Educação da infância: o lugar da participação da família na instituição educativa

Autores

  • Nancy Nonato de Lima Alves Universidade Federal de Goiás (UFG)

DOI:

https://doi.org/10.21573/vol32n012016.60181

Palavras-chave:

Educação infantil, políticas públicas, participação familiar, gestão democrática.

Resumo

O artigo, que aborda a participação familiar como dimensão da gestão democrática na educação infantil, vincula-se à pesquisa Políticas públicas e educação da infância em Goiás: história, concepções, projetos e práticas. Com base no materialismo histórico-dialético, analisa a Educação Infantil como política pública e identifica contradições e desafios da participação da família nessa etapa educacional. Conclui que a democratização da gestão requer superar a participação restrita e operacional, construindo amplo envolvimento familiar nas decisões e ações políticas e pedagógicas da instituição de educação infantil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nancy Nonato de Lima Alves, Universidade Federal de Goiás (UFG)

NANCY NONATO DE LIMA ALVES é doutora em Educação (UFG/2007), mestre em Educação (UFG/2002) e possui especialização em Psicopedagogia (UFG/1996). Graduação em Pedagogia (PUC-GO/1991). Professora da Faculdade de Educação/UFG, na área de Didática, Formação de Professores e Estágio nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental e Educação Infantil do curso de Pedagogia e no Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE/FE). Subcoordenadora do Núcleo de Estudos e Pesquisas da Infância e sua Educação em Diferentes Contextos (NEPIEC). Vice-Coordenadora do Projeto de Pesquisa "Políticas públicas e educação da infância em Goiás: história, concepções, projetos e práticas". Coordenadora do curso de Especialização em Educação Infantil (2014-2016). E-mail: nancynlalves@gmail.com

Referências

ALVES, Nancy N. de L. Coordenação pedagógica na Educação Infantil: trabalho e identidade profissional na rede municipal de ensino de Goiânia. 2007. 315 f. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal de Goiás. Goiânia, 2007.

______. Elementos mediadores e significativos da docência em educação infantil da rede municipal de ensino de Goiânia. 2002. 205 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal de Goiás. Goiânia, 2002.

ARAÚJO, Denise S. Infância, família e creche: um estudo dos significados atribuídos por pais e educadoras de uma instituição filantrópica. 2006. 265 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal de Goiás. Goiânia, 2006.

BANCO MUNDIAL. Prioridades y Estratégias para la Educación – examen del Banco Mundial. Washington, D.C., 1996. (versão em espanhol).

BARBOSA, Ivone G. Das políticas contraditórias de flexibilização e centralização: reflexões sobre a história e as políticas da educação infantil. Inter-Ação, v. 33, n. 2, p. 379-393, jul./dez. 2008.

_____; ALVES, Nancy N. L.; MARTINS, Telma A. T. Políticas públicas para a Educação Infantil em Goiânia: a luta por um projeto político-social. 28ª Reunião Anual da Anped. Anais. Caxambu, 2005.

_____; ALVES, Nancy N. L. Gestão democrática na educação infantil e participação da família: possibilidades e limites. XXIV Simpósio Brasileiro de Política e Administração da Educação, III Congresso Interamericano de Política e Administração da Educação. Anais. Vitória: Universidade Federal do Espírito Santo, 2009.

BITTAR, Mariluce; SILVA, Jória P. de O.; MOTTA, Maria Cecília A. formulação e implementação da política de educação infantil no Brasil. In: RUSSEFF, Ivan; BITTAR, Mariluce (orgs.). Educação Infantil: política, formação e prática docente. Brasília: Plano, 2004.

BONDIOLI, Anna; SAVIO, Donatella (orgs.). Participação e qualidade em educação da infância – percursos de compartilhamento reflexivo em contextos educativos. Curitiba: Ed. UFPR, 2013

BRASIL. Conselho Nacional de Educação (CNE). Resolução CNE/CEB nº 05/2009. Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília: MEC: 2009a.

_____. Ministério da Educação (MEC). Indicadores da Qualidade na Educação Infantil. Brasília, 2009b.

______. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: Imprensa Nacional, 1996.

______. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Brasília, 1990.

_____. Ministério da Educação (MEC). Referenciais Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília: MEC, 1998. 3 v.

______. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm> Acesso em: 5 nov. 2015.

BRECHT, Bertolt. Elogio da dialética. In: CAMPOS, Haroldo. Breve antologia de Bertolt Brecht. Fragmentos, v. 5, n. 1, p. 143-155, 1995. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/fragmentos/article/view/4909/4270>. Acesso em: 15 nov. 2015.

CAMPOS, Maria M. Malta. A Constituinte e a educação da criança de 0 a 6 anos. Cadernos de Pesquisa, v. 59, p. 57-65, nov. 1986.

______; FÜLGRAFF, Jodete; WIGGERS, Verena. A qualidade da Educação Infantil brasileira: alguns resultados de pesquisa. Cadernos de Pesquisa, v. 36, n. 127, p. 87-128, jan./abr. 2006.

CORRÊA, Bianca C. Possibilidades de participação familiar e qualidade na educação infantil. 2001. 192 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade de São Paulo. São Paulo, 2001.

DOURADO, Luiz F. Escolha de dirigentes escolares: políticas e gestão da educação no Brasil. In: FERREIRA, N. S. C. (org.) Gestão democrática da educação: atuais tendências, novos desafios. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

______ (Org.). Gestão escolar democrática: a perspectiva dos dirigentes escolares da rede municipal de ensino de Goiânia-GO. Goiânia: Alternativa, 2003.

FARIA, Ana Lúcia G. Políticas de regulação, pesquisa e pedagogia na Educação Infantil, primeira etapa da Educação Básica. Educação & Sociedade. v. 26, n. 92, p. 1013-1038, Especial - Out. 2005. Disponível em <http://www.cedes.unicamp.br> Acesso em ago/2006.

FINCO, Daniela; GOBBI, Marcia A.; FARIA, Ana Lúcia G. Creche e feminismo: desafios atuais para uma educação descolonizadora. Campinas, SP: Leitura Crítica/ São Paulo: ABL/ FCC, 2015.

FREITAS, Luiz C. Qualidade negociada: avaliação e contra-regulação na escola pública. Educação & Sociedade, v. 26, n. 92, p. 911-933, out. 2005. Edição Especial. GEPEDISC. (Linha Culturas Infantis). Infâncias e movimentos sociais. Campinas, SP: Leitura Crítica, 2015.

HADDAD, Lenira. A trajetória da Educação Infantil em quatro ciclos. In: XAVIER, Maria Elizabete P. S. Questões de Educação Escolar. São Paulo: Alínea, 2007.

_______.A creche em busca de identidade. 3. ed. São Paulo: Loyola, 2002.

KRAWCZYK, Nora. A gestão escolar: um campo minado... Análise das propostas de 11 municípios brasileiros. Educação & Sociedade. Ano XX, n. 67, p. 112-149, ago. 1999.

LARANJEIRA, Rita A. S. R.; GASPAR, Maria Filomena R. da F. O envolvimento da família no Jardim de Infância: perspectivas dos pais em Portugal. In: GUIMARÃES, Célia M.; RIBEIRO, Arilda I. M. (orgs.). Gestão educacional: questões contemporâneas. Araraquara, SP, Junqueira & Marin; Presidente Prudente, SP: Fundacte, 2008.

LOPES, Claudia C. G. P.; GUIMARÃES, Célia M. (Re)pensando as relações entre instituições de educação infantil e famílias. In: GUIMARÃES, Célia M.; RIBEIRO, Arilda I. M. (Orgs.). Gestão educacional: questões contemporâneas. Araraquara, SP: Junqueira & Marin; Presidente Prudente, SP: Fundacte, 2008.

MARX, Karl. Contribuição à crítica da economia política. 3 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

MARQUEZ, Christine G. O Banco Mundial e a Educação Infantil no Brasil. 2006. 215f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Goiás. Goiânia, 2006.

MIEIB. Educação Infantil: construindo o presente. Campo Grande: Ed. UFMS, 2002. (Movimento Interfóruns de Educação Infantil)

MUKHINA, Valeria. Psicologia da idade pré-escola. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

OLIVEIRA, Zilma de M. Gestão pedagógica das instituições de educação infantil. In: GUIMARÃES, Célia M.; RIBEIRO, Arilda I. M. (orgs.). Gestão educacional: questões contemporâneas. Araraquara, SP: Junqueira & Marin; Presidente Prudente, SP: Fundacte, 2008.

_____; MELLO, Ana Maria; VITÓRIA, Telma; FERREIRA, Maria Clotilde R.. Creches: crianças, faz de conta & cia. Petrópolis: Vozes, 1993.

OLIVEIRA, Heloisa H. G.; MACEDO, Lino. Reuniões de pais na Educação Infantil: modos de gestão. Cadernos de Pesquisa, v. 41, n. 142, p. 208-227, jan./abr. 2011.

PARO, Vitor H. Gestão democrática da escola pública. 3. ed. São Paulo: Ática, 2003.

ROSEMBERG, Fúlvia. Organizações multilaterais, Estado e políticas de Educação Infantil Cadernos de Pesquisa, n. 115, p. 25-63, mar. 2002.

SAMBRANO, Taciana M. (Com)vivendo com crianças e suas famílias: desafios para o educador? In: ANGOTTI, Maristela (org.). Educação Infantil: da condição de direito à condição de qualidade no atendimento. São Paulo: Alínea, 2009

______. Relação instituição de Educação Infantil e família: um sonho acalentado, um vínculo necessário. In: ANGOTTI, Maristela (org.). Educação Infantil: para que, para quem e por quê? São Paulo: Alínea, 2008.

SILVA, Isabel de O. Educação Infantil no coração da cidade. São Paulo: Cortez, 2008.

SPAGGIARI, Sérgio. Considerações críticas e experiências de gestão social. In: BONDIOLI, A.; MANTOVANI, S. Manual de educação infantil: 0 a 3 anos - uma abordagem reflexiva. 9. ed. Porto Alegre: Artmed, 1998.

VYGOTSKI, Lev S. Obras escogidas III - Problemas del desarrollo de la psique. 2 ed. Madri: Aprendizage Visor, 2000.

Downloads

Publicado

2016-06-23

Como Citar

Alves, N. N. de L. (2016). Educação da infância: o lugar da participação da família na instituição educativa. Revista Brasileira De Política E Administração Da Educação, 32(1), 267–285. https://doi.org/10.21573/vol32n012016.60181