão Virtual (3-25)

Referências


ABOIM, Diogo Guerreiro. Tractatus de recusationibus omnium judicium officialumque tam justitiae commutativae quam distributivae utriusque fori tam saecularis quam ecclesiastici sive regularis. Coimbra: Joannis Antunes, 1699.

AGOSTINHO. A doutrina cristã; 3a. ed. Tradução: N. d. Oliveira. São Paulo: Paulus, 2011.

ALEXY, Robert. Teoria de la argumentación. Madrid: Centro de Estudios Constitucionales, 1989.

ALVAREZ, Alejandro. Interpretação do direito e equidade. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2015.

ANSCOMBE, Gertrude Elizabeth Margaret. On brute facts. Analysis, vol. 17, n. 3, p. 69-72, jan. 1958.

APEL, Karl-Otto. A comunidade de comunição como pressuposto transcendental das ciências sociais. In K.-O. Apel, Transformação da filosofia II: O a priori da comunidade de comunicação. Tradução: P. A. Soethe. São Paulo: Loyola, 2000.

______. Teoria de la verdad y ética del discurso. Barcelona: Paidós, 1991.

ARISTÓTELES. Dos argumentos sofísticos. Tradução: L. Vallandro, & G. Bornheim. São Paulo: Abril Cultural, 1973.

ASCARELLI, Tullio. Funzioni economiche e istituti giuridici. In: ASCARELLI, Tullio. Saggi Giuridici. Milano: Giuffré, 1949.

______. Osservazioni di diritto comparato privato italo-brasiliano. In: ASCARELLI, Tullio. Saggi Giuridii. Milano: Giuffré, 1949.

______. Premesse allo studio del diritto comparato. In: ASCARELLI, Tullio. Saggi Giuridici. Milano: Giuffrè, 1949, p. 3-40.

ATIENZA, Manuel. Estado de derecho. Argumentación e interpretación. In: ATIENZA, Manuel. Cuestiones judiciales. Mexico: Fontamara, 2002.

BAKER, Gordon Park; HACKER, Peter Michael Stephan. Understanding and ability. In: BAKER, Gordon Park; HACKER, Peter Michael Stephan. Wittgenstein: understanding and meaning. Oxford: Blackwell, 2005, p. 357-385.

BALDO. Commentaria in Digestum vetus (Vol. 1). Lugduni, 1562.

______. In Tres priores libros codicis praelectiones. Lugduni, 1564.

Baptista, Francisco de. Compêndio de theoria e pratica do processo civil comparado com o commercial e de hermenêutica jurídica. Rio de Janeiro/Paris: B. L. Garnier Livreiro-Editor, 1890.

BARROSO, Luís Roberto. Interpretação e aplicação da constituição: fundamentos de uma dogmática constitucional transformadora. 3a. ed. São Paulo: Saraiva, 1999.

BARZOTTO, Luis Fernando. Legalidad y derecho natural institucional. Prudentia Iuris, n. 78, p. 55-71, 2014.

BETTI, Emilio. Interpretazione della legge e degli atti giuridici. Milano: Giuffré, 1971.

______. Teoria generale dell'interpretzaione. Milano: Giuffrè, 1955.

BIROCCHI, Itali; MATTONE, Antonello. Il diritto patrio - tra diritto comune e codificazione. Roma: Viella, 2006.

CARROLL, Lewis. What the turtoise said to Achiles. Mind, n. 14, vol. 4, p. 278-280, p. 1895.

CORTESE, Ennio. Il Diritto nella Storia Medievale. Vol. 2. 4a. reimpr. ed. Roma: Il Cigno Galileo Galilei, 1999.

______. La norma giuridica: spunti teorici nel diritto comune classico (Vol. 1). Milano: Giuffré, 1962.

DENIAU, Guy. Qu'est-ce qu'interpréter? Paris: Vrin, 2015.

DUARENUS, Franciscus. Opera Omnia (Vol. 1). Luca: Typ. Josephi Rocchii, 1765.

FREIRE, Pascoal José de Melo. Historiae juris civilis lusitani. Coimbra: Typ. Academicis, 1860 [1788].

______. Institutiones juris civilis lusitani cum publici tum privati. Coimbra: Typis Academicis (Tipografia da Universidade), 1859.

FULLER, Lon. The morality of law. New Have: Yale University Press, 1964.

GADAMER, Hans-Georg. Truth and method. Tradução: G. Barden, & J. Cumming. New York: Cross Roads, 1988.

GRAU, Eros. Ensaio e discurso sobre a interpretação/aplicação do direito. São Paulo: Malheiros, 2006.

______. O direito posto e o direito pressuposto. 8a. ed. São Paulo: Malheiros, 2011.

GRONDIN, Jean. Hans-Georg Gadamer: una biografia. Barcelona: Herder, 2000.

GROSSI, Paolo. L'ordine giuridico medievale. Roma/Bari: Laterza, 1995.

HART, Herbert Lionel Adolphus. Kelsen visited. HART, Herbert Lionel Adolphus. Essays in jurisprudence and philosophy. Oxford: Oxford University Press, 1983, p. 286-308.

KELLEY, Donald. The human measure: social thought in the Western legal tradition. Cambridge, MA: Harvard University Press, 1990.

KRYNEN, Jacques. L'ideologie de la magistrature ancienne. Paris: Gallimard, 2009.

MACLEAN, Ian. Interpretation and meaning in the Renaissance: the case of law. Cambridge: Cambridge University Press, 1992.

MAXIMILIANO, Carlos. Hermenêutica e aplicação do direito. 9a. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1984.

OCKHAM, William of. Seleção de obras. In: Os pensadores Tradução: C. L. Mattos. São Paulo: Abril Cultural, 1979, p. 345-410.

PEGAS, Manuel Álvares. Commentaria ad Ordinationes regni Portugalliae. Lisboa: Typ. Michaelis Rodrigues, 1729.

PESSÔA, Leonel Cesarino. A teoria da interpretação jurídica de Emilio Betti: uma contribuição à história do pensamento jurídico moderno. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris, 2002.

PIANO MORTARI, Vincenzo. Dogmatica e interpretazione: i giuristi medievali. Napoli: Jovene, 1976.

PORTUGAL, Domingos Antunes. Tractatus de donationibus regius in duos tomos divisus. Lugduni: Anisson & Possuel, 1699.

RIBAS, Antonio Joaquim. Direito Administrativo Brasileiro. Brasília: Senado Federal, 1968.

______. Direito Civil brasileiro. Rio de Janeiro: Typ. Laemmert, 1865.

SASSOFERRATO, Bartolus de. In Priman Codicis partem. Venetiis: Iuntas, 1570.

______. In Priman Pandectae veteris partem. Venetiis: Ivntas, 1570.

SAVIGNY, Friedrich Carl von. Sistema del derecho romano actual. Tradução: J. Mesia, & M. Poley. Granada: Editorial Comares, 2005.

SCHAUER, Frederick. Playing by the rules. Oxford: Oxford University Press, 2002 [1991].

SCHIAVONE, Aldo. Ius: l'invenzione del diritto in Occidente. Torino: Giulio Einaudi, 2005.

SCHLEIERMACHER, Friedrich. Hermenêutica, arte e técnica da interpretação. 10a ed. ed. Tradução: C. Braida. Petrópolis: Vozes, 2015.

SCHRÖDER, Jan. Recht as Wissenschaft: Geschichte der juristischen Methode vom Humanismus bis zur historischer Schule. 1a ed. München: C. H. Beck, 2001.

STRECK, Lenio. Hermenêutica jurídica e(m) crise: uma exploração hermenêutica da construção do direito. 7a. ed. Porto Alegre, RS, Brazil: Livraria do Advogado Editora, 2007.

WITTGENSTEIN, Ludwig. Da Certeza. Tradução: M. E. Costa. Lisboa: Edições 70, 2012.

______. Investigações filosóficas. Tradução: J. C. Bruni. São Paulo, SP, Brasil: Nova Cultural, 1991.




DOI: https://doi.org/10.22456/0104-6594.88593

Apontamentos

  • Não há apontamentos.