A tragédia da cultura na era da técnica: Georg Simmel

Francisco Rüdiger

Resumo


Georg Simmel, embora pouco conhecido entre nós, conta-se entre os primeiros críticos ocidentais a pensar o futuro da cultura na era da técnica. Destoando dos juízos correntes em seu tempo (1900), o pensador não viu nesse processo um estágio superior da marcha do progresso, relacionando-o antes com a crise da cultura para a qual havia nos alertado Nietzsche. As considerações seguintes pretendem dar conta da maneira como sua reflexão sobre a tragédia da cultura que tem lugar em nosso tempo comporta um exame do sentido da técnica que pode nos ajudar a pensar o problema das novas tecnologias de comunicação, após ter se tornado um motivo recorrente nos escritos de vários pensadores da técnica de nosso século, de Oswald Spengler e Heidegger a Jacques Ellul, Yves Barel, Arthur Kroker e Eduardo Subirats.


Palavras-chave


Cultura. Técnica. Ciência. Subjetividade. Bem-estar. Esquematismo.

Texto completo:

PDF




 

Intexto | E-ISSN 1807-8583 | Facebook | Google Scholar 

Classificação Qualis: B1 - Comunicação, Informação, História, Letras/Linguística  | B2 - Psicologia | B3 - Ciência Política e Relações Internacionais, Arquitetura, Urbanismo e Design, Ciências Ambientais, Interdisciplinar | B4 - Sociologia. 

Programa de Pós-graduação em Comunicação | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705 sala 519 - Porto Alegre, RS, Brasil | E-mail: Intexto @ufrgs.br

 

 Membro Associação Brasileira de Editores Científicos 

 Signatária DORA (San Francisco Declaration on Research Assessment)