Um teto para a crítica genética: a teoria e o pesquisador da gênese

Luana Maria Andretta

Resumo


O estudo de manuscritos literários pode se revelar como um terreno fecundo para a compreensão de movimentos criativos, a observação de hábitos redacionais e a reatualização de uma obra. Contudo, a crítica genética, ciência que embasa tal trabalho, vem disputando um espaço dentro do campo literário desde seu surgimento. A partir dessas considerações, o objetivo deste artigo é identificar os motivos que geram a marginalização da crítica genética e as perspectivas apresentadas por essa jovem ciência para a contemporaneidade. Para tanto, por meio de um levantamento bibliográfico, foram elencados e discutidos os três motivos que geram tal marginalidade, bem como as possíveis contribuições dos processos genéticos para diversas áreas do saber e perante o avanço tecnológico.

Palavras-chave: Manuscritos literários. Crítica Genética. Marginalidade. Perspectivas.


Texto completo:

PDF

Referências


BIASI, Pierre-Marc de. A genética dos textos.Porto Alegre: EDIPUCRS, 2010.

BIASI, Pierre-Marc de. Entrevista com Pierre-Marc de Biasi. [Entrevista concedida a] Sergio Romanelli e Hanna BetinaGötz. Cadernos de Tradução, Florianópolis, n. 29, p. 223-238, 2012. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/307751506_Entrevista_com_Pierre-Marc_De_Biasi. Acesso em 01 jun. 2019.

BORDINI, Maria da Glória. Acervos Sulinos: a fonte documental e o conhecimento literário. In: SOUZA, Maria Eneida de; MIRANDA, Wander Mello (Org.). Arquivos literários. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003. p. 129-139.

CARNEIRO, Maria Luiza Tucci. Arquivos-relicários: múltiplas narrativas para a construção da história e da memória. In: SOUZA, Eneida Maria de; MIRANDA, Wander Mello (Org.). Crítica e coleção. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011. p. 327-340.

CURY, Maria Zilda Ferreira. Acervos: gênese de uma nova crítica. In: MIRANDA, Wander Mello (Org.). A trama do arquivo. Minas Gerais: Editora UFMG, 1995. p. 53-63.

HAY, Louis. A literatura dos escritores: questões de crítica genética. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2007.

HAY, Louis. A literatura sai dos archivos. In: SOUZA, Maria Eneida de; MIRANDA, Wander Mello (Org.). Arquivos literários. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003. p. 65-81.

LEBRAVE, Jean-Louis. O manuscrito será o futuro do texto. In: SOUZA, Maria Eneida de; MIRANDA, Wander Mello (Org.). Arquivos literários. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003. p. 83-92.

PINO, Claudia Amigo; ZULAR, Roberto. Escrever sobre escrever: uma introdução crítica à crítica genética. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

SALLES, Cecilia Almeida; CARDOSO, Daniel Ribeiro. Crítica genética em expansão. Ciênciae Cultura, São Paulo, v. 59, n. 1, p. 44-47, mar. 2007. Disponível em: http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0009-67252007000100019&lng=en&nrm=iso. Acesso em 02 jun. 2019.

SILVA, Márcia Ivana de Lima e. Crítica genética na era digital: o processo continua. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 45, n. 4, p. 43-47, out./dez. 2010. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/169752/000777094.pdf?sequence=1. Acesso em: 01 jun. 2019.

WILLEMART, Philippe. Crítica genética e marginalidade. In: WILLERMART, Philippe. Crítica genética e psicanálise. São Paulo: Perspectiva; Brasília, DF: CAPES, 2005. p. 17-21.

WILLEMART, Philippe.Os processos de criação na escritura, na arte e na psicanálise.São Paulo: Perspectiva, 2009.

WOOLF, Virginia. Um teto todo seu. São Paulo: Tordesilhas, 2014.




DOI: https://doi.org/10.22456/2596-0911.99058

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

 

ISSN 2596-0911

 

Contato: revistaphilia@ufrgs.br

 

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Avenida Paulo Gama, 110

Bairro Farroupilha, Porto Alegre, RS

CEP 90040-060

 

INDEXADORES | INDEXING