O amor que não ousa dizer seu nome: notações homoculturais em O Retrato de Dorian Gray, de OscarWilde

Leandro Souza Borges Silva

Resumo


Objetiva-se evidenciar as notações homoculturais em O Retrato de Dorian Gray (1890), de Oscar Wilde. Assim, ao intentar destacar a homoafetividade presente no romance, são ancorados conceitos a respeito do “espaço biográfico” (ARFUCH, 2010), bem como as nuances históricas da vida do autor, delineadas por Pires (2005) e Schiffer (2011), além dos pressupostos sobre homocultura e homoafetividade, fundamentados em Foucault (2010) e Lugarinho (2004). Em perspectiva bibliográfica, nota-se que os aspectos homoculturais no romance se estabelecem no strechos em que estão presentes nuances significativas de afetividade homossexual. Nesse sentido, esta abordagem pretende-se não somente enquanto uma discussão teórico-analítica, mas também como um constructo socialmente engajado, enviesando abordagens literárias dissidentes de perspectivas heteronormativas.

Palavras-chave:Dorian Gray. Oscar Wilde. Homoafetividade. Homocultura.

 


Texto completo:

PDF

Referências


ARFUCH, Leonor. O espaço biográfico: dilemas de subjetividade contemporânea. Trad. Paloma Vidal. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2010.

BAKHTIN, Mikhail Mikhailovich. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BILHEIRO, Ivan. Gênio na vida, talentoso na arte: Uma visão da biografia de Oscar Wilde. Grupo de Leituras Sempre um Livro. 2013. Disponível em: https://sempreumlivro.files.wordpress.com/2013/01/uma-visc3a3o-da-biografia-de-oscar-wilde3.pdf. Acesso em: 06 out. 2018.

CAVALHEIRO, Juciane dos Santos. A concepção de autor em Bakhtin, Barthes e Foucault. SIGNUM - Estudos Linguísticos, Londrina, v. 11, n. 2, p. 67-81, dez. 2008.

MAN, Paul de. Autobiografia como Des-figuração. Panfleto político-cultural Sopro. 2012. Disponível em: http://www.culturaebarbarie.org/sopro/outros/autobiografia.html. Acesso em: 04 set. 2019.

FOUCAULT, Michel. O triunfo social do prazer sexual: uma conversação com Michel Foucault. In: FOUCAULT, Michel. Ética, sexualidade e política. Organização e seleção de textos por Manoel Barros da Motta. Trad. Elisa Monteiro; Inês Autran Dourado Barbosa. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010. p. 119-125.

LUGARINHO, Mário Cesar. Homocultura e literatura: de volta ao “luso princípio queer”. In: LOPES, Denilson (Org.). Imagem e Diversidade Sexual – estudos da homocultura. São Paulo: Nojosa, 2004. p. 234-239.

MARTINS, Ferdinando. Cenas Paralelas: Do Arcaico ao Pós-moderno nas Representações do Gay no Teatro Brasileiro Contemporâneo. In: COSTA, Horácio (Org.). Retratos do Brasil Homossexual: Fronteiras, Subjetividades e Desejos. São Paulo: Edusp, 2010. p. 245-256.

PIRES, Eliane Cristine Raab.Oscar Wilde: A tragicidade da vida de um escritor. Portugal: Instituto Politécnico de Bragança, 2005.

QUELUZ, Rebeca Pinheiro; SILVA, Andressa Cristine Marçal da. Oscar Wilde Revisitado: Estudo de Três Adaptações de O Retrato de Dorian Gray. Unioeste: Revista de Literatura, História e Memória, Cascavel, v. 11, n. 17, p. 171-185, 2015.

SCHIFFER, Daniel Salvatore. Oscar Wilde. Trad. Joana Canêdo. Porto Alegre: L&PM, 2010.

TOFFOLI, Tânia. O Retrato de Dorian Gray: um romance em três tempos - Circulação entre Inglaterra e Brasil. 2013. 174f. Dissertação (Mestrado em Teoria e História Literária) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP.

WILDE, Oscar. O Retrato de Dorian Gray. Trad. Artur Parreira. Lisboa: Editorial Verbo, 1971 (1890).




DOI: https://doi.org/10.22456/2596-0911.99049

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

 

ISSN 2596-0911

 

Contato: revistaphilia@ufrgs.br

 

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Avenida Paulo Gama, 110

Bairro Farroupilha, Porto Alegre, RS

CEP 90040-060

 

INDEXADORES | INDEXING