Todo cubo branco tem um quê de Casa Grande: racialização, montagem e histórias da arte brasileira | Every white cube has a bit of Casa Grande: racialization, filmic montage and Brazilian art history

Igor Moraes Simões

Resumo


O presente texto é resultado de uma palestra proferida no 29º Encontro da Associação Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas (Anpap) em 02 de outubro de 2020, na mesa Desconstruir a Hegemonia nas Artes Brasileiras ?. O tom coloquial por vezes adotado no texto reflete a especificidade em que foi produzido. A partir da noção de racialização, o autor discute o caráter racista da história, teoria e crítica da arte brasileira, a centralidade das exposições em seu caráter de montagem na escrita de histórias insubmissas da arte produzida no país. Aponta ainda provocações sobre a atuação de curadores não negros diante do reconhecimento da noção de lugar de fala.


Texto completo:

PDF

Referências


SIMÕES, Igor Moraes. Montagem Fílmica e Exposição: Vozes Negras no Cubo Branco da Arte Brasileira. TESE (Doutorado em Artes Visuais - História, teoria e crítica da Arte). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2019.




DOI: https://doi.org/10.22456/2596-0911.113790

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

 

ISSN 2596-0911

 

Contato: revistaphilia@ufrgs.br

 

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Avenida Paulo Gama, 110

Bairro Farroupilha, Porto Alegre, RS

CEP 90040-060

 

INDEXADORES | INDEXING