História do Direito Administrativo no Brasil (1937-1964): o debate em torno das delegações legislativas

Mauricio Costa Mesurini

Resumo


História do Direito Administrativo no Brasil (1937-1964): o debate em torno das delegações legislativas

The history of the Administrative Law in Brazil (1937-1964): the debate about legislative delegation

 

Mauricio Costa Mesurini[1]

 

RESUMO: Trata-se de um trabalho sobre história do Direito Administrativo no Brasil, notadamente no período de 1937 a 1964. O objetivo é mostrar alguns aspectos da trajetória do campo, em especial as transformações favorecidas pela tendência modernizadora, entre elas, o debate em torno das delegações legislativas, um tema que se desenvolveu na doutrina a partir e à margem das disposições constitucionais da época. É inegável a importância da lei para o direito público moderno. Mas o que é a lei? Quem tem o poder de confeccioná-la? “O governo das leis” em substituição ao “governo dos homens”, em verdade uma tautologia, encobre o problema sobre a fonte de onde emanam as leis. Assim sendo, mesmo em um Estado de Direito, a disputa político-jurídica permanece latente e continua em jogo a definição de quem são os “senhores” da legislação. O artigo investiga o debate jurídico em torno das delegações legislativas abordando quatro juristas da época: Francisco Campos, Victor Nunes Leal, Bilac Pinto e Themistocles Cavalcanti.

 

PALAVRAS-CHAVE: Direito Administrativo. Direito Constitucional. Delegações legislativas. Separação de poderes.

 

ABSTRACT: This paper is a study on the history of administrative law in Brazil, notably in the period 1937-1964. The purpose is to present some aspects of the development of this field of study, especially the changes favored by the modernization process through which Brazil has passed, such as the debate about legislative delegation, a theme that was developed in the legal doctrine from and beyond the constitutional arrangement of the period. It is undeniable the importance of the legislation to modern public law. But what is legislation? Who has the power to make it? The “rule of law” replacing the “government of men”, in fact a tautology, conceals the problem of the source from where the law emanates. Therefore, even in the bases of the rule of law, the legal-political dispute remains latent, and the definition about who establishes the law remains open. More specifically, the paper analyzes the debate about legislative delegation in Brazil by four legal experts of the period: Francisco Campos, Victor Nunes Leal, Bilac Pinto and Themistocles Cavalcanti.

 

KEYWORDS: Administrative law. Constitutional law. Legislative delegation. Separation of powers.


[1] Doutor em História do Direito pela Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC, 2016. Mestre em 2008 e graduado em 2005 pela Direito Público Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC. Professor de Direito Administrativo da Faculdade Cenecista de Joinville


Palavras-chave


Direito Administrativo; Direito Constitucional; Delegações Legislativas; Separação de Poderes; História do Direito

Texto completo:

Versão Virtual (59-84)

Referências


ARAGÃO, Alexandre Santos (Org.). O poder normativo das agências reguladoras. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2011.

BAQUER, Lorenzo Martín-Retortillo. La configuración jurídica de la administración pública y el concepto de Daseinsvorsorge. In. FORSTOFF, Ernst. Estado de Derecho en mutación. Trabajos constitucionales 1954-1973. Tradução de Patrício Montero-Martín. Madrid: Editorial Tecnos, 2015.

BANDEIRA DE MELLO, Oswaldo Aranha. Princípios gerais de direito administrativo. 3. ed. v. 1. São Paulo: Malheiros, 2007.

BERCOVICI, Gilberto. Estado Intervencionista e Constituição Social no Brasil: O Silêncio Ensurdecedor de um Diálogo entre Ausentes. Disponível em: . Acesso em: 21 ago. 2014.

______. Instabilidade constitucional e direitos sociais na era Vargas (1930-1964). In. BITTAR, Eduardo (Ed.). História do Direito Brasileiro. São Paulo, Atlas, 2003.

BILAC PINTO, Olavo. Estudos de Direito Público. Rio de Janeiro: Forense, 1953.

BONAVIDES, Paulo; ANDRADE, Paes. História constitucional do Brasil. 5. ed. Brasília: Editora da OAB, 2004.

BURDEAU, Georges. O Estado. Tradução de Maria E. P. Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

BURDEAU, François. Histoire du droit administratif. Paris: PUF, 1995.

CAMPOS, Francisco. O Estado Nacional. Brasília: Senado Federal, 2001.

______. Direito Constitucional. Rio de Janeiro: Forense, 1946.

______. Direito Administrativo. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1943.

______. Direito Administrativo. v. I e II. Rio de Janeiro: Livraria Freitas Bastos, 1958.

CASTRO, Alexander; MESURINI, Mauricio da Costa. A racionalidade do direito no Estado Constitucional: uma aproximação entre Max Weber e Luigi Ferrajoli. Trabalho realizado ao longo do mestrado nos anos de 2006 e 2007 (CPGD/UFSC). Ainda inédito.

CAVALCANTI, Themistocles B. Tendências modernas do direito administrativo. Revista Forense. Rio de Janeiro: Fascículo 475, 1943.

______. A Constituição de 1946. Revista de Direito Administrativo, Rio de Janeiro, v. VII. Jan/Mar. 1947.

______. O Estado e a ordem econômica – Problemas de técnica legislativa. Revista de Direito Administrativo, Rio de Janeiro, v. 25, Jul/Set. 1951b.

______. A intervenção do Estado e as suas conseqüências na estrutura administrativa. Cinco Estudos. Rio de Janeiro: FGV, 1955.

______. Teoria do Estado. Rio de Janeiro: Borsoi, 1958.

CODATO, Adriano. Classes dirigentes e fórmula política: afinidades eletivas entre o liberalismo e o autoritarismo no Brasil. Disponível em: . Acesso em: 25 jan. 2016.

DINIZ, Eli. Empresário, Estado e Capitalismo no Brasil: 1930-1945. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

DRAIBE, Sônia. Rumos e metamorfoses: um estudo sobre a constituição do Estado e as alternativas da industrialização no Brasil 1930-1946. São Paulo: Paz e Terra, 2004.

ESTORNINHO, Maria João. A fuga para o direito privado: contributo para o estudo da actividade de direito privado da Administração Pública. 2 ed. Coimbra: Almedina, 2009.

FONSECA, Ricardo Marcelo. Introdução teórica à história do direito. Curitiba: Juruá, 2009.

FONTES, Bonifácio. Delegação legislativa. Disponível em: . Acesso em: 10.05.2016.

FORSTHOFF, Ernst. Tratado de Derecho Administrativo. Trad. Legaz Lacambra. Madrid: Instituto de Estudos Políticos, 1958.

______. Estado de Derecho en mutación. Trabajos constitucionales 1954-1973. Tradução de Patrício Montero-Martín. Madrid: Editorial Tecnos, 2015.

FURTADO, Celso. Formação econômica do Brasil. 11. ed. São Paulo: Editora Nacional, 1971.

GIACOMINI, Charles Jacob. Direito Administrativo comparado – comentários à palestra do juiz federal norte-americano Dr. Peter Messite. Revista da Escola da Magistratura do TRF da 4ª Região, Porto Alegre, Ano 2, n.º 4, 2016.

GRAU, Eros Roberto. O direito posto e o direito pressuposto. 8. ed. São Paulo: Malheiros, 2011.

______. Comentário o Estado e a ordem econômica segundo Themistocles Cavalcanti, 60 anos depois. Revista dos Tribunais on-line, v. 922/2012, Ago. 2012.

GONÇALVES, Ig Henrique Queiroz. Autocrítica Aristocrática: o conceito de souveraineté du peuple em Alexis de Tocqueville. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Direito. Universidade Federal de Santa Catarina, 2010.

GUANDALINI, Walter. Gênese do Direito Administrativo Brasileiro: formação, conteúdo e função da ciência do direito administrativo durante a construção do Estado no Brasil imperial. Tese (Doutorado em Direito). Programa de pós-graduação em Direito. Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2011.

HABERMAS, Jürgen. Técnica e ciência como “ideologia”. Lisboa: Edições 70, 2006.

HESPANHA, António Manuel. Cultura jurídica européia: síntese de um milênio. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2005.

______. O direito administrativo como emergência de um governo activo (c. 1800 – c 1910). Revista de história das ideias. Coimbra: Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, n. 26, 2005.

LOSSO, Tiago. Estado Novo: Discurso, instituições e práticas administrativas. Tese de doutorado em Ciências Sociais. IFCH-Unicamp, 2006.

LYNCH, Christian Edward Cyril. Cultura política brasileira. In: SANTOS, Gustavo; BRITO, Éder (Orgs.). Política no Brasil. São Paulo: Oficina Municipal, 2015.

______. Por que Pensamento e não Teoria? A imaginação Político-Social Brasileira e o Fantasma da Condição Periférica (1880-1970). DADOS – Revista de Ciências Sociais. Rio de Janeiro, v. 56, n.º 4, 2013.

MÉNARD, René. Mitologia greco-romana. v. 1. Tradução de Aldo Della Nina. São Paulo: Opus, 1991.

METZLER, Edward L. The growth and development of Administrative Law. Marquette Law Review, v. 19, n. 04, 1935. Disponível em: . Acesso em: 17 jul. 2015.

NUNES LEAL, Victor. Lei e regulamento. Problemas de Direito Público e outros problemas. v. 1. Ministério da Justiça: Brasília, 1997a.

______. Técnica legislativa. Problemas de Direito Público e outros problemas. v. 1. Ministério da Justiça: Brasília, 1997b.

______. Delegações legislativas. Problemas de Direito Público e outros problemas. v. 1. Ministério da Justiça: Brasília, 1997c.

______. A divisão dos poderes no quadro político da burguesia. Cinco Estudos. FGV: Rio de Janeiro, 1955.

PESSOA, Robertônio Santos. Constitucionalismo, Estado e Direito Administrativo no Brasil. Interesse Público, São Paulo: Fórum, n. 53, 2009.

RADBRUCH, Gustav. Introdução à Ciência do Direito. Tradução de Vera Barkow. Martins Fontes: São Paulo, 1999.

SANTOS, Rogério Dultra. Francisco Campos e os fundamentos do constitucionalismo antiliberal no Brasil. Ano 50. v. 002. Rio de Janeiro: IUPERJ, 2007.

SCHMITT, Carl. Interpretación europea de Donoso Cortés. Tradução de Francisco Caballero. Buenos Aires: Struhart & Cia, 2006.

SEELAENDER, Airton. CASTRO, Alexander de. Um jurisconsulto adaptável – Francisco Campos (1891-1968). In: MOTA, Carlos Guilherme; SALINAS, Natsha Schmitti Caccia (Orgs.). Os juristas na formação do estado-nação brasileiro: (de 1930 aos dias atuais). São Paulo: Saraiva, 2010.

______. Francisco Campos (1891-1968) – uma releitura. In: FONSECA Ricardo Marcelo (Org.). As formas do direito: ordem, razão e decisão. Curitiba: Juruá, 2013.

______. O contexto do texto: notas introdutórias à história do direito público na idade moderna. Revista Seqüência, Florianópolis, Pós-Graduação Stricto Sensu em Direito da UFSC, v. 28, n. 55.

SILVA, Ricardo Virgilino da. A ideologia do Estado autoritário no Brasil. Tese de Doutorado. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. Unicamp: Campinas, 1998.

STOLLEIS, Michael. A history of public law in Germany 1914-1945. Tradução Thomas Dunlap. New York: Oxford University Press, 2004.

______. Public Law in Germany, 1800-1914. New York: Berghahn Books, 2001.

______. L’oeil de la loi. Histoire d’une métaphore. Paris: Mille et une nuits. 2006.

______. Escribir historia del derecho: ?Reconstrucción, narración o ficción? La historia del derecho como obra de arte. Tradução de Ignácio Gutiérrez Gutiérrez. Granada: Editorial Comares, 2009.

______. Condere leges et interpretati. Poder legislativo y formación del Estado em la Edade Moderna. La textura histórica de las formas políticas. Tradução de Ignácio Gutiérrez Gutiérrez. Madrid: Marcial Pons, 2011.

SKIDMORE, Thomas E. Brasil: de Getúlio a Castelo (1930-1964). Tradução de Berilo Vargas. São Paulo: Cia. das Letras, 2010.

TOCQUEVILLE, Alexis de. Rapport- Fait a l’académie des sciences morales et politiques (1846), sur le livre de M. Macarel, Intitulé: Cours de Droit administratif. Œuvres complètes d'Alexis de Tocqueville. publiées par Mme de Tocqueville [et Gustave de Beaumont] , Études économiques, politiques et littéraires - Tome IX. 1866.

TOLMASQUIN, Mauricio T. Novo modelo do setor elétrico brasileiro. Rio de Janeiro: Synergia, 2011.

VENANCIO FILHO, Alberto. A intervenção do Estado no domínio econômico. O direito público econômico no Brasil. Rio de Janeiro: FGV, 1968.

WHITE, Edward G. The constitution and the New Deal. Harvard University Press, 2000.

WOLKMER, Antonio Carlos. Ideologia, Estado e Direito. 4. ed. Revista dos Tribunais: São Paulo, 2003.




DOI: https://doi.org/10.22456/0104-6594.68051

Apontamentos

  • Não há apontamentos.