Agustina Bessa-Luís & Paula Rego: As Meninas ou uma 'proposta de linguagem'. Apropriação e ressignificação

Cláudia Capela Ferreira

Resumo


Este artigo pretende demonstrar o diálogo estabelecido entre Agustina Bessa-Luís e Paula Rego sobre a figuração de mulher(es), partindo da obra As Meninas. Este diálogo torna-se um solilóquio por parte de Agustina Bessa-Luís, cuja interpretação da obra da pintora tende a refletir o próprio universo, pelo que o presente trabalho, elaborado segundo uma vertente comparatista, dado o teor intertextual e interarte em que se baseia, não examina unicamente as confluências da poética de Bessa-Luís e Rego, como acede à leitura que delas faz a primeira. Esse ato decalca o propósito deste trabalho, na pressuposição do cariz pós-modernista das obras dessas artistas, pois insiste na denúncia da verdade unilateral, apelando à interpretação e à ambiguidade de que aquela se encontra refém.

Palavras-chave: Pós-modernismo. Apropriação. Ressignificação. Agustina Bessa-Luís. Paula Rego. As Meninas.


Texto completo:

PDF (Português (Portugal))

Referências


ARNAUT, Ana Paula. Post-Modernismo no Romance Português

Contemporâneo. Fios de Ariadne, máscaras de Proteu.Coimbra: Almeida,

BESSA-LUÍS, Agustina. Adivinhas de Pedro e Inês. Lisboa: Guimarães

Editores,1983.

______. Vale Abraão.Lisboa: Guimarães Editores, 1999.

______. A Corte do Norte. Lisboa: Guimarães Editores, 2008.

CALINESCU, Matei. As cinco faces da modernidade. Lisboa: Veja, 2000.

CAMPOS, Ana Isabel Teixeira. O silêncio em Paula Rego.2013. 75 f.

Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Faculdade de Ciências Sociais e

Humanas, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa.

CEIA, Carlos. O que é afinal o Pós-Modernismo?Lisboa: Edições Século XXI,

DELEUZE, Gilles. Crítica e Clínica. Lisboa: Edições Século XXI, 2000.

FERNANDES, Maria da Penha Campos. Mimese irónica e metaficção para

uma poética pragmática do romance contemporâneo.Braga: Universidade do

Minho, 1995.

FILIZOLA, Anamaria.O cisco e a ostra: Agustina Bessa-Luís biógrafa.

Campinas: UNICAMP/Instituto de Estudos da Linguagem, 2000.

______. É a Paula que está a dizer isto ou sou eu?: As meninas, de Agustina

Bessa-Luís e Paula Rego. Revista Literatura em Debate, Frederico

Westphalen, v. 3, n. 5, p. 180-194, 2009.

FOUCAULT, Michel. L’Ordre Du Discours. Paris: Gallimard, 1971.

JUNG, Karl Gustav. The Archetypes and the CollectiveUnconscious. Nova

Jérsia: Princeton University Press, 1981.

LENTINA, Alda Maria. Adivinhas de Pedro e Inês ou la voix retrouvée d’Inês de

Castro.Revue Quadrant,Montpellier,n. 27,p. 171-193, 2010.

LYOTARD, Jean-François. A condição pós-moderna. Lisboa: Gradiva, 1989.

MACEDO, Ana Gabriela. Da ‘Mulher-Cão’ à ‘Mulher-Anjo’ – Paula Rego,

Identidade, Desejo e Mito. Cadernos de Literatura Comparada,Porto, n. 2, p.

-85, 2001.

MACEDO, Ana Gabriela. Paula Rego: A propósito de santas, aranhas e

avestruzes… ou da arte de contar histórias. Jornal de Letras, Artes e Ideias,

Lisboa, p. 12-13, mai. 1999.

MACEDO, Ana Gabriela; AMARAL, Ana Luísa. Dicionário da Crítica Feminista.

Porto: Edições Afrontamento, 2005.

MERLEAU-PONTY, Maurice. O olho e o espírito.Lisboa: Vega, 1998.

OLIVEIRA, Marcelo G. A Periodização do Pós-Modernismo Literário Português.

Estudos da AIL em Teoria e Metodologia - Relacionamento nas Lusofonias II,

Lisboa, p.33-38, nov. 2015.

ORTEGA, Cecília. Libros que enseñan a leer. Álbumes metaficcionales y

conocimiento literario.2005. 798f. Tese (Doutorado em Didática da Língua e

Literatura) - Universitat Autònoma de Barcelona, Barcelona.

PEREIRA, Elsa. A Corte do Norte de Agustina Bessa-Luís ou o romance da

saudade. Revista da Faculdade de Letras — Línguas e Literaturas, Porto,II

Série, vol. XXIII, p. 307-324, 2006.

REAL, Miguel. O Romance Português Contemporâneo 1950-2010.

Lisboa:Caminho, 2011.

REGO, Paula; BESSA-LUÍS, Agustina. As Meninas. Lisboa: Guerra e Paz,

RUA, Susana; BARRETO, Aura; VIEIRA, Agnelo. Paula Rego: O tempo –

passado e presente ou a pequena história da história da pintura. Revista de

História da Arte, Lisboa, n. 10, p. 252-265, 2012.

REIS, Carlos. História Crítica da Literatura Portuguesa, Vol. IX - Do Neo-

Realismo ao Post-Modernismo. Lisboa: Verbo, 2006.

RICOEUR, Paul. Du Text à l’áction. Paris: Seuil, 1986.

SIMÕES, Rita. Como se fazem as histórias? Os exercícios de

metaficcionalidade nas obras narrativas de literatura infantil portuguesa

publicadas entre 2000 e 2006 e a formação do leitor crítico. 2008. 310f.

Dissertação (Mestrado em Estudos da Criança, Área Textual e Literatura

Infantil) - Instituto de Estudos da Criança,Universidade do Minho, Braga.

WAUGH, Patricia. Metafiction. The Theory and Practice of Self-conscious

Fiction.Londres: Routledge, 2002.

WEIMANN, Robert. Text, Author-Function and Society: Towards a Sociology of

Representation and Appropriation in Modern Narrative. In: COLLIER, Peter;

GEYER-RYAN, Helga (Orgs.): Literary Theory Today. Cambridge: Polity Press,

WITTGENSTEIN, Ludwig. Tractatus Logico-Philosophicus. Londres: Taylor &

Francis Ltd, 2001.

WOLLSTONECRAFT, Mary. A Vindication of the Rights of Woman. Londres:

Penguin, 2004.




DOI: https://doi.org/10.22456/2596-0911.86419

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

 

ISSN 2596-0911

 

Contato: revistaphilia@ufrgs.br

 

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Avenida Paulo Gama, 110

Bairro Farroupilha, Porto Alegre, RS

CEP 90040-060

 

INDEXADORES | INDEXING