Minorias, lugar de fala e direito à comunicação na mídia: entre o ativismo pela cidadania e a mercadorização de pautas sociais

Chalini Torquato

Resumo


A diversidade tem se tornado pauta cada vez mais recorrente nos conteúdos apresentados pelas mídias massivas. Na tentativa de avançar numa observação crítica deste debate, busca-se indagar: estariam finalmente as pautas sociais de grupos minoritários encontrando eco na produção televisiva brasileira, ou seria este fenômeno nada mais do que mais uma apropriação desses temas como parte do processo de ‘mercadorização’ já tão conhecido pela literatura da Economia Política da Comunicação e da Cultura? Para responder a essa questão, o artigo parte de uma revisão bibliográfica sobre mídia, diversidade, valores democráticos e as lutas identitárias contemporâneas. Explana-se, em seguida, as lógicas estratégicas do mercado de TV privada para, então, se discutir exemplos práticos contemporâneos de representatividade não-normativa na TV, trazidos por outras pesquisas, que apontam a necessidade de se refletir sobre quem constrói essas narrativas. Constata-se a propensão que a lógica de mercado tem em se apropriar dos movimentos que deveriam ser contra-hegemônicos.


Palavras-chave


Diversidade; Minorias; Televisão; Mercado de TV; Lugar de fala

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.19132/1807-8583202152.104996



 

Intexto | E-ISSN 1807-8583 | Facebook | Google Scholar 

Classificação Qualis: B1 - Comunicação, Informação, História, Letras/Linguística  | B2 - Psicologia | B3 - Ciência Política e Relações Internacionais, Arquitetura, Urbanismo e Design, Ciências Ambientais, Interdisciplinar | B4 - Sociologia. 

Programa de Pós-graduação em Comunicação | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705 sala 519 - Porto Alegre, RS, Brasil | E-mail: Intexto @ufrgs.br

 

 Membro Associação Brasileira de Editores Científicos 

 Signatária DORA (San Francisco Declaration on Research Assessment)