A imprensa brasileira, o golpe civil-militar de 1964 e a Comissão Nacional da Verdade

Carmen Regina Abreu Gonçalves, Elisa Lübeck

Resumo


Neste texto, discutimos a participação da imprensa na deposição do presidente João Goulart, golpe de 1964, e a cobertura sobre o trabalho da Comissão Nacional da Verdade realizada pelos jornais Folha de São Paulo, O Estado de São Paulo e O Globo. Nosso objetivo foi destacar os principais sentidos que circularam, se destacaram, foram silenciados e/ou apagados sobre a ditadura civil-militar brasileira e a Comissão Nacional da Verdade no discurso dos jornais. Nesta cobertura, a CNV é desqualificada, deslegitimada e são colocados sob suspeição sua finalidade, objetivos e resultados. Acreditamos que o cenário histórico, político, social, cultural e econômico que o Brasil enfrenta tem origem, principalmente, em seu passado mal resolvido.


Palavras-chave


Comissão Nacional da Verdade; Ditadura civil-militar; Golpe de 1964; Jornalismo

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.19132/1807-8583202152.94798



 

Intexto | E-ISSN 1807-8583 | Facebook | Google Scholar 

Classificação Qualis: B1 - Comunicação, Informação, História, Letras/Linguística  | B2 - Psicologia | B3 - Ciência Política e Relações Internacionais, Arquitetura, Urbanismo e Design, Ciências Ambientais, Interdisciplinar | B4 - Sociologia. 

Programa de Pós-graduação em Comunicação | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705 sala 519 - Porto Alegre, RS, Brasil | E-mail: Intexto @ufrgs.br

 

 Membro Associação Brasileira de Editores Científicos 

 Signatária DORA (San Francisco Declaration on Research Assessment)