A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL DE UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA NO CONTEXTO ORGANIZACIONAL FAMILIAR

Autores

  • Eros Renato Silva Cardoso Universidade Federal do Espírito Santo
  • Alfredo Rodrigues Leite da Silva Universidade Federal do Espírito Santo

Palavras-chave:

Construção Social, Ferramentas Estratégicas, Fenomenologia, Organizações Familiares.

Resumo

O objetivo deste artigo é compreender o fenômeno de transformação de um software, com potencial para ser uma ferramenta estratégica, pelas construções sociais dos atores inseridos em um contexto organizacional familiar. Defende-se que as ferramentas estratégicas podem ser transformadas pelas construções sociais de seus usuários articuladas nos contextos em que estão inseridos. Para compreender o fenômeno dessas transformações nas ferramentas estratégicas, discute-se a temática da construção social nas organizações, reconhecendo as implicações das especificidades sociais das organizações familiares. Esta pesquisa se apoiou metodologicamente na fenomenologia do mundo social de Schütz. O lócus do estudo foi uma organização familiar do setor de vendas de equipamentos comerciais no estado do Espírito Santo. A coleta de dados se deu a partir de dezenove entrevistas semiestruturadas, observação participante e pesquisa documental. A análise dos dados foi baseada no método fenomenológico. Como resultados, questões como o despreparo, o feeling, as redes de motivos e interesses, as imposições, as heranças do contexto, as tentativas (d)e manutenção de práticas, a experiência de vida do indivíduo e interesses organizacionais, entre outras, evidenciaram que as transformações da ferramenta foram causadas pelas redes de motivos e interesses, tanto institucionais quanto específicos dos atores sociais, imersos em construções sociais no contexto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2017-11-20

Como Citar

Cardoso, E. R. S., & Leite da Silva, A. R. (2017). A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL DE UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA NO CONTEXTO ORGANIZACIONAL FAMILIAR. Revista Eletrônica De Administração, 23(3), 173–205. Recuperado de https://www.seer.ufrgs.br/index.php/read/article/view/56537