Inquietudes e tensionamentos: pistas para a compreensão do futuro do rádio comercial em sua fase de convergência

Luiz Artur Ferraretto

Resumo


Este artigo busca amparo teórico na economia política da comunicação para analisar as perspectivas do rádio comercial brasileiro em sua fase de convergência. Objetiva demonstrar o equívoco da sobrevalorização da tecnologia neste processo, assumindo tal prática como algo comum entre a classe empresarial. Para tanto, parte de proposições anteriores para a redefinição do conceito de rádio, considerando uma concepção plural para o meio, a linguagem específica empregada, a expansão em direção a outras mídias e a sua caracterização como uma criação cultural coletivamente desenvolvida. Trabalha, neste quadro teórico e conceitual, as estações comerciais na contemporaneidade por quatro pontos de vista tidos aqui como complementares: (1) o tecnológico; (2) o empresarial; (3) o profissional e de conteúdos; e (4) o do público.


Palavras-chave


Rádio comercial. Tecnologia. Capital. Trabalho. Público.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.19132/1807-8583201534.214-235



 

Intexto | E-ISSN 1807-8583 | Facebook | Google Scholar 

Classificação Qualis: B1 - Comunicação, Informação, História, Letras/Linguística  | B2 - Psicologia | B3 - Ciência Política e Relações Internacionais, Arquitetura, Urbanismo e Design, Ciências Ambientais, Interdisciplinar | B4 - Sociologia. 

Programa de Pós-graduação em Comunicação | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705 sala 519 - Porto Alegre, RS, Brasil | E-mail: Intexto @ufrgs.br

 

 Membro Associação Brasileira de Editores Científicos 

 Signatária DORA (San Francisco Declaration on Research Assessment)