Boi, clima e ironia: a confluência de riscos envolvendo o discurso jornalístico e as mudanças climáticas

Ana Maria Dantas de Maio

Resumo


O discurso jornalístico sobre mudanças climáticas nem sempre associa esse fenômeno à agropecuária, considerada uma de suas causadoras. Em enunciados que vinculam a pecuária ao aquecimento global foi possível verificar o uso da ironia como mecanismo para atrair a atenção de interlocutores e instaurar uma conduta de vigilância ambiental. O objetivo do artigo é investigar como o discurso jornalístico posiciona-se em relação ao binômio pecuária/mudanças climáticas em diferentes momentos. O estudo é qualitativo e o suporte teórico-metodológico utilizado foi a Análise de Discurso, da escola francesa, reforçado pela Análise Crítica de Discurso, que permite avaliar aspectos ideológicos presentes na fala. Os resultados indicam que as circunstâncias sócio-históricas condicionam a elaboração desses discursos, sugerindo diferentes usos e funções para essa figura de linguagem. Conclui-se que o discurso irônico pode representar um risco, caso o receptor não compreenda a contradição entre sua interface absurda e sua seriedade explícita.

Palavras-chave


Discurso jornalístico. Mudanças climáticas. Pecuária. Ironia. Análise de discurso.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.19132/1807-8583201739.146-161



 

Intexto | E-ISSN 1807-8583 | Facebook | Google Scholar 

Classificação Qualis: B1 - Comunicação, Informação, História, Letras/Linguística  | B2 - Psicologia | B3 - Ciência Política e Relações Internacionais, Arquitetura, Urbanismo e Design, Ciências Ambientais, Interdisciplinar | B4 - Sociologia. 

Programa de Pós-graduação em Comunicação | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705 sala 519 - Porto Alegre, RS, Brasil | E-mail: Intexto @ufrgs.br

 

 Membro Associação Brasileira de Editores Científicos 

 Signatária DORA (San Francisco Declaration on Research Assessment)