O eu que se narra: as literaturas de si e a construção do sujeito

Jessica Antunes Ferrara

Resumo


O objetivo deste estudo é apresentar as literaturas de si enquanto formas de apreensão dos procedimentos que regulam o desenvolvimento do sujeito. Parte-se do pressuposto de que a própria narrativa de si emerge de um poder linguístico anterior que a condiciona, mas que simultaneamente a faz recriar-se. A ideia principal a ser exposta é a de que ao me narrar, me construo, ainda que dentro de normas sociais pré-estabelecidas. É justamente ao me narrar que me crio e me constituo enquanto sujeito. Nesse sentido, as literaturas de si podem ser consideradas suportes de análise para as teorias de sujeição.

Palavras-chave: Literaturas de si. Construção do sujeito. Teorias de sujeição. 


Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, Pedro Galas. Trato desfeito: o revés autobiográfico na literatura contemporânea brasileira. 2011. 107f. Dissertação (Mestrado em Teoria Literária e Literaturas) – Instituto de Letras da Universidade de Brasília, Distrito Federal, 2011. Disponível em: . Acesso em 27 ago. 2018.

BIROLI, Flávia. O público e o privado. In: _____; MIGUEL, Luis Felipe. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2004, p. 31-46.

BOURDIEU, Pierre. A ilusão biográfica. In: _____. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Tradução Mariza Corrêa. Campinas: Papirus, 1996, p. 74-82.

BUTLER, Judith. A vida psíquica do poder: teorias da sujeição. Tradução Rogério Bettoni. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

_____. Relatar a si mesmo: crítica da violência ética. Tradução Rogério Bettoni. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

FOUCAULT, Michel. A escrita de si. In: MOTTA, Manuel Barros da (Org.). Ditos e escritos V: Ética, sexualidade, política. Tradução Elisa Monteiro e Inês Autran Dourado Barbosa. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004, p. 144-162.

_____. Subjetividade e verdade: curso no Collège de France (1980-1981). Tradução Rosemary Costhek Abílio. São Paulo: Martins Fontes, 2016.

LEJEUNE, Philippe. A autobiografia dos que não escrevem. In: _____. O pacto autobiográfico: de Rousseau a Internet. Tradução Jovita Maria Gerheim Noronha, Maria Inês Coimbra Guedes. Belo Horizonte: UFMG, 2008, p. 113-191.

_____. O pacto autobiográfico. In: _____. O pacto autobiográfico: de Rousseau a Internet. Tradução Jovita Maria Gerheim Noronha, Maria Inês Coimbra Guedes. Belo Horizonte: UFMG, 2008, p. 13-47.

_____. O pacto autobiográfico, 25 anos depois. In: _____. O pacto autobiográfico: de Rousseau a Internet. Tradução Jovita Maria Gerheim Noronha, Maria Inês Coimbra Guedes. Belo Horizonte: UFMG, 2008, p. 70-85.

NORONHA, Jovita Maria Gerheim. Apresentação. In: LEJEUNE, Philippe. O pacto autobiográfico: de Rousseau a Internet. Tradução Jovita Maria Gerheim Noronha, Maria Inês Coimbra Guedes. Belo Horizonte: UFMG, 2008, p. 7-10.

_____. Autobiografia e memória. In: GONZÁLEZ, Elena Palmero; COSER, Stelamaris. Em torno da memória: conceitos e relações. Porto Alegre: Letra1, 2017, p. 55-64.

RAGO, Margareth. A aventura de contar-se: feminismos, escrita de si e invenções da subjetividade. Campinas: Unicamp, 2013.

SARTRE, Jean-Paul. O que é a subjetividade? Tradução Estela dos Santos. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2015.




DOI: https://doi.org/10.22456/2596-0911.86212

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

 

ISSN 2596-0911

 

Contato: revistaphilia@ufrgs.br

 

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Avenida Paulo Gama, 110

Bairro Farroupilha, Porto Alegre, RS

CEP 90040-060

 

INDEXADORES | INDEXING