Jornalitas e teorias: conciliação possível?

Mozahir Salomão Bruck

Resumo


Este artigo se propõe a uma reflexão que tem como ponto de partida o pressuposto de que as teorias, conceitos e noções desenvolvidos especialmente nas últimas décadas em todo o mundo acerca do jornalismo, como campo de conhecimento e vetor de influência social, pouco parecem influenciar ou contribuir para mitigar muitos dos principais desvios, incongruências e deficiências historicamente diagnosticadas em relação ao fazer jornalístico. Em suma, pergunta-se: por que os estudos teóricos do jornalismo contribuem pouco para melhorar as práticas profissionais do campo? Tal questão parece ganhar ainda mais relevância na medida em que, em termos de sua função de enquadramento e mediação do cotidiano e nas suas conhecidas formas em termos de dispositivo sócio-técnico, o próprio jornalismo tem experimentado importantes alterações em seus modos de produção e distribuição dos enunciados por meio dos quais tenta dar conta de apresentar a seus públicos o cotidiano em que esses estão inseridos.

Palavras-chave


Jornalismo. Teorias. Práticas Profissionais.

Texto completo:

PDF




 

Intexto | E-ISSN 1807-8583 | Facebook | Google Scholar 

Classificação Qualis: B1 - Comunicação, Informação, História, Letras/Linguística  | B2 - Psicologia | B3 - Ciência Política e Relações Internacionais, Arquitetura, Urbanismo e Design, Ciências Ambientais, Interdisciplinar | B4 - Sociologia. 

Programa de Pós-graduação em Comunicação | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705 sala 519 - Porto Alegre, RS, Brasil | E-mail: Intexto @ufrgs.br

 

 Membro Associação Brasileira de Editores Científicos 

 Signatária DORA (San Francisco Declaration on Research Assessment)