Gilberto Freyre: Adaptação, Mestiçagem, Trópicos e Privacidade em 'Novo Mundo Nos Trópicos' | Gilberto Freyre: Adaptation, Miscigenation, Tropics and Privacy in 'New World in the Tropics'

Lilia Mortiz Schwarcz

Resumo


Resumo

O objetivo deste artigo é produzir uma reflexão crítica sobre a produção de Gilberto Freyre, mais verticalizada em dois aspectos. Em primeiro lugar, buscar-se-á entender a seleção feita por esse antropólogo de uma certa mestiçagem e adaptação cultural, símbolos da singularidade brasileira. Em segundo lugar, procura-se entender de que maneira esse tipo de interpretação desloca a análise de fenômenos mais sociais e econômicos, investindo profundamente na esfera privada. Como se costuma dizer, Freyre teria descrito a escravidão brasileira, tendo como foco apenas os cativos domésticos. Para tanto, começar-se-á com a análise do clássico Casa Grande & Senzala, mas a insistência se dará na interpretação do livro Novo mundo nos trópicos, obra em que o estudioso procura sintetizar suas conclusões para um público estrangeiro. Aí estariam condensadas as suas máximas e grandes linhas de interpretação.

Palavras-chave: Adaptação. Mestiçagem. Novo mundo nos trópicos. Gilberto Freyre.

 

Abstract

The aim of this paper is to produce a critical reflection on Gilberto Freyre’s work, which is more vertical in two respects. First, I will seek to understand the selection made by the anthropologist of a certain cultural miscegenation and adaptation, symbols of Brazilian singularity. Second, I’ll try to understand how such an interpretation shifts the analysis of rather social and economic phenomena, deeply invested in the private. As it is said, Freyre would have described Brazilian slavery focusing only on the domestic slaves. Thus, the analysis begins with the classic Casa Grande & Senzala, but the emphasis will be in the interpretation of the book in the New world in the tropics [Novo mundo nos Trópicos], a work in which the scholar seeks to synthesize his findings to a foreign audience. There it would be condensed his maxima and broad lines of interpretation.

Key words: Adaptation. Miscegenation. New world in the tropics. Gilberto Freyre.


Texto completo:

PDF

Referências


ALVIM, Francisco. Elefante. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

ANDERSON, Benedict. Imagined Comunities. London: New Left Books, 1983.

ANDRADE, Mario de. Macunaíma: o herói sem nenhum caráter. Brasília: CNPq, 1988.

BAHBA, Homi. Nation and Narration. London/New York: Routledge, s. d.

BOSI, Alfredo. Situação de Macunaíma. In: ANDRADE, Mario. Macunaíma: o herói sem nenhum caráter. Brasília, CNPq, 1988.

CANDIDO, Antonio. O romantismo. São Paulo: mimeo, 1990.

CANDIDO, Antonio. Dialética da malandragem. In: CANDIDO, Antonio. O discurso e a cidade. São Paulo: Duas Cidades, 1993.

CARNEIRO DA CUNHA, Manuela. Negros estrangeiros. São Paulo: Brasiliense, 1979.

CUNHA, Euclides da. Os Sertões. São Paulo, Cultrix, 1973. (1. edição de 1902).

DA MATTA, Roberto. Você sabe com quem está falando? In: DA MATTA, Roberto. Carnavais, malandros e heróis. 3. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

FRANCO, Maria Sylvia de Carvalho. Dominação pessoal. In: FRANCO, Maria Sylvia de Carvalho. Homens livres na ordem escravocrata. São Paulo: Instituto de Estudos Brasileiros, 1975.

FREYRE, Gilberto. Casa Grande & Senzala. Rio de Janeiro: Maia & Schmidt; José Olympio, 1933.

FREYRE, Gilberto. Interpretação do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

FREYRE, Gilberto. Novo mundo nos trópicos. Rio de Janeiro: Topbooks, 2000.

HALL, Stuart. A questão da identidade cultural. Campinas: Unicamp, 1995.

HOBSBAWN, Eric J.; RANGER, Terence O. A invenção das tradições. São Paulo: Paz e Terra, 1987.

HOLANDA, Sergio Buarque de. Raízes do Brasil. Rio de Janeiro: José Olympio, 1936.

LACERDA, João Batista. Sur les mestis au Brésil. Paris: Imprimerie Devouge, 1911.

MARTINS, José de Souza. Apontamentos sobre vida cotidiana e história. Revista do Museu Paulista, São Paulo, 1997.

MARX, Anthony W. A construção da raça e o Estado-Nação. Estudos Afro- Asiáticos, Rio de Janeiro, v. 29, 1996.

NABUCO, Joaquim. Minha formação. Porto Alegre: Paraula, 1995. (1. edição de 1900).

NOVAIS, Fernando A. Entrevista ao jornal Folha de São Paulo. Folha de São Paulo, São Paulo, 25 de maio de 1997.

OLIVEIRA, Francisco de. Crítica à razão dualista, o ornitorrinco. São Paulo: Boitempo, 2003.

RODRIGUES, Nina. As raças humanas e a responsabilidade penal no Brasil. Bahia: Progresso, 1957. (1. edição de 1894).

ROMERO, Silvio. História da literatura brasileira. 5. ed. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1953. (1. edição de 1888).

THOMAZ, Omar Ribeiro. Introdução. In: FREYRE, Gilberto. Interpretação do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. Retrato em branco e negro: jornais, escravos e cidadãos em São Paulo no final do século XIX. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil, 1870-1930. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. Questão racial no Brasil. In: SCHWARCZ, Lilia Moritz; REIS, Letícia Vidor. Negras imagens. São Paulo: Edusp, 1996.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. As barbas do imperador: d. Pedro II, um monarca nos trópicos. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

SCHWARZ, Roberto. As ideias fora do lugar. In: SCHWARZ, Roberto. Ao vencedor as batatas. São Paulo: Duas Cidades, 1977.

SCHWARZ, Roberto. Elefante complexo. Folha de São Paulo, São Paulo, 10 fev. 2001. Jornal de resenhas, n. 71.

SCHWARZ, Roberto. In the Land of Elefante. New Left Review, London, v. 22., jul.-aug. 2003.

SCHWARTZMAN, Simon. Tempos de Capanema. Rio de Janeiro; São Paulo, Paz e Terra; Edusp, 1984.

SKIDMORE, Thomas E. Preto no branco: raça e nacionalidade no pensamento brasileiro. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 1976.

VIANNA, Hermano. O mistério do samba. Rio de Janeiro: Zahar, 1995.

VON MARTIUS, Karl F. P. O estado do direito entre os autóctones do Brasil e Como se deve escrever a história do Brasil. São Paulo: Edusp, 1982. (1. edição de 1845).




DOI: https://doi.org/10.22456/2596-0911.113101

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

 

ISSN 2596-0911

 

Contato: revistaphilia@ufrgs.br

 

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Avenida Paulo Gama, 110

Bairro Farroupilha, Porto Alegre, RS

CEP 90040-060

 

INDEXADORES | INDEXING