Ateu, graças a Deus: a crítica ao sacerdócio no cinema de Luis Buñuel

Autores

DOI:

https://doi.org/10.19132/1807-8583202050.127-145

Palavras-chave:

Luis Buñuel. Surrealismo. Religiosidade. Sacerdócio. Ateísmo.

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar como o cinema de Luis Buñuel lida com a devoção de protagonistas no exercício de algum grau no sacerdócio, especialmente o cristão, permeado pelo ateísmo do cineasta e pelo surrealismo em sua obra, já que os infortúnios da religiosidade são recorrentes como tema em sua filmografia. A partir dos conceitos de surrealismo e suas estratégias na construção audiovisual da desarticulação racional, três filmes com protagonistas sacerdotais são analisados em termos de quanto eles se alinham ou diferem daqueles atributos do movimento surrealista, em busca de particularidades. Os filmes são Nazarin (de 1959), Viridiana (de 1961) e Simão do deserto (de 1965). Eles também são comparados entre si e com as características surrealistas específicas e críticas da religião, recorrentes no trabalho do cineasta espanhol, a fim de observar em que medida elas se aplicam a cada um deles. Em todos os três filmes, as adversidades dos protagonistas reforçam a sensação de que sua devoção e seu sacrifício não podem tornar os beneficiários melhores nem realizar seus próprios planos. Na prática, a perspectiva supostamente isenta defendida pelo diretor reitera a inutilidade da fé, numa construção lógica que se afasta do princípio subconsciente surrealista, estratégia que somente Simão do deserto (de 1965) recupera claramente, embora mantendo a mesma tese.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabiano Pereira de Souza, Universidade Anhembi Morumbi

Doutorando (2017-2020) e Mestre em Comunicação, área de concentração Comunicação Audiovisual, linha de pesquisa Análises de Produtos Audiovisuais (2016) pela Universidade Anhembi Morumbi. Possui especialização em Cinema, Vídeo e Fotografia - Criação em Multimeios (2008), graduação em Comunicação Social - Jornalismo (2002) e graduação em Design Digital (1997), todos pela Universidade Anhembi Morumbi. Integrante do grupo de pesquisa, inscrito no CNPq, Cinema expandido, da estereoscopia ao web footage: novos regimes de visualidade no século XXI. Tem experiência na área de Comunicação, com ênfase em Jornalismo, em publicações de mídia impressa de larga circulação nacional e online.

Rogério Ferraraz, Universidade Anhembi Morumbi

Rogério Ferraraz concluiu o doutorado em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, em 2003, com a tese O cinema limítrofe de David Lynch, sob a orientação da Profa. Dra. Lúcia Nagib. Foi pesquisador visitante na UCLA Los Angeles, em 2002, com bolsa de doutorado-sanduíche da CAPES. Foi secretário de redação da revista Imagens (Unicamp) e editor assistente da revista Galáxia (PUC/SP). Desde 2006, é professor do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Anhembi Morumbi/SP, do qual foi coordenador entre fevereiro de 2010 e janeiro de 2014. Autor de diversos artigos científicos, resenhas e capítulos de livros, atua nas áreas de Comunicação e Artes, com ênfase em Cinema e Televisão. Foi líder do Grupo de Pesquisa Formas e Imagens na Comunicação Contemporânea (CNPq), que estudou, entre outros assuntos, o Cinema de Bordas, e é vice-líder do Grupo de Pesquisa Inovações e Rupturas na Ficção Televisiva Brasileira (CNPq), integrante da rede de pesquisadores OBITEL - Brasil. Foi Secretário-Geral da COMPÓS (Diretoria 2015-2017), da qual fez parte do Conselho entre 2010 e 2014, e também é membro da SOCINE, da qual já fez parte do Conselho Deliberativo entre 2007 e 2011 e do Conselho Fiscal entre 2013 e 2015. Desenvolve, no momento, a pesquisa Desvendando os mistérios de Twin Peaks - o retorno: um novo marco das narrativas seriadas televisivas?, junto à Universidade Anhembi Morumbi/SP.

Downloads

Publicado

2020-08-31

Como Citar

de Souza, F. P., e R. Ferraraz. “Ateu, graças a Deus: A crítica Ao sacerdócio No Cinema De Luis Buñuel”. Intexto, nº 50, agosto de 2020, p. 127-45, doi:10.19132/1807-8583202050.127-145.

Edição

Seção

Artigos