Linhas de fuga, da mídia semanal à hipermídia: é possível educar para as mídias?

José Luiz Aidar Prado

Resumo


A pesquisa descrita no presente artigo busca construir um banco de dados hipermidiático sobre a mídia semanal, com o fim de apoiar atividades de educação para as mídias, de alunos de graduação em comunicação e outros cursos de ciências humanas. A pesquisa escolheu como eixo analítico miséria (e violência, trazida pelos Outros) x riqueza (e saúde, sucesso, qualidade de vida, a serem construídos para os Mesmos). Para examinar tais temáticas, a pesquisa incorpora uma série de procedimentos metodológicos, como: a) realização de análises discursivas no eixo temático; b) realização de contra-reportagens em que os bolsistas e pesquisadores entrevistam (com filmagem em vídeo) especialistas e integrantes de movimentos da sociedade civil sobre os temas construídos na mídia semanal; c) organização dos textos audiovisuais (textos analíticos, contra-reportagens, vídeos, dados gerais sobre a mídia semanal etc.) na hipermídia. Nossa intenção não é somente contrapor, ponto a ponto, as construções midiáticas, mas refletir sobre essas construções e mostrar outras direções de construções discursivas existentes na sociedade civil e em particular na periferia.

Palavras-chave


Mídia semanal. Hipermídia. Educação para a mídia.

Texto completo:

PDF




 

Intexto | E-ISSN 1807-8583 | Facebook | Google Scholar 

Classificação Qualis: B1 - Comunicação, Informação, História, Letras/Linguística  | B2 - Psicologia | B3 - Ciência Política e Relações Internacionais, Arquitetura, Urbanismo e Design, Ciências Ambientais, Interdisciplinar | B4 - Sociologia. 

Programa de Pós-graduação em Comunicação | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705 sala 519 - Porto Alegre, RS, Brasil | E-mail: Intexto @ufrgs.br

 

 Membro Associação Brasileira de Editores Científicos 

 Signatária DORA (San Francisco Declaration on Research Assessment)