Indígenas e ensino superior: as experiências universitárias dos estudantes Kaingang na UFRGS / Indigenous people and higher education: the university experiences of Kaingang students at UFRGS

Autores

  • Valesca Daiana Both Ames Universidade Federal do Paraná
  • Marilis Lemos de Almeida Universidade Federal de Pelotas

DOI:

https://doi.org/10.1590/15174522-98065

Palavras-chave:

estudantes indígenas, ensino superior, ações afirmativas, aprendizagem.

Resumo

Desde 2008, a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), como parte de sua política de ações afirmativas, destina anualmente dez vagas para estudantes provenientes de comunidades indígenas em seus cursos de graduação. A presença desses sujeitos, historicamente ausentes do espaço universitário, representa um momento enriquecedor, tanto para os estudantes quanto para a própria instituição, mas também traz consigo muitos desafios. Este artigo analisa as experiências universitárias de alguns estudantes Kaingang na UFRGS – etnia que representa 85% dos alunos indígenas ingressantes na instituição. Mais especificamente, examina como eles acompanharam os conteúdos de seus cursos de graduação e como se relacionaram com colegas não indígenas e com professores. Os resultados mostram as dificuldades no uso, reprodução e apropriação dos conhecimentos acadêmicos enfrentadas pelos indígenas na tarefa de se tornarem estudantes universitários, bem como o tipo e a qualidade das relações estabelecidas com colegas e professores. Concluímos que o processo de aprendizagem do ofício de estudante é mais árduo e lento para os estudantes indígenas, tendo em vista as baixas expectativas de ingressar no ensino superior, a sua formação escolar precária, a falta de diálogo intercultural na universidade e as situações preconceituosas e discriminatórias vivenciadas no interior da UFRGS.

***

Abstract

Since 2008, the Federal University of Rio Grande do Sul (UFRGS) has annually allocated ten places for students from indigenous communities in its undergraduate courses, as part of its affirmative action policy. The presence of these subjects, historically absent from the university space, represents an enriching moment for both students and the institution itself, but it also brought with it many challenges. The article analyzes the university experiences of some Kaingang students at UFRGS – an ethnic group that represents 85% of indigenous students entering the institution. More specifically, it examines how they followed the content of their undergraduate courses and how they related to non-indigenous colleagues and teachers. The results show the difficulties in the use, reproduction and appropriation of the academic knowledge faced by the indigenous in the task of becoming university students, as well as the type and quality of relationships established with peers and teachers. We conclude that the learning process of the student’s craft is more arduous and slower for indigenous students, considering: the low expectations of entering higher education; the precarious educational background of these subjects; the lack of intercultural dialogue at the university and the prejudiced and discriminatory situations experienced within the UFRGS.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Valesca Daiana Both Ames, Universidade Federal do Paraná

Mestre e Doutora em Sociologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Pós-doutoranda em Sociologia na Universidade Federal do Paraná.

Marilis Lemos de Almeida, Universidade Federal de Pelotas

Doutora em Política Científica e Tecnológica pela Universidade Estadual de Campinas. Professora associada da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Pelotas e professora do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Referências

AGNOLI, Maria Stella. Lo straniero in immagine: rappresentazione degli immigrati e pregiudizio etnico tra gli studenti del Lazio. Milão: Franco Angeli, 2004.

AMARAL, Wagner R.; BAIBICH-FARIA, Tânia Maria. A presença dos estudantes indígenas nas universidades estaduais do Paraná: trajetórias e pertencimentos. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, v. 93, n. 235, p. 818-835, 2012.

AMARAL, Wagner R. Trajetórias dos estudantes indígenas nas universidades estaduais do Paraná: sujeitos e pertencimentos. 2010. Tese (Doutorado em Educação) – Setor de Educação, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2010.

AMES, Valesca D. B. Indígenas no ensino superior: uma análise sobre a formação dos estudantes Kaingang da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 2019. Tese (Doutorado em Sociologia) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2019.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BERGAMASCHI, Maria Aparecida; DOEBBER, Michele B.; BRITO, Patrícia O. Estudantes indígenas na Universidade Federal do Rio Grande do Sul – desafios do acesso e permanência. Revista del Cisen Tramas/Maepova, v. 4, n. 2, p. 167-184, 2016.

BOURDIEU, Pierre. A escola conservadora: as desigualdades frente à escola e à cultura. In: NOGUEIRA, Maria Alice; CATANI, Afrânio (orgs.). Escritos de educação. Petrópolis: Vozes, 2007. p. 39-64.

BRASIL. Lei n° 12.711. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 30 ago. 2012. Seção 1, p. 1.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal – Centro Gráfico, 1988.

CESAREO, Vincenzo. Sociologia: teorie e problemi. Milão: Vita e Pensiero, 1993.

CIPOLLINI, Roberta. Stranieri. Percezione dello straniero e pregiuzidio etnico. Milão: Franco Angeli, 2002.

COULON, Alain. O ofício de estudante: a entrada na vida universitária. Educação e pesquisa. São Paulo, v. 43, n. 4, p. 1239-1250, 2017.

COULON, Alain. A condição de estudante: a entrada na vida universitária. Salvador: EDUFBA, 2008.

DOEBBER, Michele. Indígenas estudantes nas graduações da UFRGS: movimentos de reexistência. 2017. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2017.

ELIAS, Norbert; SCOTSON, John L. Os estabelecidos e os outsiders: sociologia das relações de poder a partir de uma pequena comunidade. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2000.

HERINGER, Rosana R. Um balanço de 10 anos de políticas de ação afirmativa no Brasil. Tomo, v. 1, n. 24 p. 13-29, 2014.

LIMA, Antônio Carlos de S.; BARROSO, Maria M. A presença indígena na construção de uma educação superior universal, diferenciada e de qualidade. In: LIMA, Antonio Carlos; BARROSO, Maria. (orgs.). Povos indígenas e universidade no Brasil: contextos e perspectivas, 2004-2008, Rio de Janeiro: E-papers, 2013. p. 109-118.

MANNHEIM, Karl. Isolamento social. In: CARDOSO, Fernando Henrique; IANNI, Octávio (orgs.). Homem e sociedade: leituras básicas de sociologia geral. São Paulo: Editora Nacional, 1970.

MAZZARA, Bruno. Appartenenza e pregiudizio. Psicologia sociale delle relazioni interetniche. Roma: Carocci Editore, 2000.

MERTON, Robert. Sociologia: teoria e estrutura. São Paulo: Mestre Jou, 1970.

OLIVEN, Arabela C.; BELLO, Luciane. Negros e indígenas ocupam o templo branco: ações afirmativas na UFRGS. Horizontes Antropológicos, v. 23, n. 49, p. 339-374, 2017.

OLIVEN, Arabela. Ações afirmativas, relações raciais e política de cotas nas universidades: uma comparação entre os Estados Unidos e o Brasil. Educação, n. 1, p. 29-51, 2007.

PALADINO, Mariana. Um mapeamento das ações afirmativas voltadas aos povos indígenas no ensino superior. In: BERGAMASCHI, Maria Aparecida; NABARRO, Edilson; BENITES, Andréa (orgs). Estudantes indígenas no ensino superior: uma abordagem a partir da experiência da UFRGS. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2013.

PALADINO, Mariana. Algumas notas para a discussão sobre a situação de acesso e permanência dos povos indígenas na educação superior. Práxis Educativa, v. 7, número especial, p. 175-195, 2012.

PAULA, Luis Roberto de. O ensino superior indígena como política pública: elementos para a construção de um modelo metodológico de avaliação e comparação de experiências locais. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, v. 94, n. 238, p. 795-810, 2013.

PIOTTO, Débora Cristina; ALVES, Renata O. O ingresso de estudantes das camadas populares em uma universidade pública: desviando do ocaso quase por acaso. Revista de Educação PUC-Campinas, v. 21, n. 2, p. 139-147, 2016.

SIMMEL, Georg. Lo straniero. In: TABBONI, Simonetta (org.). Vicinanza e lontananza. Modelli e figure dello straniero come categoria sociologica. Milão: Franco Angeli, 1986. p. 147-154.

SOARES, Adriana B.; MOURÃO, Luciana.; MOTA, Márcia Maria P. E. da. O estudante universitário brasileiro: características cognitivas, habilidades relacionais e transição para o mercado de trabalho. Curitiba: Appris, 2016.

UFRGS. Coordenadoria de acompanhamento do programa de ações afirmativas. Dados do processo seletivo específico para estudantes indígenas, 2008-2017. Porto Alegre, 2017a.

UFRGS. Processos seletivos. Processo seletivo específico para ingresso de estudantes indígenas. Edital 08 de dezembro de 2017. Porto Alegre, 2017b. Disponível em: http://www.ufrgs.br/coperse/processos-seletivos/estudantes-indigenas/pse-estudantesindigenas-2018. Acesso em: 04 abr. 2018.

UFRGS. Conselho universitário. Decisão n. 268/2012. Porto Alegre, ago. 2012.

Downloads

Publicado

2021-04-28

Como Citar

BOTH AMES, V. D.; LEMOS DE ALMEIDA, M. Indígenas e ensino superior: as experiências universitárias dos estudantes Kaingang na UFRGS / Indigenous people and higher education: the university experiences of Kaingang students at UFRGS. Sociologias, [S. l.], v. 23, n. 56, p. 244–275, 2021. DOI: 10.1590/15174522-98065. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/sociologias/article/view/98065. Acesso em: 24 set. 2022.