Condição de acesso à obra de arte na pós-modernidade

Sandra Portella Montardo

Resumo


O presente ensaio propõe que a interatividade como condição de acesso do público às manifestações artísticas pósmodernas não seja um fenômeno exclusivo da segunda metade do século XX. A idéia que se defende aqui é que a interatividade tenha se constituído como única alternativa de acesso à obra de arte desde o século XIX. Essa proposição torna-se possível na medida em que se situa as manifestações artísticas pós-modernas no âmbito da Época da Imagem do Mundo, expressão criada por Martin Heidegger para caracterizar a Idade Moderna, época em que, segundo o autor, deu-se o processo de estetização da obra de arte. Segundo esse processo, a arte passa a ser entendida como objeto, tornando-se acessível somente por meio da interação. Constata-se, assim, um distanciamento da expressão “obra de arte”, própria da Antiguidade Grega, a qual pressupunha a contemplação como única forma de apreciação.


Palavras-chave


Interatividade. Obra de arte. Manifestações pós-modernas.

Texto completo:

PDF




 

Intexto | E-ISSN 1807-8583 | Facebook | Google Scholar 

Classificação Qualis: B1 - Comunicação, Informação, História, Letras/Linguística  | B2 - Psicologia | B3 - Ciência Política e Relações Internacionais, Arquitetura, Urbanismo e Design, Ciências Ambientais, Interdisciplinar | B4 - Sociologia. 

Programa de Pós-graduação em Comunicação | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705 sala 519 - Porto Alegre, RS, Brasil | E-mail: Intexto @ufrgs.br

 

 Membro Associação Brasileira de Editores Científicos 

 Signatária DORA (San Francisco Declaration on Research Assessment)