Há cidade por vir? Pensamentos para além da metrópole

Artur Dória Mota

Resumo


Partindo de dois modelos clássicos que fundamentaram a emergência do conceito do que entendemos hoje enquanto cidade, a polis e a civitas, este texto busca compreender e questionar a cidade contemporânea em sua condição metropolitana, marcada por políticas de imobilidade e sufocamento que demandam uma intensa produção de subjetividades. Trazendo pensadores dos campos da filosofia e da política como Giorgio Agamben, Massimo Cacciari e Vinícius NicastroHonesko, entre outros, nos propomos a pensar outras chaves de relações para o que denominamos cidade, que sejam capazes de produzir modos de habitá-la para além da metrópole. Uma cidade outra, espaço de composição e transposição de mundos que não se encerre em si mesma; uma cidade ainda por vir.

Palavras-chave: Cidade. Metrópole. Mundo. Política. Habitar.


Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. Metropolis. Revista Sopro – Editora Cultura e Barbárie, Florianópolis, n. 26, abr. 2010. Disponível em: http://culturaebarbarie.org/sopro/verbetes/metropolis.html. Acesso em: 17 mai. 2020.

CACCIARI, Massimo. A cidade. Barcelona: Editorial Gustavo Gili, 2010.

CERA, Flávia; NODARI, Alexandre. Vagamundear. Revista Abrigo Portátil, Curitiba, n. 2, p. 20-25, mai. 2016.

COMITÊ INVISÍVEL. A insurreição que vem. Brasil: Edições Baratas, 2013.

COMITÊ INVISÍVEL. Aos nossos amigos: crise e insurreição. São Paulo: N-1 edições, 2016.

DELEUZE, Gilles. Conversações: 1971-1995. São Paulo: Editora 34, 2013.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs – capitalismo e esquizofrenia, v. 5. São Paulo: Editora 34, 1997.

FANON, Frantz. Os condenados da terra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira,1968.

HAN, Byung-Chul. Sociedade do cansaço. Petrópolis: Vozes, 2015.

HONESKO, Vinícius Nicastro. Reflexões sobre os espaços urbanos contemporâneos: quais as nossas cidades?. Cadernos IHU Ideias Universidade do Rio dos Sinos, São Leopoldo, v. 14, n. 253, p. 2-30, 2016.

LAPOUJADE, David. Deleuze, os movimentos aberrantes. São Paulo: N-1 edições, 2015.

LATOUR, Bruno. Não há mundo comum: é preciso compô-lo. Flanagens. 2014. Disponível em: https://bitlybr.com/PzPjF. Acesso em: 04 fev. 2020.

NANCY, Jean-Luc. O comunismo é o sentido do ser-em-comum por pensar.Flanagens. 2014. Disponível em: https://bitlybr.com/NW8Vb. Acesso em: 04 fev. 2020.

NODARI, Alexandre. “Selva de pedra”? A floresta e a cidade. Partes sem um todo. 2015. Disponível em: https://bitlybr.com/q7upB. Acesso em: 04 fev. 2020.

SAFATLE, Vladimir. Quando as ruas queimam: manifesto pela emergência. São Paulo: N-1 edições, 2016.

SENNET, Richard. Carne e pedra: o corpo e a cidade na civilização ocidental.Rio de Janeiro: BestBolso, 2014.

SOLNIT, Rebecca. A História do caminhar. São Paulo: Martins Fontes, 2016.

VIRILIO, Paul. Velocidade e política. São Paulo: Estação Liberdade, 1996.




DOI: https://doi.org/10.22456/2596-0911.100280

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

 

ISSN 2596-0911

 

Contato: revistaphilia@ufrgs.br

 

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Avenida Paulo Gama, 110

Bairro Farroupilha, Porto Alegre, RS

CEP 90040-060

 

INDEXADORES | INDEXING