Experiência estética e experiência mediada

César Geraldo Guimarães, Bruno Souza Leal

Resumo


O que implica o adjetivo “mediada” quando usado para qualificar experiências? Este artigo retoma essa discussão, buscando evitar tratar a experiência mediada sob o ângulo mais freqüente da mediatização e/ou seqüestro da experiência. Para tanto, elege como ponto de inflexão a existência de dimensões estéticas na experiência das mídias e, num exercício comparativo, contrasta dois modos distintos de mediação e de conformação da experiência: a televisão e o documentário.

Palavras-chave


Experiência. Televisão. Documentário.

Texto completo:

PDF




 

Intexto | E-ISSN 1807-8583 | Facebook | Google Scholar 

Classificação Qualis: B1 - Comunicação, Informação, História, Letras/Linguística  | B2 - Psicologia | B3 - Ciência Política e Relações Internacionais, Arquitetura, Urbanismo e Design, Ciências Ambientais, Interdisciplinar | B4 - Sociologia. 

Programa de Pós-graduação em Comunicação | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705 sala 519 - Porto Alegre, RS, Brasil | E-mail: Intexto @ufrgs.br

 

 Membro Associação Brasileira de Editores Científicos 

 Signatária DORA (San Francisco Declaration on Research Assessment)