O dispositivo empresarial, a reforma trabalhista e seus embates em enunciados midiáticos

Alyssa Magalhães Prado, João Wachelke, Kátia Menezes de Sousa

Resumo


Este artigo tem como objetivo problematizar o dispositivo empresarial e seus embates, por meio da análise de enunciados e práticas discursivas veiculadas em jornais brasileiros sobre a reforma trabalhista de 2017. O trabalho se norteou pela questão quanto ao funcionamento desse dispositivo e suas reverberações subjetivas nas relações humanas. O conceito de dispositivo é pensado e utilizado por autores como Foucault, Deleuze e Agamben, para refletir sobre um conjunto de elementos heterogêneos, que envolvem ditos e não ditos, a fim de organizar os jogos saber/poder que circulam socialmente. As contribuições especialmente foucaultianas e de alguns autores que estão se debruçando em estudos sobre o contexto neoliberal deram o aporte teórico-metodológico a pesquisa. O processo de triagem do material aconteceu a partir da pesquisa por notícias sobre a reforma trabalhista, selecionando cinco que possuíam como foco principal os empresários. Sendo assim, foi exposto um material de análise contendo algumas instâncias enunciativas e pontuadas algumas interpretações, utilizando, enquanto ferramenta, a análise discursiva foucaultiana. Os enunciados revelam o lugar de protagonismo e referência destinado aos empresários. A criação de supostos embates e lutas estão claras a partir da construção de duas posições-sujeito: o dos direitos e demandas sociais e o da competitividade e mercado. Em suma, o dispositivo empresarial vai se delineando como protagonista do meio social, enfraquecendo outros dispositivos consolidados, como o jurídico, mas sem deixar de suscitar oposições e embates contrários, que podem produzir resistências e novas possibilidades de existência.


Palavras-chave


Trabalho; Trabalhador; Dispositivo; Empresarial; Jurídico

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.19132/1807-8583202152.89828



 

Intexto | E-ISSN 1807-8583 | Facebook | Google Scholar 

Classificação Qualis: B1 - Comunicação, Informação, História, Letras/Linguística  | B2 - Psicologia | B3 - Ciência Política e Relações Internacionais, Arquitetura, Urbanismo e Design, Ciências Ambientais, Interdisciplinar | B4 - Sociologia. 

Programa de Pós-graduação em Comunicação | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705 sala 519 - Porto Alegre, RS, Brasil | E-mail: Intexto @ufrgs.br

 

 Membro Associação Brasileira de Editores Científicos 

 Signatária DORA (San Francisco Declaration on Research Assessment)