A Lei de Acesso à Informação e a tutela de improbidade administrativa

Arianne Brito de Cal Athias, Gabriela Ohana Rocha Freire

Resumo


A lei de acesso à informação e a tutela de improbidade administrativa  

 

The information access law and the administrative improbity guarantee

 

[1]Gabriela Ohana Rocha Freire*

 

Arianne Brito de Cal Athias**

 

REFERÊNCIA

FREIRE, Gabriela Ohana Rocha; ATHIAS, Arianne Brito de Cal.  A lei de acesso à informação e a tutela de improbidade administrativa. Revista da Faculdade de Direito da UFRGS, Porto Alegre, n. 38, p. 154-177, ago. 2018.

 

RESUMO

ABSTRACT

A Constituição da República de 1988 assegura, no bojo do art. 5º, XVI, que o acesso à informação é um direito de todos, sendo resguardado o sigilo da fonte quando necessário ao exercício profissional. Ademais, a própria CF/88 institui por meio do seu art. 37 o princípio da publicidade como um elemento basilar para reger a Administração Pública. Nesse contexto, insurge a Lei 12.527/2011, conhecida como Lei de Acesso à Informação - LAI, reforçando o cumprimento do direito de acesso às informações, priorizando a ideia de Estado Democrático de Direito a fim de garantir a ampla transparência aos atos públicos. Como todo texto normativo, em caso de descumprimento de um direito, a LAI prevê apuração de possível ato de improbidade administrativa e a aplicação de medidas sancionatórias. Desta feita, o presente artigo digna-se a analisar a tutela de improbidade com fundamento nas Leis nº 12.527/2011 e 8.429/92, demonstrando se todo ato administrativo tido, em tese, como improbo será capaz de ensejar punição processual nas esferas administrativas e/ou judicial, partindo da observância dos critérios avaliativos para a concretização e/ou descaracterização do ato.

 

The Republic Constitution from 1988 assures in the bulge of 5th art., XVI that the access to information is a everyone’s right, and the confidentiality of the source is protected when necessary for professional practice, in addition, the FC/88 itself establishes, through its art. 37, the publicity principle as a basic element to govern the Public Administration. In this context, it insures the Law 12,527/2011, known as the Access to Information Law- AIL, reinforcing compliance with the right of access to information, prioritizing the idea of a Democratic State of Law in order to guarantee the broad transparency of public acts. Like any normative text, in case of noncompliance of a right, the AIL provides for the clearance of possible administrative improbability and the application of sanctioning measures. As a result, this work aims to examine the guardianship of impropriety based on Laws no.12.527/2011 and 8.429/92, demonstrating whether any administrative act held in theory as improbable will be capable of inducing procedural punishment at the administrative and/or judicial sphere, starting from the observance of the evaluation criteria for concretization and/or de-characterization of the act.

 

PALAVRAS-CHAVE

KEYWORDS

Estado Democrático de Direito. Lei de Acesso à Informação – 12.527/2011. Transparência. Improbidade Administrativa.  Lei 8.429/92.

Democratic State. Access to Information Act – 12.527/2011. Transparency. Administrative Dishonesty. Law 8.429 / 92.


* Mestranda em Direito pelo PPGD da Universidade Federal do Estado do Pará. Especialização em Direito Público pelo Centro Universitário do Estado do Pará. Membro da Comissão de Defesa dos Direitos do Consumidor da OAB/PA. Bacharel em Direito pela Universidade da Amazônia. Advogada.

** Professora Adjunta III da Universidade Federal do Pará, cedida ao Ministério Público do Estado do Pará para exercer o cargo em comissão de Assessor do Procurador-Geral de Justiça. Professora Titular I da Universidade da Amazônia e Coordenadora Adjunta do Programa de Pós-Graduação em Direitos Fundamentais (Mestrado). Professora da Faculdade Metropolitana da Amazônia. Doutora em Direito Administrativo pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2007). Mestre em Direito pela Universidade da Amazônia (2001).


Palavras-chave


Estado Democrático de Direito; Lei de Acesso à Informação – 12.527/2011; Transparência; Improbidade Administrativa; Lei 8.429/92; Direito Administrativo

Texto completo:

Versão Virtual (154-177)

Referências


BANDEIRA DE MELLO, Celso Antônio. Eficácia das Normas Constitucionais e Direito Sociais. 1ª Edição. São Paulo.Editora Malheiros: 2009.

BENTO, Leonardo Valles. Acesso à Informações Públicas: princípios internacionais e direito brasileiro. Curitiba: Juruá, 2015.

BOBBIO, Norberto. O Futuro da Democracia. Trad. Marco Aurélio Nogueira. 7 ed. São Paulo: Ed. Paz e Terra, 2000.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. 54º. ed. Atual e ampliada: Saraiva, 2017.

BRASIL. Lei nº. 8.429/1992. Lei de Improbidade Administrativa. Disponível em: . Acesso em 20/10/2017.

BRASIL. Lei 12.527/2011. Lei de Acesso à Informação. Disponível em . Acesso em: 20/10/2017.

BRASIL. Lei nº 9.784/99. Lei do Processo Administrativo Federal. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9784.htm>. Acesso em 20/10/2017.

BRASIL. COLETÂNEA DE DECISÕES DA CONTROLADORIA GERAL DA UNIÃO - CGU. Disponível em: . Acesso em 20 de Outubro de 2017.

BRASIL. CONTROLADORIA GERAL DA UNIÃO – CGU. Cartilha Acesso à Informação Pública. Disponível em: Acesso em 20 de Outubro de 2017.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal – STF. ADC Nº12 MC. Disponível em: . Acesso em: 20/10/2017.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça – STJ. REsp 1.186.435 DF 2010/0054539-6. Disponível em: . Acesso em: 20/10/2017.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça – STJ. REsp 480.387 SP 2002/0149825-2. Disponível em: < http://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/7329049/recurso-especial-resp-480387-sp-2002-0149825-2/inteiro-teor-13019530>. Acesso em: 20/10/2017.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça – STJ. AgRg no AgRg no Ag 1376280 SP 2011/0000431-6. Disponível em: < http://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/22826228/

agravo-regimental-no-agravo-regimental-no-agravo-de-instrumento-agrg-no-agrg-no-ag-1376280-sp-2011-0000431-6-stj>. Acesso em 20/10/2017.

BRASIL. Tribunal De Justiça Do Rio Grande Do Sul – TJ/RS. Apelação Cível: AC 700.610.526-49 RS. Disponível em: . Acesso em: 21 de Outubro de 2017.

BRASIL. Tribunal Regional Federal da 1ª Região – TRF1. APELAÇÃO CIVEL : AC 7921 MT 0007921-02.2006.4.01.3600. Disponível em: . Acesso em: 21 de Outubro de 2017.

CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Direito Constitucional e Teoria da Constituição. 7ª Edição. Coimbra: Almedina, 2007.

CANOTILHO, J. J. Gomes; MENDES, Gilmar F.; SARLET, Ingo W.; STRECK, Lenio L. (Coords.). Comentários à Constituição do Brasil. São Paulo: Saraiva/Almedina, 2016.

CARVALHO, Matheus. Manual de Direito Administrativo. 4ª Edição. rev., ampl. e atual. Salvador – Bahia: Editora Juspodivm, 2017.

CARVALHO FILHO, José dos Santos. Manual de Direito Administrativo. 30ª edição. rev., ampl. e atual. São Paulo: Atlas, 2016.

COPOLA, Gina. A Improbidade Administrativa no Direito Brasileiro. Belo Horizonte: Fórum, 2011.

CRUZ, Paulo Márcio. CADEMARTORI, Luiz Henrique Urquhart. O princípio republicano: aportes para um entendimento sobre o interesse da maioria. Revista de Estudos Constitucionais, Hermenêutica e Teoria do Direito (RECHTD), 1(1):87-96. Disponível em: . Acesso em: 21 de Outubro de 2017.

DE AMORIM, Michelle Ribeiro Lage. DA SILVA, Felipe de Souza. Impactos da Implantação da Lei de Acesso à Informação no Serviço Público: uma Análise das Dificuldades e Benefícios à Cidadania. Disponível em: < http://www.aedb.br/seget/arquivos/

artigos14/8820506.pdf>. Acesso em 21 de Outubro de 2017.

DE CASTRO, Leonardo Bellini. Inovações Republicanas da Lei de Acesso à Informação. Revista Jurídica ESMP-SP. Volume 3, 2013: 11-26. Disponível em: . Acesso em: 20 de Outubro de 2017.

DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito Administrativo. 30ª Edição. Revisada, ampliada e atualizada. Rio de Janeiro: Forense, 2017.

FAZZIO JUNIOR, Waldo. Atos de Improbidade Administrativa: Doutrina, Legislação e Jurisprudência. 6ª Edição. São Paulo: Atlas, 2012.

JUSTEN FILHO, Marçal. Curso de Direito Administrativo. 12ª ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2016.

MARTINS JÚNIOR, Wallace Paiva. Probidade Administrativa. São Paulo: Saraiva, 2006. Portal de Acesso à Informação do Governo Federal. Disponível em: . Acessado em 20 de Outubro de 2017.

MENDES, Gilmar Ferreira. BRANCO, Paulo Gustavo Gonet. Curso de Direito Constitucional. 2º D. ed. rev. e atual. São Paulo: Saraiva, 2016. (Série IDP).

NEVES, Daniel Amorim Assumpção. OLIVEIRA, Rafael Carvalho Rezende. Manual de Improbidade Administrativa. 2ª ed. rev., atual e ampl. Rio de Janeiro: Forense; São Paulo: Método, 2014.

ONU. Declaração Universal dos Direitos Humanos - 1948. Disponível em: . Acesso em: 21 de Outubro de 2017.

OSÓRIO, Fábio Medina. Teoria da Improbidade Administrativa: Má Gestão Pública, Corrupção e Ineficiência. 3ª edição. rev. E atual. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2013.

PAZZAGLINI FILHO, Marino; ELIAS ROSA, Márcio Fernando e FAZZIO JÚNIOR, Waldo. Improbidade Administrativa. São Paulo: Atlas, 1996.

VALIM, Rafael. MALHEIROS, Antonio Carlos. BACARIÇA, Josephina (in memoriam). Acesso à Informação Pública. Prefácio Celso Antônio Bandeira de Mello; apresentação Marcus Vinicius Furtado Coêlho. Belo Horizonte: Fórum, 2015.




DOI: https://doi.org/10.22456/0104-6594.77511

Apontamentos

  • Não há apontamentos.