Da realidade a ser mediada à realidade midiática: status ontológico e epistemológico

Liriam Sponholz

Resumo


Há um mundo que independe de um sujeito conhecedor para existir? É possível conhecê-lo? Sob quais condições? Até que ponto? Estas questões assumem uma importância central no trabalho de mediação da realidade feito por jornalistas. O objetivo deste artigo é fornecer um modelo de análise dos status ontológico e epistemológico da realidade social, matéria-prima da produção jornalística, e da realidade midiática como produto jornalístico. Para isso, parte-se da teoria dos mundos de Karl Popper e da concepção sobre a construção da realidade social de John Searle.

Palavras-chave


Realidade. Conhecimento. Jornalismo.

Texto completo:

PDF




 

Intexto | E-ISSN 1807-8583 | Facebook | Google Scholar 

Classificação Qualis: B1 - Comunicação, Informação, História, Letras/Linguística  | B2 - Psicologia | B3 - Ciência Política e Relações Internacionais, Arquitetura, Urbanismo e Design, Ciências Ambientais, Interdisciplinar | B4 - Sociologia. 

Programa de Pós-graduação em Comunicação | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705 sala 519 - Porto Alegre, RS, Brasil | E-mail: Intexto @ufrgs.br

 

 Membro Associação Brasileira de Editores Científicos 

 Signatária DORA (San Francisco Declaration on Research Assessment)