O diálogo do contemporâneo com o passado: uma discussão teórico-estética

Carolina Montebelo Barcelos

Resumo


O objetivo deste artigo é, a partir de considerações dos filósofos Giorgio Agamben e Georges Didi-Huberman, examinar o conceito de contemporâneo como um diálogo com o passado, sem necessariamente recapturá-lo como tal, mas revisitando e relendo determinados elementos desse passado. Assim, são consideradas, aqui, as reflexões levadas a cabo pelos críticos e teóricos das artes, Boris Groys, MiwonKwon e Richard Meyer. Em seguida, os pontos de convergência desses pesquisadores são contrapostos à visão do contemporâneo defendida por Terry Smith e Alexander Alberro e, então, relacionados à ideia do novo. Por fim, o artigo busca, brevemente, na conclusão, pensar o debate acerca do contemporâneo no caso da arte brasileira.

Keywords:Contemporâneo. Tempo. Passado. Novo. Artes Visuais.


Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. O que é o contemporâneo? E outros ensaios. Chapecó, SC: Argos, 2009.

ALBERRO, Alexander. Questionnaire on “The Contemporary”.October Magazine, Cambridge, n. 130, p. 55–60, 2009.

AUGÉ, Marc. Contemporanéité et conscience historique.In: AUGÉ, Marc. Où est passé l’avenir. Paris: Éditionsdu Panamá, 2008.

COCCHIARALE, Fernando. A (outra) arte contemporânea brasileira: intervenções urbanas micropolíticas. Arte & Ensaios, Rio de Janeiro, p. 67–71, 2004. Disponível em: https://www.ppgav.eba.ufrj.br/wp-content/uploads/2012/01/ae11_fernando_cocchiarale.pdf. Acesso em: 26 mai. 2020.

DIDI-HUBERMAN, Georges. A sobrevivência dos vagalumes.Belo Horizonte: UFMG, 2011.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Diante do tempo: história da arte e anacronismo das imagens.Belo Horizonte: UFMG, 2015.

DIDI-HUBERMAN, Georges. A imagem sobrevivente: história da arte e tempo dos fantasmas segundo Aby Warburg.Rio de Janeiro: Contraponto, 2013.

FOSTER, Hal. Questionnaire on “The Contemporary”.October Magazine, Cambridge, n. 130, p. 3–124, 2009.

GROYS, Boris. Comrades of Time. e-flux journal, Nova Iorque, n. 11, dez 2009.

GROYS, Boris. On the New. New York: Verso, 2014.

GROYS, Boris. O universalismo fraco. Serrote, São Paulo, n. 9, p. 86-101, nov. 2011.

KWON, Miwon. Questionnaire on “The Contemporary”.October Magazine, Cambridge, n. 130, p. 13–15, 2009.

MEYER, Richard. What was Contemporary Art?Cambridge: The MIT Press, 2013.

SMITH, Terry. Questionnaire on “The Contemporary”. October, October Magazine, Cambridge, n. 130, p. 46–54, 2009a.

SMITH, Terry. What is Contemporary Art? Chicago; Londres: University of Chicago Press, 2009b.

SMITH, Terry. Talking Contemporary Curating. New York: Independent Curators International, 2015a.

SMITH, Terry. Thinking Contemporary Curating. New York: Independent Curators International, 2015b.

SMITH, Terry; MATHUR, Saloni. Contemporary Art: world currents in transition beyond globalization. Contemporaneity, Pittsburgh, v. 3, n. 1, 2014. Disponível em: https://contemporaneity.pitt.edu/ojs/contemporaneity/article/view/112/110. Acesso em: 28 dez 2018.




DOI: https://doi.org/10.22456/2596-0911.99199

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

 

ISSN 2596-0911

 

Contato: revistaphilia@ufrgs.br

 

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Avenida Paulo Gama, 110

Bairro Farroupilha, Porto Alegre, RS

CEP 90040-060

 

INDEXADORES | INDEXING