Jogos Zero-Player ou: do que falamos quando falamos de jogadores

Autores

  • Staffan Björk
  • Jesper Juul

DOI:

https://doi.org/10.19132/1807-8583201946.65-81

Palavras-chave:

Player. Game. Agency. Zero-Player Game.

Resumo

Os jogos precisam de pessoas? Em caso afirmativo, o que faz as pessoas importantes para os jogos? Pode parecer auto-evidente que jogos são artefatos projetados para ser usado pelos jogadores, mas neste artigo vamos discutir a ideia paradoxal de jogos zero-player. Não desejamos argumentar contra o estudo de jogadores, mas acreditamos que muitas concepções comuns sobre jogadores são demasiadamente vagas para serem úteis. Baseado na análise de jogos zero-jogador, nós fornecemos cinco subcomponentes para ajudar na compreensão do conceito de jogador. Expressas como perguntas, elas são: Este é um jogador humano? O jogador tem agência? O jogador joga ao longo do tempo? O jogador parece ter intencionalidade? O jogador exibe preferências estéticas?

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2019-07-24

Como Citar

Björk, S., e J. Juul. “Jogos Zero-Player Ou: Do Que Falamos Quando Falamos De Jogadores”. Intexto, nº 46, julho de 2019, p. 65-81, doi:10.19132/1807-8583201946.65-81.