Flusser, o profeta invertido: a crítica à sociedade de consumo e ao aparelho da ditadura militar em correspondência de Vilém Flusser e José Bueno

Tiago da Mota e Silva, Norval Baitello Junior

Resumo


O presente artigo seleciona e analisa cartas na troca de correspondências entre Vilém Flusser e José Bueno preservadas no Arquivo Vilém Flusser São Paulo. A pesquisa se debruçou em ler a correspondência trocada desde 29 de maio de 1971 a 10 de julho de 1975 – o que corresponde a 30 cartas, das quais 15 são diretamente citadas neste artigo. Entendeu-se que as cartas selecionadas iniciam e concluem um determinado eixo temático discutido entre eles, justamente sobre economia e política internacional e a situação do Brasil no cenário global da época. Por meio da pesquisa neste arquivo, descobriram-se algumas modulações de como Flusser discutia eventos que lhe eram contemporâneos, como a crise do petróleo de 1973, o caso Watergate e principalmente a ditadura militar brasileira. As cartas demonstram também o interesse de Flusser pela emergente futurologia, em momentos em que o filósofo discute sobre o que seria do mundo diante de uma sociedade de consumo cada vez mais pungente que já demonstrava fadiga.


Palavras-chave


Correspondência de Vilém Flusser com José Bueno. Caso Watergate. Crise do petróleo. Falência da sociedade de consumo. Aparelho da ditadura militar no Brasil.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.19132/1807-8583202051.63-82



 

Intexto | E-ISSN 1807-8583 | Facebook | Google Scholar 

Classificação Qualis: B1 - Comunicação, Informação, História, Letras/Linguística  | B2 - Psicologia | B3 - Ciência Política e Relações Internacionais, Arquitetura, Urbanismo e Design, Ciências Ambientais, Interdisciplinar | B4 - Sociologia. 

Programa de Pós-graduação em Comunicação | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705 sala 519 - Porto Alegre, RS, Brasil | E-mail: Intexto @ufrgs.br

 

 Membro Associação Brasileira de Editores Científicos 

 Signatária DORA (San Francisco Declaration on Research Assessment)