Um mundo de coisas mais competentes que nós: abrindo caixas pretas através de uma semiótica material em Vilém Flusser

Autores

DOI:

https://doi.org/10.19132/1807-8583202051.185-202

Palavras-chave:

Vilém Flusser. Semiótica material. Caixa preta. Smartphone

Resumo

Os estudos sobre a construção social da ciência e tecnologia são atentos a caixas pretas e seus funcionamentos. Tem-se sugerido a noção de semiótica material como agregadora da necessidade de recorrência a considerações sobre a materialidade dos objetos evocados para análise. No presente texto, buscamos argumentar sobre como Vilém Flusser pode ser retroativamente considerado um pensador que trata de aspectos da semiótica material e sobre como sua perspectiva crítica pode contribuir com tal vertente. Por fim, para ilustrar nosso esforço, realizamos o que pode ser chamado de uma análise de semiótica material de inspiração flusseriana acerca do aparelho smartphone e a função Stories no aplicativo Instagram. Concluiu-se que uma semiótica material de inspiração flusseriana é aquela que busca examinar como se desenvolve um tipo de pensamento infrahumano nas associações heterogêneas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mauricio de Souza Fanfa, Universidade Federal de Santa Maria

Doutorando em Comunicação pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Mestre em Comunicação e Produtor Editorial pela mesma instituição. Membro do Grupo de Pesquisa Comunicação, Identidades e Fronteiras.

Phillipp Dias Gripp

Doutor em Comunicação pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Mestre em Comunicação pela mesma instituição. Jornalista pela Universidade Federal do Pampa. Membro do Grupo de Pesquisa Comunicação, Identidades e Fronteiras.

Downloads

Publicado

2020-12-21

Como Citar

Fanfa, M. de S., e P. D. Gripp. “Um Mundo De Coisas Mais Competentes Que nós: Abrindo Caixas Pretas através De Uma semiótica Material Em Vilém Flusser”. Intexto, nº 51, dezembro de 2020, p. 185-02, doi:10.19132/1807-8583202051.185-202.

Edição

Seção

Dossiê Flusser: 100 anos