Aspectos poéticos-comunicacionais da filosofia política de Rancière a partir dos conceitos de dano, dissenso e desidentificação

Ângela Cristina Salgueiro Marques, Thales Vilela Lelo

Resumo


Este artigo pretende discutir, em um primeiro momento, a articulação dos conceitos norteadores da filosofia política de Jacques Rancière: o dissenso, o dano e a desidentificação. Estas três noções se entrelaçam na ação política, que emerge quando um dano é nomeado e tratado em uma cena dissensual por sujeitos que não são vistos como pertencentes a uma comunidade e que, ao performarem o dano, verificam a ausência de igualdade em relação aos demais. Nesse processo, constituem-se como sujeitos políticos, afastando-se de identidades e definições impostas que lhes colocam limites para a participação ao comum. Estas elucidações conceituais permitirão, na sessão final do texto, que sejam evidenciados os aspectos comunicacionais e poéticos que costuram as articulações com a política, sobretudo aqueles ligados à cena dissensual, ao jogo de encenação do dano e ao processo de subjetivação política que permite a constituição e autopercepção dos atores como interlocutores.

Palavras-chave


Dano. Dissenso. Desidentificação. Filosofia. Política. Comunicação.

Texto completo:

PDF




 

Intexto | E-ISSN 1807-8583 | Facebook | Google Scholar 

Classificação Qualis: B1 - Comunicação, Informação, História, Letras/Linguística  | B2 - Psicologia | B3 - Ciência Política e Relações Internacionais, Arquitetura, Urbanismo e Design, Ciências Ambientais, Interdisciplinar | B4 - Sociologia. 

Programa de Pós-graduação em Comunicação | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705 sala 519 - Porto Alegre, RS, Brasil | E-mail: Intexto @ufrgs.br

 

 Membro Associação Brasileira de Editores Científicos 

 Signatária DORA (San Francisco Declaration on Research Assessment)