Jornalismo e transparência pública digital: aliados pela qualidade do debate público

Autores

DOI:

https://doi.org/10.19132/1807-8583202152.94992

Palavras-chave:

Jornalismo, Lei de Acesso à Informação (LAI), Transparência pública digital, Democracia digital, Políticas de transparência pública, Acesso à informação pública

Resumo

O objetivo deste artigo é situar o jornalismo na democracia digital. Por meio de revisão e discussão bibliográfica, propomos a abordagem da evolução da normatividade da transparência pública digital no Brasil até a aprovação da Lei de Acesso à Informação (LAI) e do uso e apropriação da informação na prática jornalística, à luz das noções de democracia digital e comunicação pública. Como resultado, identificamos um conjunto significativo de estudos que apontam que o jornalismo adotou, em especial, instrumentos de transparência passiva para acessar dados públicos e que essa prática tem se intensificado no país desde a aprovação da LAI.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marlise Viegas Brenol

Doutora em Comunicação e Informação pela UFRGS. Já ministrou disciplinas relacionadas ao ciberjornalismo como jornalismo digital, redes e mídias sociais, editoração em novas mídias e narrativas transmídia, laboratório de multimeios na Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos). Participa dos grupos de pesquisa em Jornalismo Digital (Jordi) e do Núcleo Comunicação Pública e Política (Nucop) na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Tem interesse nos seguintes temas: audiovisual, jornalismo de dados, webjornalismo, estratégias e métricas digitais, redes de comunicação, transparência digital e democracia. Possui também experiência prática em webjornalismo, jornalismo multimídia e telejornalismo como repórter, produtora e editora. Foi presidente executiva da Fundação Padre Urbano Thiesen, gestora da rádio e TV Unisinos. 

Downloads

Publicado

2021-07-13

Como Citar

Brenol, M. V. “Jornalismo E Transparência Pública Digital: Aliados Pela Qualidade Do Debate Público”. Intexto, nº 52, julho de 2021, p. 94992, doi:10.19132/1807-8583202152.94992.

Edição

Seção

Artigos