A semiótica das imagens-pulsão no filme Cisne Negro (2010)

Autores

  • Rafael Wagner dos Santos Costa Universidade Federal do Amapá

DOI:

https://doi.org/10.19132/1807-8583202152.109455

Palavras-chave:

Cinema, Imagem-pulsão, Semiótica, Primeiridade, Secundidade

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar, sob o viés teórico de Charles Sanders Peirce, a constituição das imagens-pulsão presentes no filme Cisne Negro (2010), de Darren Aronofsky. Para tanto, entendemos que a imagem-pulsão, tipo de imagem-movimento criada e desenvolvida por Gilles Deleuze, é formada pelo mundo originário e pelo meio derivado, podendo ser entrópica e/ou cíclica. São as pulsões do bem e do mal, corporificadas nas figuras do cisne branco e do cisne negro, que permeiam o longa-metragem de Aronofsky. Assim, através da análise de cenas e fotogramas, abordamos como se dá a manifestação e o funcionamento dessas imagens-pulsão pelo prisma semiótico. Concluímos, corroborando a hipótese de Deleuze, que a imagem-pulsão se encontra entalada entre uma imagem-afecção e uma imagem-ação pelo fato desse signo cinematográfico não constituir necessariamente um ícone ou um índice, mas ocupando um espaço alocado no vácuo entre os dois, instaurando, dessa forma, uma sensação constante, compreendida no limiar entre um fenômeno de primeiridade e outro de secundidade peirceana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Wagner dos Santos Costa, Universidade Federal do Amapá

Possui Graduação em Comunicação Social- Habilitação Relações Públicas pela Universidade da Amazônia (2002), mestrado em Comunicação pela Universidade de Marília (2005) e doutorado em Ciências da Comunicação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (2013). Atualmente é Professor Adjunto IV da Universidade Federal do Amapá. Tem experiência na área de Comunicação, atuando principalmente nos seguintes temas: comuniação, cinema e semiótica.

Downloads

Publicado

2021-07-02

Como Citar

Costa, R. W. dos S. “A semiótica Das Imagens-pulsão No Filme Cisne Negro (2010)”. Intexto, nº 52, julho de 2021, p. 109455, doi:10.19132/1807-8583202152.109455.

Edição

Seção

Artigos