Reforma agrária e o acesso à terra como um direito humano para as famílias rurais nos países do Mercosul: uma análise comparada constitucional e agrarista

Arthur Ramos do Nascimento, Felipe Borges de Souza Domingues

Resumo


Reforma agrária e o acesso à terra como um direito humano para as famílias rurais nos países do MERCOSUL: uma análise comparada constitucional e agrarista

Agrarian reform and the access to land as a human right for rural families in the MERCOSUL countries: a constitutional and agrarian comparative analysis

 

Arthur Ramos do Nascimento[1]

Felipe Borges de Souza Domingues[2]

 

RESUMO: O presente artigo traz ao debate nacional elementos iniciais para reflexão sobre a forma como os países do MERCOSUL encaram o tema da Reforma Agrária e o acesso à terra dentro de uma perspectiva de direitos humanos. Inicialmente analisando o MERCOSUL enquanto um processo de integração e de desenvolvimento regional, a pesquisa apresenta nuances históricas e sociológicas dos países sul-americanos como forma de compreensão da realidade agrária e dos movimentos campesinos pela luta do campo. A partir daí, observa-se a discussão da Reforma Agrária nos países do MERCOSUL, as peculiaridades e diferenças nacionais. A abordagem sobre os direitos humanos e a concepção nacional dos Estados-Membros permite identificar que a proximidade não se limita apenas à questão geográfica, mas que os países compartilham uma identidade muito próxima de concepções e organização, consideradas as devidas proporções e peculiaridades. Assim, é possível analisar as políticas adotadas pelos países membros do MERCOSUL no sentido do acesso à terra como um direito humano e a importância da Reforma Agrária para o desenvolvimento econômico e social. Constata-se a fragilidade das políticas comuns e a ausência de políticas efetivas que incidam sobre todos os países do MERCOSUL, identificando-se ações articuladas, mas sem o status de uma política supraestatal que poderia alcançar maior efetividade para a realidade das famílias rurais.

 

PALAVRAS-CHAVE: Violência simbólica. Lei Maria da Penha. Violência institucional.

 

ABSTRACT: This article contributes to the national debate bringing initial elements for reflection on how the Mercosur countries view the issue of Agrarian Reform and access to land within a perspective of human rights. Initially analyzing Mercosur as a process of integration and regional development, the research shows historical and sociological nuances of the South American countries as a way of understanding the agrarian reality and peasant movements struggling in the countryside. Since then, it was examined the discussion of land reform in the Mercosur countries, their national peculiarities and differences. The approach on human rights and the national conception of each Member State allows the identification that their proximity is not limited to the geographical issue, but that each country shares close concepts and organization, considering its own dimension and peculiarities. Thus, it is possible to analyze the policies adopted by the MERCOSUL member countries in the sense that the access to land is a human right and the importance of Agrarian Reform to economic and social development. It is noted the fragility of common policies and the absence of effective policies concerning all the countries of MERCOSUL. Joint actions are identified, but without the status of a supranational policy that could achieve greater effectiveness to the reality of rural families.

 

KEYWORDS: Acesso à terra. Direitos Humanos. MERCOSUL. Reforma Agrária comparada.


[1] Professor da Universidade Federal da Grande Dourados. Mestre em Direito Agrário pela Universidade Federal de Goiás, 2012. Especialista em Direito Civil e Processo Civil pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás, 2008). Graduado em Direito (Pontifícia Universidade Católica de Goiás, 2006.

[2] Graduando em Direito pela Universidade Federal da Grande Dourados.


Palavras-chave


Acesso à Terra; Direitos Humanos; Mercosul; Reforma Agrária Comparada

Texto completo:

Versão Virtual (155-177)

Referências


ARGENTINA. Constitución. Constitución de la Nación Argentina. Santa Fe de la Vera Cruz, Santa Fe, 22 de agosto de 1994. Disponível em: . Acesso em: 25 jun. 2016.

ARGENTINA. Ministerio de Justicia y Derechos Humanos. Secretaría de Derechos Humanos, [s.d.]. Los Derechos Humanos: ¿Qué son los derechos humanos? Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2016.

BARROSO, Luís Roberto. Curso de Direito Constitucional Contemporâneo: os conceitos fundamentais e a construção do novo modelo. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2010.

BAUER, Guilherme G. Télles. Sobre as origens da questão agrária brasileira. Revista de História Regional, Ponta Grossa, UEPG, v. 3, n. 1, 135-166, verão 1998. Disponível em: . Acesso em: 29 jun. 2016.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 05 de outubro de 1988. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2016.

BRASIL. Estatuto da Terra. Lei nº 4.504 de 30, de novembro de 1964. Dispõe sobre o Estatuto da Terra e dá outras providências. Diário Oficial da União, 30 nov. 1964. Disponível em: . Acesso em: 27 jun. 2016.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Cidadania e Reforma Agrária, [s.d.]. Reforma Agrária. Disponível em: . Acesso em: 27 jun. 2016.

BRASIL; MERCOSUL. Saiba mais sobre o MERCOSUL, [s.d.]. Disponível em: . Acesso em: 23 jun. 2016.

BRASIL. Ministério das Relações Exteriores, [s.d.]. Integração Regional: MERCOSUL. Disponível em: . Acesso em: 23 jun. 2016.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Agrário. Gênero, agricultura familiar e reforma agrária no Mercosul. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário, 2006. Disponível em: . Acesso em: 13 jul. 2016.

CARRERA, Rodolfo Ricardo. El Derecho Agrario en las Leyes de Reforma Agraria de America Latina. Revista de Estudios Agrosociales, n. 48, p. 131-169, 1964. Disponível em: . Acesso em: 27 jun. 2016.

CHILE. Biblioteca Nacional de Chile. La tierra para el que la trabaja: La Reforma Agraria (1962 - 1973), 2015. Disponível em: . Acesso em: 27 jun. 2016.

COMPARATO, Fábio Konder. Ética: Direito, moral e religião no mundo moderno. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

CORREDOR, Renan Juan Duque. Trascendencia histórico-jurídica de la Ley de Reforma Agraria venezolana del 5 de marzo de 1960. Revista de la Procuraduría Agraria, n. 42, México, p. 137-152, 2009. Disponível em: . Acesso em: 28 jun. 2016.

FERREIRA, Pinto. Curso de Direito Agrário. 5. ed. rev. e atual. São Paulo: Saraiva, 2002.

FILHO, Francisco Cláudio Oliveira Silva. A Reforma Agrária na Constituição de 1998 e o Desenvolvimento Econômico do Brasil. In: XXI ENCONTRO REGIONAL DE ESTUDANTES DE DIREITO E ENCONTRO REGIONAL DE ASSESSORIA JURÍDICA UNIVERSITÁRIA: 20 ANOS DE CONSTITUIÇÃO: PARABÉNS! POR QUÊ?, 2008, Crato. Anais do 21º Encontro Regional de Estudantes de Direito e Encontro Regional de Assessoria Jurídica Universitária. Ceará: XXI ERED/ERAJU, 2008.

FIAN Y LA VÍA CAPESINA. Campaña Global por la Reforma Agraria: Informe de la Misión de Investigación a Argentina, 2004. Disponível em: . Acesso em: 26 jun. 2016.

KOSOVSKY, Fernando; SOLER, Nicolás. Perspectivas del trabajo jurídico sobre el derecho a la tierra en Argentina. El outro derecho, Bogotá, n. 31-32, p. 273-297, 2004.

LEITE, Sérgio Pereira; AVILA, Rodrigo Vieira de. Reforma agrária e desenvolvimento na América Latina: rompendo com o reducionismo das abordagens economicistas. Rev. Econ. Sociol. Rural, Brasília, v. 45, n. 3, p. 777-805, set. 2007. Disponível em: . Acesso em: 03 jul. 2016.

MERCOSUL. Declaração Final – XVIII Cúpula Social do Mercosul Brasília, 14, 15 e 16 jul. 2015. Brasília, 2015. Disponível em: . Acesso em: 28 jun. 2016.

MARÉS, Carlos Frederico. Função Social da Propriedade. In: SONDA, Claudia; TRAUCZYNISK, Silvia Cristina. Reforma Agrária e Meio Ambiente: Teoria e Prática no Estado do Paraná. Curitiba, 2010. Disponível em: . Acesso em: 27 jun. 2016.

MARIANO, Karina Pasquariello. Globalização, integração e o estado. Lua Nova, São Paulo, n. 71, p. 123-168, 2007. Disponível em: . Acesso em: 28 jun. 2016.

MARTINS, José de Souza. Reforma Agrária: o impossível diálogo da História possível. Tempo Social, São Paulo, v. 11, n. 2, p. 97-128, 1999.

PESCATORE, Pierre. Derecho de la integración: nuevo fenómeno en las relaciones internacionales. Tradução de Inés Carmen Matarese. Buenos Aires: INTAL, 1973.

PITANGUY, Jacqueline; HERINGER, Rosana Rodrigues (Org.). Direitos Humanos no Mercosul. 1. ed. Rio de Janeiro: CEPIA, 2001. 174p. Disponível em: . Acesso em: 26 jun. 2016.

PITANGUY, Jacqueline; HERINGER, Rosana Rodrigues. Subsídios para uma agenda de direitos humanos no Mercosul. Revista Proposta, Rio de Janeiro, n. 87, p. 60-66, 2000. Disponível em: . Acesso em: 26 jun. 2016.

REBORATTI, Carlos. Reforma agraria en la Argentina: entre la utopía y la indiferencia. In: Actas del II Encuentro de Geógrafos de America Latina, Tomo II: Reforma agraria y problemas campesinos, Montevideo, 1989. Disponível em: . Acesso em: 26 jun. 2016.

REIS, Rossana Rocha. O Direito à Terra como um Direito Humano: a Luta pela Reforma Agrária e o Movimento de Direitos Humanos no Brasil. Lua Nova, n. 86, São Paulo, p. 89-122, 2012.

RIBEIRO, Vanderlei Vazelesk. Paraguai: um golpe de novo tipo e a permanente questão agrária. Tempo Presente, Rio de Janeiro, n. 2, p. 1-12, 2012. Disponível em: . Acesso em: 28 jun. 2016.

SILVA, José Graziano. Reforma Agrária. Lua Nova, São Paulo, v. 1, n. 4, p. 34-37, 1985. Disponível em: . Acesso em: 27 jun. 2016.

STREDEL, Juan. Trece años de Reforma Agraria em Venezuela. Nueva Sociedad, Buenos Aires, n. 6, p. 44-50, 1973. Disponível em: . Acesso em: 27 jun. 2016.

UNITED NATIONS. Oficce of the High Comissioner for Human Rights, [s.d.]. Your Human Rights: What are Human Rights? Disponível em: . Acesso em: 27 jun. 2016.

VENTURA, Deisy; ROLIM, Marcos. Os direitos humanos e o Mercosul: uma agenda (urgente) para além do mercado. In: Marcos Rolim – direitos humanos e segurança. [S.l.: s.n.], [200-]. Disponível em: . Acesso em: 15 jun. 2008.




DOI: https://doi.org/10.22456/0104-6594.67990

Apontamentos

  • Não há apontamentos.