Ficção como jogo: reavaliando a relação entre jogos, jogar e ficção

Sebastian Deterding

Resumo


Os game studies há muito tempo vêm debatendo como relacionar os elementos ficcionais e os do jogo nos videogames. Este artigo propõe que muitos dos desafios conceituais nesse debate podem ser solucionados se os jogos e a ficção não forem tratados separadamente, mas como formalizações específicas de um mesmo fenômeno comum: o jogar. O artigo apresenta cinco propostas teóricas dessa perspectiva de jogo-e-ficção-como-jogar (JEFCJ), segundo a qual tanto os jogos quanto a ficção apresentam mais semelhanças que diferenças. Ele extrai os princípios e vantagens compartilhadas por essa abordagem JEFCJ, e como isso ajuda a explicar tanto os pontos em comum, quanto as diferenças entre a ficção e os jogos.


Palavras-chave


Jogos. Jogar. Ficção. Pragmática. Enquadramentos.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.19132/1807-8583201946.166-195



 

Intexto | E-ISSN 1807-8583 | Facebook | Google Scholar 

Classificação Qualis: B1 - Comunicação, Informação, História, Letras/Linguística  | B2 - Psicologia | B3 - Ciência Política e Relações Internacionais, Arquitetura, Urbanismo e Design, Ciências Ambientais, Interdisciplinar | B4 - Sociologia. 

Programa de Pós-graduação em Comunicação | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705 sala 519 - Porto Alegre, RS, Brasil | E-mail: Intexto @ufrgs.br

 

 Membro Associação Brasileira de Editores Científicos 

 Signatária DORA (San Francisco Declaration on Research Assessment)