Os modelos culturais e a crise da educação: caminhos pedagógicos na Comunicologia de Vilém Flusser

Diogo Andrade Bornhausen

Resumo


O propósito deste estudo é investigar a Comunicologia proposta por Vilém Flusser por meio de seu diagnóstico sobre as transformações éticas, estéticas e epistemológicas impostas às sociedades. Esta interrogação parte da compreensão do autor de que os modelos culturais passam por uma crise, cujo centro está na incerteza sobre a consolidação dos comportamentos, das vivências e dos conhecimentos, especialmente observados nas estruturas educacionais. Tema pouco explorado do pensamento flusseriano, a educação é compreendida como comunicação ideologicamente planejada para o funcionamento social e defendida como possibilidade de construção de novos saberes, mais conscientes e engajados diante dos cenários observados pelo autor. Com o objetivo de realizar a análise desta proposição pedagógica, esta pesquisa realiza levantamento bibliográfico destes temas, postos em diálogo com as demais reflexões de Flusser. Esta contextualização auxilia na contribuição do autor em elucidar a profunda contradição que cerca a formação do conhecimento neste início de século XXI, interposto pela intensificação de dispositivos que prometem o livre acesso global em um ambiente que incita a revisão emergente das estruturas de aprendizado.

Palavras-chave


Vilém Flusser. Comunicologia. Cultura e Educação.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.19132/1807-8583202051.103-121



 

Intexto | E-ISSN 1807-8583 | Facebook | Google Scholar 

Classificação Qualis: B1 - Comunicação, Informação, História, Letras/Linguística  | B2 - Psicologia | B3 - Ciência Política e Relações Internacionais, Arquitetura, Urbanismo e Design, Ciências Ambientais, Interdisciplinar | B4 - Sociologia. 

Programa de Pós-graduação em Comunicação | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705 sala 519 - Porto Alegre, RS, Brasil | E-mail: Intexto @ufrgs.br

 

 Membro Associação Brasileira de Editores Científicos 

 Signatária DORA (San Francisco Declaration on Research Assessment)