Por uma política pública de acesso à justiça juvenil restaurativa: para além do Poder Judiciário

Adriana Goulart de Sena Orsini, Lucas Jeronimo Ribeiro da Silva

Resumo


A Justiça Juvenil Restaurativa denota uma sistematização ainda atual e incipiente de assunção de novos mecanismos plurais de acesso à justiça ao jovem. Na América Latina, a grande quantidade de jovens em relação aos países anglo-saxões se desdobra em diversos impasses a serem transpostos e geridos internamente, devido ao modelo estatal tradicional representado pela Justiça Retributiva. Tem-se que a Justiça ao jovem não é apenas uma prerrogativa do Poder Judiciário, mas que impende para uma gestão democrático-compartilhada da administração da Justiça, considerada por uma ampla perspectiva de atuação do Poder Executivo, Legislativo e Judiciário em suas várias esferas federativas. Visa-se, com este artigo, problematizar o acesso plural à justiça, compreendido como conjunto de medidas em caráter de política pública de tripla intervenção, no âmbito da prevenção, gestão e solução de conflitos sociais. Será analisado o papel do eixo de acesso à justiça do Sistema de Garantia de Direitos (SGD) da Criança e do Adolescente no Brasil em conformação a uma Justiça de efetivação de direitos aos jovens, com enfrentamento das desigualdades sociais, econômicas, políticas e culturais introjetadas em um modelo arcaico de “etiquetamento” das diferenças e do “outro” social.


Palavras-chave


Acesso à Justiça; Justiça Restaurativa; Direito da Criança e do Adolescente; Direitos Humanos

Texto completo:

Versão Virtual (271-288)

Referências


ALZATE, Ramon; ITZIAR, Fernández; MERINO, Cristina. Desarrollo de la cultura de la paz y la convivência en el ámbito municipal: La mediación comunitária. Politica y Sociedad, Vol. 50. 2013.

AVRITZER, Leonardo; MARONA, Marjorie; GOMES, Lilian. Cartografia da Justiça no Brasil: uma análise a partir de atores e territórios. São Paulo: Saraiva, 2014.

BOBBIO, Noberto. Dicionário de Política. 11ª Edição. Brasília: UnB, 1991.

BRANCHER, Leoberto Narciso. Organização e gestão do Sistema de Garantia de Direitos da Infância e da Juventude. In: MARQUES, Antonio Emilio Sendim; BRANCHER, Leoberto Narciso (Coords. Gerais). Pela justica na educação. (Brasilia:Fundescole e MED) 2000.

BRUÑOL, Miguel Cillero. Infancia, autonomia y derechos: uma cuestion de princípios. In: Menoridad y Familia. Revista Interdisciplinaria sobre La problemática de La Niñez-Adolescencia y el grupo familiar. n°10, Delta Editora, Paraná, 1999.

________. Los derechos del niño: de la proclamación a la protección efectiva. In. Justicia y derechos del niño. UNICEF, 2001. Disponível em: http://www.unicef.org/argentina/spanish/ar_insumos_PEJusticiayderechos3.pdf Acesso em 10 de Setembro de 2016.

CAPPELLETTI, Mauro; GARTH, Bryant. Acesso à Justiça. trad. de Ellen Gracie Northfleet. Porto Alegre: Sérgio Antônio Fabris Editor, 1988.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Resolução 225, de 31 de Maio de 2016. Disponível em: http://www.cnj.jus.br//images/atos_normativos/resolucao/resolucao_225_31052016_02062016161414.pdf Acesso em 02 Set. 2016.

COSTA, Mila Batista Leite Corrêa da. Acesso à Justiça, Diversidade, efetividade e ressignificação. In. ORSINI, Adriana Goulart de Sena; COSTA, Mila Batista Leite Corrêa da; ANDRADE, Oyama Karyna Barbosa, coordenadoras. Justiça do Século XXI. – São Paulo Ltr, 2014.

DEBONI, Vera Lúcia; OLIVEIRA, Fabiana Nascimento de. Justiça Juvenil Restaurativa na Comunidade e a articulação do Estado, na ampliação de oportunidades para a prevenção de violências e conflitos. In: Justiça juvenil restaurativa na comunidade: uma experiência possível / organizadores Ana Cristina Cusin Petrucci [et al.]. – Porto Alegre: Procuradoria-Geral de Justiça, Assessoria de Imagem Institucional, 2012.

DEUTSCH, Morton. A resolução de conflitos: processos construtivos e destrutivos. Estudos de Arbitragem Mediação e Negociação. Vol.3. Disponível em: http://www.arcos.org.br/livros/estudos-de-arbitragem-mediacao-e-negociacao-vol3/parte-ii-doutrina-parte-especial/a-resolucao-do-conflito Acesso em 10 de Setembro de 2016

ENTELMAN, Remo F. Teoría de conflictos: hacia un nuevo paradigma. Barcelona: Gedisa, 2002.

FROTA E SILVA, Paulo Sérgio. Ato infracional praticado no ambiente escolar e as medidas sócio-educativas. In: MARQUES, Antonio Emilio Sendim; BRANCHER, Leoberto Narciso (Coords. Gerais). Pela justica na educação. (Brasilia:Fundescole e MED) 2000.

FALCÃO, Joaquim. O futuro é plural: administração de justiça no Brasil. Revista USP, São Paulo, v. 74, 2007.

FONTE, Felipe de Melo. Desenho Institucional e Políticas Públicas: Alguns parâmetros gerais para a atuação judicial. Procuradoria Geral do Rio de Janeiro, 2010. Disponível em http://www.rj.gov.br/web/pge/exibeconteudo?article-id=313621 Acesso em 01 de Setembro de 2016.

KONZEN, Afonso Armando. Justiça Juvenil Restaurativa na Comunidade: A prática do encontro antes de sua conformação jurídica. In: Justiça juvenil restaurativa na comunidade: uma experiência possível / organizadores Ana Cristina Cusin Petrucci [et al.]. – Porto Alegre: Procuradoria-Geral de Justiça, Assessoria de Imagem Institucional, 2012.

KRIESBERG, Louis. Constructive Conflicts. The Oxford International Encyclopedia of Peace. Oxford University Press. Volume 1, 2010.

NETO, Pedro Scuro. Chances e Entraves para a Justiça Restaurativa na América Latina. In: Bastos, Márcio Thomaz; Lopes, Carlos e Renault, Sérgio Rabello Tamm (Orgs.). Justiça Restaurativa: Coletânea de Artigos. Brasília: MJ e PNUD, 2005. Disponível em: www.justica21.org.br/interno.php?ativo=BIBLIOTECA. Acesso em 02 de Setembro de 2016.

NOGUERA, Cristina Sandra Pinelli. O adolescente infrator. In: BARROS, Fernanda Otoni de (Coord.). Tô fora: o adolescente fora da lei – o retorno da segregação. Belo Horizonte: Del Rey, 2003a.

MARTINS, José de Souza. O massacre dos inocentes: A criança sem infância no Brasil/ (coordenador) José de Souza Martins – São Paulo: Ediora HUCITEC, 1993.

MÉNDEZ, Emílio García. Infância, Lei e democracia: uma questão de justiça. Revista Brasileira Adolescência e conflitualidades, 2013.

MIRAGLIA, Paula. Aprendendo a lição - uma etnografia das Varas Especiais da Infância e da Juventude. Novos Estudos – CEBRAP. São Paulo, n.72, jul. 2005.

MULLER, Pierre. Las políticas públicas. Traducción Jean-François Jully; Carlos Salazar Vargas, Universidad Externado de Colombia, 2002.

REALE, Miguel. Teoria Tridimensional do Direito - situação atual. São Paulo: Saraiva, 1994, 5.ª Ed.

PRANIS, Kay. Desenvolvendo a empatia com os Jovens através de Práticas Restaurativas. Public Service Psychology. Vol. 25; n°2, Palas Athena, 2000.

PRANIS, Kay. Processos circulares. São Paulo: Pala Athenas, 2010. Tradução de Tônia Van Acker.

SOARES, Luiz Eduardo. Juventude e violência no Brasil contemporâneo. In: Juventude e Sociedade: Trabalho, educação, cultura e participação/ (organizadores) Regina Novaes e Paulo Vannuchi – São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2004.

SOLER, Raul Calvo. Mapeo de Conflictos: Técnica para la exploración de los conflictos. Barcelona: Gedisa, 2015.

UNDP. PROGRAMA DE LAS NACIONES UNIDAS PARA EL DESAROLLO. Manual de políticas públicas para el acceso a La justicia. América Latina y el Caribe, 2005.Disponível em http://www.justiciaviva.org.pe/acceso_justicia/documentos/Manual.pdf Acesso em 10 de Setembro de 2016.




DOI: https://doi.org/10.22456/0104-6594.68377

Apontamentos

  • Não há apontamentos.