O cinema-lagarta dos Tikmũ’ũn: teoria-prática das imagens xamânicas

Autores

  • André Brasil Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.19132/1807-8583202048.157-175

Palavras-chave:

Tatakox. Tikmũ’ũn. Xamanismo. Filme-ritual.

Resumo

Neste texto, abordo os filmes Tatakox (2007); Tatakox Vila Nova (2009) e Kakxop pit hãmkoxuk xop te yũmũgãhã (Iniciação dos filhos dos espíritos da terra, 2015), dirigidos por coletivos Tikmũ’ũn, buscando apontar nessa série de trabalhos sobre o ritual de iniciação das crianças, traços precários de um “xamanismo múltiplo”. Trata-se de pensar o encontro entre o cinema – tecnologia de ĩnmõxa? – e o povo-espírito da lagarta (tatakox), que, com seus aerofones, perfuram sua pele, nela abrindo passagens.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Brasil, Universidade Federal de Minas Gerais

Professor do Departamento de Comunicação da Universidade Federal de Minas Gerais, integra o corpo docente permanente do Programa de PósGraduação. Pesquisadordo CNPq, participa do Grupo Poéticas da Experiência (CNPq/UFMG) e da equipe de editores da Revista Devires Cinema e Humanidades. Atualmente, integra o Comitê Pedagógico de Formação Transversal em Saberes Tradicionais na UFMG. Desenvolve pesquisas no domínio do cinema e do cinema documentário, com atenção à produção de filmes por diretores e coletivos indígenas.

Downloads

Publicado

2020-01-01

Como Citar

Brasil, A. “O Cinema-Lagarta Dos Tikmũ’ũn: Teoria-prática Das Imagens xamânicas”. Intexto, nº 48, janeiro de 2020, p. 157-75, doi:10.19132/1807-8583202048.157-175.

Edição

Seção

Dossiê Teoria dos cineastas