A problemática do tráfico de mulheres para fins de exploração sexual: uma análise entre Moçambique e outros países da SADC

Jose Joaquim Franze, Joaquim Miranda Maloa

Resumo


RESUMO

Através do método comparativo, este artigo aborda o tráfico de mulheres para fins de exploração sexual, a partir de uma perspectiva comparativa entre Moçambique e outros países da Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC), bem como o seu enquadramento legal.  A Partir da revisão bibliográfica, reportagens jornalísticas e entrevistas com atores significativos do cotidiano moçambicano, constatou-se que o tráfico de mulheres para fins de exploração sexual, constitui uma realidade inegável, pois, muitas mulheres são traficadas com promessa de uma vida melhor em grandes centros urbanos. No caso de Moçambique, essas mulheres saem das suas áreas residenciais, principalmente no interior, com a esperança de uma integração social através de trabalho remunerável e acabam caindo nas mãos de traficantes, tornando-se escravas sexuais a favor de terceiros. Muitos desses casos terminam pela sua infeção por doenças de transmissão sexual, resultando em mortes. Também-se observou que tanto em Moçambique como em outros países da SADC, esta realidade ocorre devido a exclusão socioeconômica de muitas famílias que veem no convite de trabalho a oportunidade de melhorar a sua condição de vida.

 

PALAVRAS-CHAVE

Tráfico de mulheres. Exploração sexual. HIV-Aids. SADC.

 

ABSTRACT

Through the comparative method, this article addresses trafficking in women for purposes of sexual exploitation from a comparative perspective between Mozambique and other Southern African Development Community (SADC) countries, as well as their legal framework. From the bibliographical review, journalistic reports and interviews with significant actors in Mozambican daily life, it was found that the trafficking of women for the purpose of sexual exploitation is an undeniable reality, since many women are trafficked with a promise of a better life in large centers urban In the case of Mozambique, these women leave their residential areas, mainly in the interior, in the hope of a social integration through paid work and end up falling into the hands of traffickers, becoming sexual slaves in favor of third parties. Many of these cases end up with their infection from sexually transmitted diseases, resulting in deaths. It was also observed that in Mozambique and in other SADC countries, this reality occurs due to the socioeconomic exclusion of many families that see in the work invitation the opportunity to improve their living conditions.

KEYWORDS

Trafficking of women. Sexual exploitation. HIV-Aids. SADC.

 

 

 

 

 

 

 

 


Palavras-chave


Tráfico de mulheres; Exploração sexual; HIV - Aids; SADC; Direitos Hummanos; África; Tráfico de Pessoas

Texto completo:

Versão Virtual (112-128)

Referências


AGENZIA FIDES. África/África do sul 25% das prostitutas de Cidade de Cabo são crianças. Quinta, 24 junho de 2004. Disponível: . Acesso em: 25 set. 2018.

ALIANÇA Global Contra Tráfico de Mulheres (GAATW). Direitos Humanos e Tráfico de pessoas: um manual. Rio de Janeiro: GAATW,2006.

ALLAIS, Carol. Presented at the Joint Area Centers Annual Symposium: Criminal Trafficking and Slavery: the dark side of global and regional migration. Champaign, Illinois, p. 23-25, fev. 2006.

CHICHAVA, Jóse. As vantagens e desvantagens competitivas de Moçambique na integração econômica regional. Maputo, 2007.

CHIUMIA, S.; & WILKINSON, K. 2013. Africa Check: Human trafficking – sensationalist and unsubstantiated reporting. Daily Maverick, 21 de outubro de 2013. Disponível em: . Acesso em: 21 set. 2018.

COMUNIDADE de Desenvolvimento da África Austral (SADC). Human Trafficking Communique. 18 de junho de 2009. Disponível em: . Acesso em: 20 ago. 2018.

DEPARTAMENTO de Estados Unidos. Relatório sobre Tráfico de Pessoas na República Democrática do Congo. 2017. Disponível em: . Acesso em: 27 ago 2018.

FRANKEL, P. Long walk to nowhere: Human trafficking in post-Mandela South Africa. New Brunswick: Transaction Press, 2016.

GLOBO. África do Sul dobra alerta sobre tráfico de seres humanos durante a Copa. Disponível em: . Acesso em: 25 set. 2018.

GOULD, C, & FICK, N. Selling sex in Cape Town: Sex work and human trafficking in a South African city. Pretoria: Institute for Security Studies. 2008 .Disponível em: . Acesso em: 25 set. 2018.

INSTITUTO Nacional de Estatística. Projeções anuais da População total urbana e rural, Maputo (2007-2040). Maputo: Editora do INE, 2010.

FILIMONE, Hélio. Caso diana e o tráfico de pessoas em Moçambique. Maputo: Alcance Editores, 2017.

JOARNAL PAÍS. Moçambique é um dos países de origem de tráfico de seres humanos no mundo. 2010. Disponível em: . Acesso em: 05 ago. 2017.

JORNAL Verdade. Justiça Sul-africana Condena Diana a prisão perpetua. Maputo, 21 julho de 2011. Disponível em: . Acesso em: 04 ago. 2017.

LEI no 35/2014. Revisão do Código Penal moçambicano, de 31 de dezembro de 2014. Disponível em: . Acesso em: 04 ago. 2017.

MARIANO, Esmeralda; BRAGA, Carla; MOREIRA, André. Estudo sobre o tráfico de órgãos e partes do corpo Humano na Região Sul de Moçambique. Maputo: CEMIRDE, 2016.

MARX, Karl. O capital. Crítica da Economia Política. Boitempo, 2013. .Disponível em: . Acesso em: 03 ago. 2017.

MONTEIRO, C; OSORIO, C. Tráfico de Mulheres e Criança. Maputo: WLSA Mozambique, 2009.

MURAPA, Rukudzo. Southern Africa Development Community (SADC): towards political and economic integration. 2002.

OBSERVATÓRIO ACP das Migrações. Um fenómeno mundial de sinais invisíveis: O tráfico de seres humanos na África Subsariana, Caraíbas e Pacífico. Bruxelas: 2011.

OTAVIO, Anselmo. A África do Sul Pós-Apartheid: a inserção continental como prioridade na nova geopolítica mundial. Dissertação mestrado, UFRGS, FCE, Estudos Estratégicos Internacionais, Porto Alegre, 2013.

ORGANIZACAO Internacional para Migração. Guia de Estudos - 2011. Disponível em: . Acesso em: 05 ago. 2017.

RODRIK, Dani. Understanding South African’s Economic Puzzles. John F. Kennedy School of Government, set. 2006. Disponível em: . Acesso em: 20 fev. 2017.

PEREIRA, Analúcia Danilevicz; VISENTINI, Paulo G. Fagundes. África do Sul: História, Estado e Sociedade. Brasília. FUNAG/CESUL, 2010.

PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Tráfico de pessoas em Moçambique, em particular, de criança. Maputo: Instituto Superior de Relações Internacionais, 2014.

PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Informação anual de 2017 do Procurador Geral da República à Assembleia da República. Maputo: Académica, Lda, 2017.

PROTOCOLO de Palermo, 2000. Disponível em: . Acesso em: 05 ago. 2017.

SADC. Política da SADC para o d o desenvolvimento, planeamento e monitorização de estratégias. Gabarone: SADC, 2012.

SADC. Política. Quadro de desenvolvimento industrial da SADC. Gabarone: SADC, 2013.

SADC. Tráfico de pessoas na região da SADC. Folheto informativo. Gabarone: SADC, 2016.

SAVE the Children. The Internal Trafficking and Exploitation of Women and Children in Mozambique. Save the Children. Mozambique: 2009.

SERRA, Carlos. Tráficos de pessoas em Moçambique da retórica das palavras à dinâmica da ação. Maputo: Fundação para Desenvolvimento da Comunidade (FDC), [s.d].

SHELLEY, Louise. Human Trafficking. A Global Perspective. New York: Cambridge University Press, 2010. Disponível em: . Acesso em: 05 ago. 2017.

SOUTH Africa Business Guidebook 2005/2006. 10ª Norwood: 3S Special Editions Ltd. South Africa: The Department of Trade and Industry of South Africa, 2005.

SOUTH African Law Reform Commission. Project 131. Trafficking in Persons Report. Pretoria: 2008.

UNESCO. Tráfico de Pessoas em Moçambique: Causas principais e Recomendações. Policy Paper No 14.1[P], 2006.Disponível em: . Acesso em: 05 ago. 2017.

UNICEF. Trafficking in human beings, especially women and children, in Africa. 2a ed. Estados Unidos: United Nations Children’s Fund, 2005. Disponível em: .

UNICEF. Innocenti Research Centre. Italia: United Nations Children, 2005.

VAN DER WATT, M. Investigating human trafficking for sexual exploitation: From “lived experiences” towards a complex-systems understanding. University of South Africa: Ph.D, thesis under examination. 2018.

VAN DER WATT, M.; VAN DER WESTHUIZEN, A. (Re) configuring the criminal justice response to human trafficking: a complex systems perspective. Police Practice and Research, v. 18, n. 3, p. 218-229, 2017.




DOI: https://doi.org/10.22456/0104-6594.83814

Apontamentos

  • Não há apontamentos.