O IDEB e seus efeitos na organização do trabalho escolar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21573/vol37n12021.105962

Palavras-chave:

Avaliação Externa. Ideb. Organização do Trabalho Pedagógico.

Resumo

O artigo analisa os efeitos do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica na organização do trabalho pedagógico de 29 escolas estaduais mineiras. Pesquisa realizada por meio da análise dos índices e entrevistas com os/as profissionais das instituições. Os resultados evidenciam que os índices incitam as escolas a produzirem estratégias pedagógicas e gestoriais para garantir ou melhorar o desempenho. Contudo, existem diferenças nos efeitos de acordo com as metas e os resultados alcançados pelas escolas envolvidas na pesquisa. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leonice Matilde Richter, Universidade Federal de Uberlândia

Professora da Universidade Federal de Uberlândia, Faculdade de Educação, Núcleo de Política e Gestão da Educação, Uberlândia, MG, Brasil.

Maria Vieira Silva, Universidade Federal de Uberlândia

Professora titular da Universidade Federal de Uberlândia, Faculdade de Educação, Núcleo de Política e Gestão da Educação, Uberlândia, MG, Brasil.

Referências

AFONSO, Almerindo Janela. Políticas educativas e avaliação educacional: para uma análise sociológica da reforma educativa em Portugal. Braga: Universidade do Minho, 1998.

AFONSO, Almerindo Janela. Questões, objetos e perspectivas em avaliação. Avaliação. vol.19, n.2, p.487-507, 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/aval/v19n2/a13v19n2.pdf Acesso em: 20 jun. 2020.

AFONSO, Almerindo Janela. Políticas de responsabilização: equívocos semânticos ou ambiguidades político-ideológicas? Revista de Educação PUC-Campinas, v.23, n.1, p.8-18, mar. 2018. Disponível em: http://periodicos.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/reveducacao/article/view/4052. Acesso em: 19 jun. 2020.

AGUIAR, Márcia Angela da S.; DOURADO, Luiz Fernandes. Apresentação. (In) A BNCC na contramão do PNE 2014-2024: avaliação e perspectivas. (Org.) AGUIAR, Márcia Angela; DOURADO, Luiz Fernandes. Recife: ANPAE, 2018.

APPLE, Michael W. Trabalho docente e textos: economia política das relações de classe e gênero em educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

BONAMINO, Alicia; SOUSA, Sandra Zákia. Três gerações de avaliação da educação básica no Brasil: interfaces com o currículo da/na escola. Educ. Pesqui. 2012, v.38, n.2, p.373-388. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-97022012000200007&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 19 de abr. de 2020.

BONDIOLI, Anna. Dos indicadores às condições do projeto educativo: um percurso pedagógico-político de definição e garantia da qualidade em creches da região da Emília-Romana. In: BONDIOLI, Anna (Org.). O projeto pedagógico da creche e a sua avaliação: a qualidade negociada. Campinas: Autores Associados, 2004

BRASIL. Portaria n. 931, de março de 2005. Institui o Sistema de Avaliação da Educação Básica, composto pela Prova Brasil (Anresc) e pelo Saeb (Aneb). Diário Oficial da União, Brasília, Seção 1, n.100, 2005.

BRASIL. Ministério da Educação. O Plano de Desenvolvimento da Educação: razões, princípios e programas. Brasília: MEC, 2007. Disponível em: http://www.portal.mec.gov.br/arquivos/livro/index.htm. Acesso em: 2 jul. 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. PDE: Plano de Desenvolvimento da Educação - Prova Brasil: ensino fundamental: matrizes de referência, tópicos e descritores/2008. Brasília: MEC, Inep, 2011.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Nota Técnica n1: Índice de Desenvolvimento da Educação Básica – Ideb. Brasília: INEP/IDEB, [s.d.]. Disponível em:

http://download.inep.gov.br/educacao_basica/portal_ideb/o_que_e_o_ideb/Nota_Tecnica_n1_concepcaoIDEB.pdf. Acesso em: 04 abr. 2020.

BRASIL. Conselho Nacional De Educação. Conselho Pleno. Resolução CNE/CP nº 2, de 22 de dezembro de 2017 que institui e orienta a implantação da BNCC, a ser respeitada obrigatoriamente ao longo das etapas e respectivas modalidades no âmbito da Educação Básica.

FERNANDES, Reynaldo. Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) Inep/MEC, Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2007. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/documents/186968/485287/%C3%8Dndice+de+Desenvolvimento+da+Educa%C3%A7%C3%A3o+B%C3%A1sica+%28Ideb%29/26bf6631-44bf-46b0-9518-4dc3c310888b?version=1.4 Acesso em: 04 abr. 2020.

FREITAS, Luiz Carlos. A avaliação e as reformas dos anos de 1990: novas formas de exclusão, velhas formas de subordinação. Educ. Soc. 2004, vol.25, n.86, p.131-170. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0101-73302004000100008&lng=en&nrm=iso&tlng=pt Acesso em: 20 jun. 2020.

KLEIN, Ruben. Alguns aspectos da teoria de resposta ao item relativos à estimação das proficiências. Revista Ensaio. 2013, vol.21, n.78, p.35-56. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40362013000100003&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 26 de jun. 2020.

MINAS GERAIS. Secretaria de Estado de Educação. Resolução n. 2.253, de 9 de jan. de 2013, estabelece normas para a organização do Quadro de Pessoal das Escolas Estaduais e a designação para o exercício de função pública na rede estadual de educação básica. MG, Belo Horizonte, 2013.

OLIVEIRA, Dalila Andrade. A reestruturação do trabalho docente: precarização e flexibilização. Revista Educação & Sociedade, Campinas, v.25, n.89, p.1127-1144, set./dez. 2004. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302004000400003&lng=pt Acesso em: 26 de jun. de 2020.

OLIVEIRA, Romualdo Luiz Portela de; ARAUJO, Gilda Cardoso de. Qualidade do ensino: uma nova dimensão da luta pelo direito à educação. Rev. Bras. Educ., Rio de Janeiro, n. 28, p. 5-23, 2005. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbedu/n28/a02n28.pdf Acesso em: 26 de jun. de 2020.

RAVITCH, Diane. Vida e morte do grande sistema escolar americano: como os testes padronizados e o modelo de mercado ameaçam a educação. Porto Alegre: Sulina, 2011.

RICHTER, Leonice Matilde. Trabalho docente, políticas de avaliação em larga escala e accountability no Brasil e em Portugal. 2015. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2015.

SORDI, Mara Regina Lemes; FREITAS, Luiz Carlos de. Responsabilização participativa. Revista Retratos da Escola, Brasília, v.7, n.12, p.87-99, jan./jun. 2013. Disponível em: file:///C:/Users/Desktop/Downloads/263-1022-1-PB.pdf Acesso em: 19/05/2020.

SOUSA, Sandra Zákia; OLIVEIRA, Romualdo Portela. Sistemas estaduais de avaliação: uso dos resultados, implicações e tendências. Cad. Pesqui. 2010, v.40, n.141, p.793-822. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-15742010000300007&script=sci_abstract&tlng=pt Acesso em: 19/05/2020.

TRAVITZKI, Rodrigo. Qual é o grau de incerteza do Ideb e por que isso importa? Revista Ensaio: aval.pol.públ.Educ. RJ, v.28, n.107, p.500-520, jun. 2020. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40362020000200500&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 10/02/2020.

Downloads

Publicado

2021-04-30

Como Citar

Richter, L. M., & Vieira Silva, M. (2021). O IDEB e seus efeitos na organização do trabalho escolar. Revista Brasileira De Política E Administração Da Educação, 37(1), 327–350. https://doi.org/10.21573/vol37n12021.105962