Jurandy surfa sobre um Jacaré tocando o bolero de Ravel

Heloísa de Araújo Duarte Valente

Resumo


A partir do estudo do conhecido “pôr-do-sol na Praia do Jacaré” (Cabedelo - PB), ao som do Bolero, de Ravel, invenção do músico conhecido como Jurandy do Sax, pretende-se abordar as formas de apropriação da obra musical, transformada em objeto de consumo turístico. Para tanto, analisar-se-á como se dá o processo de movência da obra de Ravel, a partir de distintas formas de apropriação, performances e concepções estéticas da obra. Em seguida, descrevem-se as estratégias adotadas por Jurandy, que funcionam como elementos simbólicos de reforço na sua forma de interação com o público. Paralelamente, ressalta-se a criação de Jurandy como o estabelecimento de uma paisagem sonora peculiar. Dentre as conclusões, destaca-se a importância do músico na autopromoção de seus produtos, além da criação de um filão de consumo midiático da música pelo turismo.


Palavras-chave


Paisagem sonora. Cartão postal sonoro. Entretenimento. Bolero de Ravel. Performance.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.19132/1807-8583202050.23-43



 

Intexto | E-ISSN 1807-8583 | Facebook | Google Scholar 

Classificação Qualis: B1 - Comunicação, Informação, História, Letras/Linguística  | B2 - Psicologia | B3 - Ciência Política e Relações Internacionais, Arquitetura, Urbanismo e Design, Ciências Ambientais, Interdisciplinar | B4 - Sociologia. 

Programa de Pós-graduação em Comunicação | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705 sala 519 - Porto Alegre, RS, Brasil | E-mail: Intexto @ufrgs.br

 

 Membro Associação Brasileira de Editores Científicos 

 Signatária DORA (San Francisco Declaration on Research Assessment)