'Bacurau': ficção 'weird' e estética aceleracionista de expurgo colonial | 'Bacurau': weird fiction and accelerationist aesthetics of colonial purge

Luise Malmaceda

Resumo


Resumo

Neste artigo, são analisados filme e roteiro de Bacurau (2019), dirigido por Kléber Mendonça Filho e Juliano Dornelles. Compreende-se a obra sob a perspectiva da ficção weird pela conjunção entre os elementos de futuridade da narrativa e os conflitos sociais do interior do Brasil, circunscritos a uma realidade histórica. Misturando gêneros cinematográficos em um filme que vai do cangaço ao gore, Bacurau nos coloca frente a uma distopia sobre a proliferação de tecnologias de vigilância e controle e, sobretudo, sobre a proliferação de sistemas políticos de morte.

Palavras-chave: Bacurau. Ficção weird. Aceleracionismo. Desterritorialidade. Necropolítica. Estudos decoloniais.

 

Abstract

In this article I analyze the film and the script of Bacurau (2019), directed by Kléber Mendonça Filho and Juliano Dornelles. The work is understood from the perspective of weird fiction for the conjunction between the elements of futurity of the narrative and the social conflicts of Brazil’s countryside, anchored in a historical reality. Mixing cinematographic genres in a film that goes from Cangaço Cinema to Gore, Bacurau confronts us with a dystopia about the proliferation of surveillance and control technologies and, specially, about the proliferation of political systems of death.

Keywords: Bacurau. Weird Fiction. Accelerationism. Deterritorialization. Necropolitics. Decolonial Studies.


Texto completo:

PDF

Referências


BENTES, Ivana. Bacurau e a síntese do Brasil Brutal. Revista Cult, 18 de agosto de 2019. Disponível em: https://revistacult.uol.com.br/home/bacurau-kleber-mendonca-filho/. Acesso em: 13 de dezembro de 2020.

BENTES, Ivana. Terra de fome e sonho: o paraíso material de Glauber Rocha, 2002. Disponível em: http://www.bocc.ubi.pt/pag/bentes-ivana-glauber-rocha.html. Acesso em: 08 de dezembro de 2020.

BACURAU. Direção: Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles. Produção: Emilie Lesclaux, Said Ben Said, Michel Merkt. Rio de Janeiro: Globo Filmes, 2019.

FILHO, Kleber Mendonça. Três roteiros: Bacurau, Aquarius, O Som ao Redor. São Paulo: Cia. Das Letras, 2020.

FISHER, Mark. The Weird and the Eerie. London: Repeater Books, 2016.

LEAL, Victor Nunes. Coronelismo, enxada e voto: o município e o regime representativo no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

MARCELO, Carlos. O que tem a dizer o elenco de Bacurau, o filme mais comentado do ano. O Estado de Minas, 13 de setembro de 2019. Disponível em: https://www.em.com.br/app/noticia/pensar/2019/09/13/interna_pensar,1084752/o-que-tem-a-dizer-o-elenco-de-bacurau-o-filme-mais-comentado-do-ano.shtml. Acesso em: 05 de dezembro de 2020.

MBEMBE, Achile. Necropolítica. São Paulo: N-1, 2018.

MBEMBE, Achile. Crítica da razão negra. São Paulo: N-1, 2018b.

MIGNOLO, Walter. Desafios decoloniais hoje. Epistemologias do Sul, 2017, v. 1, n. 1, p. 12-32.

MOORE, Jason (Org.). Anthropocene or Capitalocene? Nature, History, and the Crisis of Capitalism. Oakland: PM Press, 2016.

OLIVEIRA, Nelson de (Org.). Fractais Tropicais: o melhor da ficção científica brasileira. São Paulo: Ed. SESI, 2018.

SALLES, Cecília Almeida. Gesto inacabado: processo de criação artística. São Paulo: Intermeios, 2012.

SANCHIZ, Ramiro e BIZARRI, Gabriele. ‘New Weird from the New World’: escrituras de la rareza en América latina (1990-2020). Orillas: rivista d’ispanistica, 2020, n. 9, p. 1-14.

SHAVIRO, Steven. No Speed Limit. Minneapolis: University of Minnesota Press, 2015.

SRNICEK, Nick e WILIAMS, Alex. Manifesto for an Accelerationist Politics. In: Mackay, Robin; Avanessian, Armen. Accelarate. UK: Urbanomic, 2014.

SOARES, José de Lima. Da experiência do cinema novo ao novo cinema brasileiro do século XXI: uma abordagem sociológica e política do filme Bacurau. Revista Wamon, 2020, v. 5, n. 1, p. 165-190.

XAVIER, Ismail. Alegorias do subdesenvolvimento: cinema novo, tropicalismo, cinema marginal. São Paulo: Cosac Naify, 2012.




DOI: https://doi.org/10.22456/2596-0911.112892

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

 

ISSN 2596-0911

 

Contato: revistaphilia@ufrgs.br

 

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Avenida Paulo Gama, 110

Bairro Farroupilha, Porto Alegre, RS

CEP 90040-060

 

INDEXADORES | INDEXING