As marcas da gestão democrática nas escolas portuguesas

Autores

  • Jussara Bueno de Queiroz Paschoalino Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Fernando Selmar Rocha Fidalgo Universidade Federal de Minas Gerais
  • José Alberto de Azevedo e Vasconcelos Correia Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto -Portugal
  • Elisabete Ferreira Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto -Portugal

DOI:

https://doi.org/10.21573/vol32n22016.62391

Palavras-chave:

Gestão democrática, escolas portuguesas, educação básica.

Resumo

Refletir sobre a gestão escolar na região do Porto – Portugal, na perspectiva de reconhecer suas marcas democráticas, constituiu uma tessitura complexa. A pesquisa qualitativa teve como procedimentos metodológicos as visitas a seis escolas de educação básica e a realização de entrevistas com seus respectivos diretores. Os achados evidenciaram as realidades singulares dessas escolas e também as ações similares no exercício da gestão democrática, pautadas nas normatizações legais, na situação geral do país e também nas atividades cotidianas dos diretores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jussara Bueno de Queiroz Paschoalino, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professora Adjunta da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Doutorado em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais (2012). Doutorado Sanduíche pela Universidade do Porto (2012). Mestrado em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais (2007). Possui graduação em Pedagogia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Especialização em Educação pelo CEPEMG. Especialização em Psicopedagogia pelo CEPEMG. Especialização em Direitos Humanos pelo CES. Especialização em Temas Filosóficos pela UFMG. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Trabalho e Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: Formação de professores, educação, ensino-aprendizagem, trabalho e educação, gestão, educação a distância e trabalho docente.

Fernando Selmar Rocha Fidalgo, Universidade Federal de Minas Gerais

Concluiu o doutorado em educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo em 1999. Professor titular da Universidade Federal de Minas Gerais. É membro do Colegiado do Programa de Pós-graduação em Educação da UFMG. Foi pesquisador visitante no Institut de Recherches Economiques et Sociales. É Editor da revista Trabalho & Educação. Orienta atualmente duas alunas de mestrado e quatro alunos de doutorado. Bolsista de Produtividade do CNPq. Coordena Projetos de Pesquisas. Pós-doutorou-se na Université Paris X (2004) e, também, na Universidade do Porto (2010).

José Alberto de Azevedo e Vasconcelos Correia, Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto -Portugal

Professor Catedrático    Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto

Elisabete Ferreira, Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto -Portugal

Professora da  Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto- Portugal

Referências

AFONSO. Almerindo J. Gestão, autonomia e accountabiliy na escola pública portuguesa. Revista Brasileira de Política e Administração de Educação, v. 26, n. 1, p. 13-30, jan./abr. 2010.

ARAÚJO, Helena. Editorial. Revista Educação, Sociedade e Culturas, v. 33, p. 5-6, 2011.

BARROSO, João. Direcção de escolas e regulação das políticas: em busca do unicórnio. In: NETO-MENDES; A., COSTA; J. A; VENTURA, A. (Org.). A emergência do diretor da escola: questões políticas e organizacionais. In: VI SIMPÓSIO DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR. Aveiro: Universidade de Aveiro, 2011.

BARROSO, João. A utilização do conhecimento em política: o caso da gestão escolar em Portugal. Educação e Sociedade, Campinas, v. 30, n. 109, p. 987-1007, set./dez. 2009.

BRANDÃO, Maria João; MAGALHÃES, Antônio M. Avaliação educacional, tecnologia política e discurso. Revista Educação, Sociedade e Culturas, v. 33, p. 51-68, 2011.

CORREIA. José Alberto. Paradigmas e cognições no campo da administração educacional: das políticas de avaliação à avaliação como política. Revista Brasileira de Educação, v. 15, n. 45, set./dez. p. 456-592, 2010.

CORREIA, José Alberto; FIDALGO, Fernando; FIDALGO, Nara Luciene R. A avaliação como trabalho e o trabalho da avaliação. Revista Educação, Sociedade e Culturas, v. 33, p. 33-50, 2011.

DICIONÁRIO MICHAELIS Online. Disponível em: <http://michaelis.uol.com.br/moderno/ portugues/index.php?lingua=portuguesportugues&palavra=qualidade>. Acesso em 10 de maio de 2012.

FERREIRA, Elisabete. Entre uma ética da administração educativa e uma agência humana como currículo. In: LEITE, Carlinda et al. (Orgs.). Políticas, fundamentos e práticas do currículo. Porto: Porto, 2011. p. 90-98.

FERREIRA, Elisabete. (D)Enunciar a autonomia: contributos para a compreensão da génese e da construção da autonomia escolar. Porto: Porto, 2012. (Prémio Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação).

FERREIRA, Elisabete; LOPES, Amélia. O gosto e o desgosto da escola: cidadania, democracia e lógicas de participação juvenil nas escolas. Revista Elo, Centro de Formação Francisco Holanda, Guimarães, p. 77-84, 2011.

LAVILLE, Christian; DIONNE, Jean. A construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Tradução de Heloisa Monteiro e Francisco Settineri. Porto Alegre: Artes Médicas; Belo Horizonte: Editora UFMG, 1999.

PASCHOALINO, Jussara B. de Queiroz. O professor desencantado: matizes do trabalho docente. Belo Horizonte: Armazém de Ideias, 2009.

PASCHOALINO, Jussara B. de Queiroz; Altoé, Adaílton. Presenteísmo e trabalho docente. Curitiba: CRV, 2015.

PORTUGAL (País). Ministério da Educação e Ciência. Revisão da Estrutura Curricular, publicado em 26 de março de 2012. Disponível em: <http://www.portugal.gov.pt/media/ 550035/20120326__revisao_estrutura_curricular.pdf>. Acesso em: 09 de junho de 2012.

PORTUGAL (País). Ministério da Educação e Ciência. Decreto lei 75/2008. Diário da República, 1.ª série, n.º 79, 22 de Abril de 2008. Disponível em: <http://dre.pt/pdf1s/2008/04/ 07900/0234102356.pdf>. Acesso em 2 de fevereiro de 2011.

SILVA, Ana; FERREIRA, Elisabete. O Jogo da corda dos/das directores/as de escolas com contrato de autonomia. In: ACTAS DO I FÓRUM INTERNACIONAL DE PROJETOS IINEDU - INVESTIGAR E INTERVIR EM EDUCAÇÃO. Porto: CIIE/SPG-CE (no prelo) (Edição em CD-Rom), 2011.

Downloads

Publicado

2016-08-21

Como Citar

Paschoalino, J. B. de Q., Fidalgo, F. S. R., Correia, J. A. de A. e V., & Ferreira, E. (2016). As marcas da gestão democrática nas escolas portuguesas. Revista Brasileira De Política E Administração Da Educação, 32(2), 353–371. https://doi.org/10.21573/vol32n22016.62391