Representações Femininas em Game of Thrones: Mediações entre os Sete Reinos e a Contemporaneidade

Andréa Corneli Ortis, Flavi Ferreira Lisbôa Filho

Resumo


A presente pesquisa questiona como são representadas as identidades femininas da personagem Sansa Stark, de Game of Thrones, e quais sentidos sobre o feminino contemporâneo são mobilizados pela série. Para isso, buscamos observar nosso objeto através da categoria personagem e interações por meio da análise textual proposta por Casetti e Chio (1999). Após isso, acionamos o conceito de mediação, advindo de um cotejamento entre Williams (1979), Orózco-Gómez (1997) e Martín-Barbero (2001), por meio das categorias gênero, competência e moralidade pública, e percebemos que a série busca problematizar tipos de violência que acontecem na contemporaneidade em relação ao feminino, como sexual, psicológica ou física, casamento infantil e mulher como moeda de troca. Assim, ao longo das temporadas, a personagem é retratada de modo a ascender, porém somente após passar por inúmeros tipos de violência. Portanto, os sentidos negociados entre a ficção e a realidade presentes em Sansa, na série, são formadas de acordo com o ambiente em que vive, valores sociais e privados impostos pela sociedade.


Palavras-chave


Identidade feminina. Gênero. Representação. Mediações. Game of Thrones.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.19132/1807-8583202152.93331



Intexto | E-ISSN 1807-8583 | Facebook | Google Scholar 

Classificação Qualis: B1 - Comunicação, Informação, História, Letras/Linguística  | B2 - Psicologia | B3 - Ciência Política e Relações Internacionais, Arquitetura, Urbanismo e Design, Ciências Ambientais, Interdisciplinar | B4 - Sociologia. 

Programa de Pós-graduação em Comunicação | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705 sala 519 - Porto Alegre, RS, Brasil | E-mail: Intexto @ufrgs.br

Membro Associação Brasileira de Editores Científicos 

Signatária DORA (San Francisco Declaration on Research Assessment)