Elementos para a interpretação de Tempo de Espalhar Pedras, de Estevão Azevedo

Ana Laura Boeno Malmaceda

Resumo


Este artigo analisa a poética da obra Tempo de Espalhar Pedras, de Estevão Azevedo, lendo nela estruturas de violência colonial presentes em práticas sociais brasileiras. A partir de uma reflexão sobre os arquivos cognitivos tocados pela narrativa, um exercício de diálogo com obras de diferentes genealogias da literatura brasileira do século XX é proposto, em especial com o que se passou a chamar de romance regionalista. Por fim, possíveis vertentes da obra de Azevedo surgem, num passeio por eixos temáticos do
horizonte literário contemporâneo nacional. 

Palavras-chave: Literatura brasileira. Estudos culturais. Estudos brasileiros.


Texto completo:

PDF

Referências


AZEVEDO, Estevão. Estevão Azevedo fala sobre seu romance "Tempo de Espalhar Pedras". Cosac Naify, São Paulo,18 set. 2014. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=baSUJsn9g9k. Acesso em: 26 mar. 2020.

AZEVEDO, Estevão. Tempo de Espalhar Pedras. São Paulo: Cosac Naify, 2014.

AZEVEDO, Estevão. Nunca o Nome do Menino. Rio de Janeiro: Record. 2016.

BOSI, Alfredo. Dialética da colonização. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

CANDIDO, Antonio. Ficção e confissão. 3. ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul,

CHAUÍ, Marilena. Mito fundador e sociedade autoritária. São Paulo: Fundação

Perseu Abramo, 2000.

GINZBURG, Jaime. O narrador na literatura brasileira contemporânea. Tintas.

Quaderni di letterature iberiche e iberoamericane, n. 2, p. 199-221, 2012.

MARTINS, José de Souza. Linchamentos: a justiça popular no Brasil. São Paulo:Contexto, 2015.

PASSOS, José Luiz. Romance de Estevão Azevedo traz faces de um Brasil

desumanizado. Estadão, São Paulo, 14 nov. 2014. Disponível em:

http://cultura.estadao.com.br/noticias/literatura,romance-de-estevaoazevedo-

traz-faces-de-um-brasil-desumanizado,1592944. Acesso em: 26 mar.2020.

PERRONE-MOISÉS, Leyla. A literatura exigente: os livros que não dão moleza ao leitor. Folha de São Paulo, Ilustríssima, 2012.

RAMOS, Graciliano. Vidas Secas. 25. ed. São Paulo: Editora Martins, 1970.

RESENDE, Beatriz. Possibilidades da nova escrita literária no Brasil. In: RESENDE, Beatriz, FINAZZI-AGRÓ, Ettore (org.). Possibilidades da nova escrita literária no Brasil. Rio de Janeiro: Revan, 2014.

ROSA, Guimarães. Grande Sertão: Veredas. 19. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.

RUFFATO, Luiz. Alguns apontamentos sobre a literatura brasileira contemporânea. Conexões Itaú Cultural, 27 mai. 2013. Disponível em: http://conexoesitaucultural.org.br/biblioteca/alguns-apontamentos-sobre-aliteratura-brasileira-contemporanea/. Acesso em: 17 abr. 2020.

SCHØLLHAMMER, Karl Erik. Ficção Brasileira Contemporânea. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.




DOI: https://doi.org/10.22456/2596-0911.99878

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

 

ISSN 2596-0911

 

Contato: revistaphilia@ufrgs.br

 

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Avenida Paulo Gama, 110

Bairro Farroupilha, Porto Alegre, RS

CEP 90040-060

 

INDEXADORES | INDEXING