Na distância da vítima: moralidade sobrevivente e a produção televisiva do indivíduo empreendedor de si

Leandro Rodrigues Lage, Paulo Roberto Gibaldi Vaz

Resumo


O artigo analisa, em reality shows de sobrevivência, indícios de uma transformação cultural e moral do que se entende e se legitima como vítima, sofredor e como sobrevivência na contemporaneidade. A partir da observação do programa Largados e Pelados, do Discovery Channel, argumenta-se que essas produções televisivas investem narrativa e esteticamente tanto na espetacularização do sofrimento, quanto na produção cosmética do sobrevivente. Desse modo, a figura do sobrevivente passa a fazer parte de um tipo de pedagogia e de racionalidade orientados por uma lógica neoliberal de produção de indivíduos empreendedores de si. Esses reality shows atuam, portanto, como dispositivos produtores de modos de subjetivação associados ao heroísmo prodigioso e moralmente legítimo do sobrevivente, cuja imagem em negativo é a da vítima incapaz de superar os infortúnios com resiliência.


Palavras-chave


Moralidade; Sofrimento; Sobrevivência; Televisão; Vítima

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.19132/1807-8583202152.104566



 

Intexto | E-ISSN 1807-8583 | Facebook | Google Scholar 

Classificação Qualis: B1 - Comunicação, Informação, História, Letras/Linguística  | B2 - Psicologia | B3 - Ciência Política e Relações Internacionais, Arquitetura, Urbanismo e Design, Ciências Ambientais, Interdisciplinar | B4 - Sociologia. 

Programa de Pós-graduação em Comunicação | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705 sala 519 - Porto Alegre, RS, Brasil | E-mail: Intexto @ufrgs.br

 

 Membro Associação Brasileira de Editores Científicos 

 Signatária DORA (San Francisco Declaration on Research Assessment)