A novela 'Com meus olhos de cão', de Hilda Hilst, à luz da paratopia

Clarissa Corban Brito Guerra

Resumo


Este artigo, no qual analisamos a novela de Hilda Hilst Com meus olhos de cão (1986), tem como objetivo principal apontar os aspectos paratópicos na obra selecionada. Paratopia é um conceito formulado por Dominique Maingueneau e trata, basicamente, do não-lugar criado e ocupado por algumas literaturas e seus autores. Para isso, estudaremos a linguagem literária desenvolvida pela autora na obra, como também os personagens, o espaço e o tempo da narrativa, os quais acabam por deslocá-la do lugar mais comum do cânone literário.

Palavras-chave: Paratopia. Hilda Hilst. Não Lugar. Paratopia.

 

Abstract

This article, in which we analyze Hilda Hilst’s novella Com meus olhos de cão [With my eyes of Dog] (1986), has as its main objective to point out the paratopyc aspects in the selected work. ‘Paratopy’ is a concept formulated by Dominique Maingueneau and it basically deals with the non-place created and occupied by some literatures and their authors. In order to do that, we study the literary language developed by the author, as well as the characters, space and time in her narrative, which, in the end, displace it from the most common place in the literary canon.

Keywords: Paratopy. Hilda Hilst. Non-place. Paratopy.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Geruza Zelnys de. Corpo e memória no porco de Hilda Hilst. Vivência, n. 36, p. 41-50, 2011. Disponível em: https://docplayer.com.br/9847084-Corpo-e-memoria-no-porco-de-hilda-hilst.html. Acesso: 15 jun. 2020.

BARRAL, Gislene. Vozes da loucura, ecos na literatura. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, Brasília, n. 12, p.13-38, mar./abr. de 2011. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/estudos/article/view/8869. Acesso em: 10 maio 2020.

BORGES, Luciana. Narrando a edição: escritores e editores na Trilogia obscena, de Hilda Hilst. Estudos de literatura brasileira contemporânea, n. 34, p. 117-145, jul./dez. 2009. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/estudos/article/view/9638. Acesso em: 04 abr. 2020.

DELEUZE, Gilles. Lógica do sentido. Trad. Luiz Roberto Salinas Fortes. São Paulo: Perspectiva, 2003.

DALCASTAGNÈ, Regina. Personagens e narradores do romance contemporâneo no Brasil: incertezas e ambiguidades do discurso. Diálogos Latinoamericanos, n. 3, p. 114-130, 2001. Disponível em: https://pt.scribd.com/document/388750960/Novas-Leituras-Do-Mundo-WEB. Acesso em: 14 abr. 2019.

DINIZ, Cristiano (Org.). Fico besta quando me entendem. Rio de Janeiro: Globo, 2013.

DUARTE, Edson Costa. O corpo escatológico em Hilda Hilst. Revista Rascunhos Culturais, Coxim/MS, v. 1, n. 2, p. 317-333, jul./dez. 2010. Disponível em: http://revistarascunhos.sites.ufms.br/files/2012/07/2ed_ensaio_2.pdf. Acesso em: 12 jun. 2020.

FOUCAULT, Michel. História da loucura. Trad. José Teixeira Coelho Netto. São Paulo: Perspectiva, 1978.

FOUCAULT, Michel. A grande estrangeira: sobre literatura. Trad. Fernando Scheibe. Belo Horizonte: Autêntica, 2016.

GALERA, Daniel. Um grande pudim de cenoura. In: HILST, Hilda. Da prosa. São Paulo: Companhia das Letras, 2018. p. 431-447.

GRAÇA, Fernando. Hilda Hilst, literatura total (in) acessível. Revista H.H, São Paulo, 2017. Disponível em: https://www.hildahilst.com.br/blog/hilda-hilst-literatura-total-inacessivel. Acesso em: 20 jan. 2020.

HILST, Hilda. Da prosa. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

ISER, Wolfgang. A indeterminação e a resposta do leitor na prosa de ficção. Trad. Maria Ângela Aguiar. Cadernos do Centro de Pesquisa Literárias da PUCRS, Porto Alegre, v. 3, mar. 1999.

MAINGUENEAU, Dominique Discurso literário. Trad. Adair Sobral. 1. ed. São Paulo: Contexto, 2009.

MAINGUENEAU, Dominique. Discurso literário. Trad. Adail Sobral. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2016.

MAINGUENEAU, Dominique. O contexto da obra literária: enunciação, escritor, sociedade. Trad. Marina Appenzeller. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

MORAES, Eliane Robert. Topografia do Risco: o erotismo literário no Brasil contemporâneo. Cadernos Pagu, v. 31, n. 2, p. 399-418, jul./dez. 2008. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8644886. Acesso em: 12 maio 2020.

MOURA, Sérgio Arruda de. O lugar das letras: a literatura e a paratopia do autor. Revista contemporânea, v. 7, p. 9-18, 2016. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/contemporanea/article/view/17571. Acesso em: 12 maio 2020.

RANCIÈRE, Jacques. Deleuze e a literatura. Trad. Ana Lúcia Oliveira. Matraga, n. 12, 1999. Disponível em: http://www.pgletras.uerj.br/matraga/matraga12/matraga12ranciere.pdf. Acesso em: 16 abr. 2020.




DOI: https://doi.org/10.22456/2596-0911.102944

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

 

ISSN 2596-0911

 

Contato: revistaphilia@ufrgs.br

 

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Avenida Paulo Gama, 110

Bairro Farroupilha, Porto Alegre, RS

CEP 90040-060

 

INDEXADORES | INDEXING