Questões controversas sobre a aplicação da “Lei Maria da Penha" no âmbito do Direito Penal

Frederico Gomes de Almeida Horta, Marina Ferreira de Melo Burrel, Matheus Pessoa de Faria

Resumo


RESUMO

O trabalho aponta e analisa questões controversas da Lei nº 11.340/2006, a partir do contexto no qual se consolidou. Por meio de pesquisas bibliográficas, análises doutrinárias e jurisprudenciais, pretende-se abordar os problemas percebidos na aplicação deste diploma no âmbito penal. Analisa-se, inclusive, um caso prático vivenciado na Divisão de Assistência Judiciária da Universidade Federal de Minas Gerais, demonstrando-se consequências da utilização de dispositivos da “Lei Maria da Penha” de maneira incoerente com a sistemática do processo penal constitucional do Estado Democrático de Direito. Esclarece o procedimento previsto na Lei e suas implicações penais e, a partir disso, questiona a imposição de restrições de liberdade ao suposto agressor no procedimento de medidas protetivas. Destaca, ainda, os problemas relacionados à prisão preventiva na Lei Maria da Penha, especialmente no que toca ao tempo de sua duração e à sua aplicabilidade em infrações puníveis com penas detenção ou mera prisão simples. Por fim, aborda a problemática da prisão preventiva com a finalidade de garantir o cumprimento de medidas protetivas.

PALAVRAS-CHAVE

Lei Maria da Penha. Direito Penal. Prisão Preventiva. Crime de desobediência. Contravenções Penais. Detenção.

 

ABSTRACT

The paper points out and analyzes controversial issues of Act 11,340/2006, from the context of its consolidation. Through bibliographical research, doctrinal analysis and case law, it intendeds to address the problems perceived in the application of this Act in the criminal field. It also analyzes a lawsuit sponsored by the "Divisão de Assistência Judiciária" of the "Universidade Federal de Minas Gerais", demonstrating the consequences of the use of provisions of the "Maria da Penha Act" in a manner incoherent with the systematic of constitutional criminal proceedings created by the Rule of Law. It clarifies the procedure provided for in the Act and its criminal implications and, with this, questions the imposition of restrictions of freedom on the supposed aggressor in the procedure of protective measures. It also highlights the problems related to pre-trial detention in the Maria da Penha Law, especially with regard to the duration of the sentence and its applicability to offenses punishable by imprisonment or mere simple arrest. Finally, it addresses the problem of pre-trial detention in order to guarantee compliance with protective measures.

KEYWORDS

"Maria da Penha" Act. Criminal Law. Pre-trial detention. Contempt of court. Misdemeanor. Detention.


Palavras-chave


Lei Maria da Penha; Direito Penal; Prisão Preventiva; Crime de desobediência; Contravenções Penais; Detenção; Direito Processual Penal

Texto completo:

Versão Virtual (92-111)

Referências


AVENA, Norberto. Processo penal esquematizado – Material Suplementar. 3. ed. rev. e atual. São Paulo: Editora Método, 2012.

BARROS, Flaviane de Magalhães, MACHADO, Felipe Daniel Amorim. Prisão e Medidas Cautelares: nova reforma do Processo Penal – Lei n.12.403/2011. Del Rey, 2011.

BRASIL. Código de Processo Penal. Decreto-Lei nº 3.689, de 3 de outubro de 1941. Disponível em: . Acesso em: 17 jun. 2017.

BRASIL. Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul. Recurso Crime nº 71004225611. Turma Recursal Criminal. Relator Edson Jorge Cechet. Julgado em: 29/04/2013. Publicado em: 30/04/2013. Disponível em: . Acesso em: 25 jun. 2017.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Agravo Regimental no Agravo em Recurso Especial nº 699.637/SP, Rel. Ministro Reynaldo Soares da Fonseca, Quinta Turma. Julgado em 27/04/2017, Publicado em: 05/05/2017. Disponível em: . Acesso em: 25 jun. 2017.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Agravo Regimental no Habeas Corpus nº 298.202/RS. Rel. Ministro Antonio Saldanha Palheiro, Sexta Turma, julgado em 01/09/2016, DJe 12/09/2016) Disponível em: . Acesso em: 25 jun. 2017.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Agravo Regimental no Habeas Corpus nº 298.202/RS. Rel. Ministro Antônio Saldanha Palheiro, Sexta Turma. Julgado em: 01/09/2016. Publicado em: 12/09/2016. Disponível em: . Acesso em: 25 jun. 2017.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Agravo Regimental no Habeas Corpus nº 298.202/RS Rel. Ministro Antônio Saldanha Palheiro, Sexta Turma. Julgado em: 01/09/2016. Publicado em: 12/09/2016. Disponível em: Acesso em: 25 jun. 2017.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Habeas Corpus nº 220392/RJ. Rel. Ministro Jorge Mussi, Quinta Turma. Julgado em: 25/02/2014. Publicado em: 10/03/2014. Disponível em: Acesso em: 25 jun. 2017.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Recurso em Habeas Corpus nº 46.362/MS. Rel. Ministra Laurita Vaz, Quinta Turma. Julgado em: 27/05/2014. Publicado em: 03/06/2014. Disponível em: Acesso em: 25 jun. 2017

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Recurso em Habeas Corpus nº 46.362/MS. Rel. Ministra Laurita Vaz, Quinta Turma. Julgado em: 27/05/2014. Publicado em: 03/06/2014. Disponível em: Acesso em: 25 jun. 2017

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Recurso em Habeas Corpus nº 57.027/AL. Rel. Ministro Rogério Schietti Cruz. Julgado em: 16/04/2015. Publicado em: 27/04/2015. Disponível em: . Acesso em: 25 jun. 2017.

BELLOQUE, Juliana Garcia. Das medidas protetivas que obrigam o agressor – artigos 22. In: CAMPOS, Carmen Hein de. Lei Maria da Penha comentada em uma perspectiva jurídico-feminista. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2011. Disponível em: Acesso em: 17 jun. 2017.

CABETTE, Eduardo Luiz Santos. Anotações críticas sobre a lei de violência doméstica e familiar contra a mulher. Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 11, n. 1146, 21 ago. 2006. Disponível em: . Acesso em: 23 jun. 2017.

CASTRO, Fabiana Oliveira Bastos. O Contraditório prétivo na decretação das medidas cautelares previstas na Lei Maria da Penha: uma perspectiva evolutiva. In: XXIV CONGRESSO NACIONAL DO CONPEDI, 19., 2015, Florianópolis. Anais Processo, Jurisdição e efetividade da Justiça I. Florianópolis: CONPEDI, 2015. Disponível em: . Acesso em: 16 jun. 2017.

COELHO, Pedro. Princípio da Homogeneidade e as prisões cautelares. Disponível em: . Acesso em: 02 dez. 2016.

COMISSÃO Interamericana de Direitos Humanos. Caso 12.051. Relatório nº 54/01. Disponível em: . Acesso em: 25 jun. 2017.

COMISSÃO Interamericana de Direitos Humanos. Relatório anual 2000 / Relatório nº 54/01. Brasil, 04 abr. 2001.

CRUZ, Rogério Schietti Machado da. Prisão Cautelar: dramas, princípios e alternativas. Rio de Janeiro: Lúmen Juris, 2006.

CUNHA, Rogério Sanches, PINTO, Ronaldo Batista. Violência Doméstica: Lei Maria da Penha: comentada artigo por artigo. 6. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2015.

DIAS, Maria Berenice. Lei Maria da Penha, afirmação da igualdade. Âmbito Jurídico, Rio Grande, X, n. 46, out. 2007. Disponível em: . Acesso em: 27 nov. 2016.

DIAS, Maria Berenice. A Lei Maria da Penha na Justiça: a efetividade da Lei 11.340/2006 de combate à violência doméstica e familiar contra a mulher. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007.

FERRAJOLI, Luigi. Derecho y razón. 3. ed. Tradução de Perfecto Andrés Ibañez. Madrid: Trotta, 1998.

FERRAJOLI, Luigi. Direito e razão: teoria do garantismo penal. Trad. da 6. ed. italiana por Ana Paula Zomer et al. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002.

LAVIGNE, Rosane M. Reis; PERLINGEIRO, Cecília. Das medidas protetivas de urgência: artigos 18 a 21. In: CAMPOS, Carmen Hein de. Lei Maria da Penha comentada em uma perspectiva jurídico-feminista. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2011. Disponível em: . Acesso em: 17 jun. 2017.

LOPES JR., Aury. Prisões Cautelares. 4. ed. rev. atual. e ampl. São Paulo: Saraiva, 2013.

NUCCI, Guilherme de Souza. Manual de processo penal e execução penal. 11. ed. rev. e atual. Rio de janeiro: Forense, 2014.

OLIVEIRA, Eugênio Pacelli de. Curso de processo penal. 15.ed. rev. e atual. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2011.

PEREIRA, Viviane de Freitas; MEZZALIRA, Ana Carolina. O Supremo Tribunal Federal e o prazo razoável da prisão preventiva. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, XIII, n. 78, jul. 2010. Disponível em: . Acesso em: 01 dez. 2016.

PRESSER, Tiago. Medidas protetivas às vítimas de violência doméstica. Disponível em: . Acesso em: 01 dez. 2016.

PORTO, Pedro Rui da Fontoura. Violência doméstica e familiar contra a mulher: análise crítica e sistêmica. Porto Alegre: Livraria do Advogado Editora, 2007.

RANGEL, Paulo. Direito Processual Penal. 24. ed. rev. e atual. São Paulo: Atlas, 2016.

SOARES, Bárbara M. Enfrentando a violência contra a mulher. 2007. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2014.

SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA. Cartilha “Conhecendo a Lei nº 11.340/06 – Lei Maria da Penha”. Edição 01 mai. 2008. Disponível em: . Acesso em: 27 nov. 2016.

TAVARES, Márcia Santana; SARDENBERG, Cecília M. B.; GOMES, Márcia Queiroz de C. Feminismo, Estado e Políticas de Enfrentamento à Violência contra mulheres: monitorando a Lei Maria da Penha. Labrys Estudos Feministas, Florianópolis: UFSC, jun./dez, 2011. Disponível em: . Acesso em: 15 jun. 2017.

VERAS, Érica Verícia Canuto de Oliveira. As hipóteses de prisão preventiva da lei Maria da Penha na visão do Superior Tribunal de Justiça. Revista Jurídica do Ministério Público do Estado de Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 12, n. 21 jul/dez, 2013. Disponível em: . Acesso em: 27 nov. 2016.




DOI: https://doi.org/10.22456/0104-6594.70126

Apontamentos

  • Não há apontamentos.