Apresentação: O “punitivismo” no sistema de justiça juvenil brasileiro / Punitivism in the Brazilian juvenile justice

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/15174522-119875

Palavras-chave:

punitivismo, sistema de justiça juvenil, Estatuto da Criança e do Adolescente, adolescentes autores da atos infracionais, redução da maioridade penal

Resumo

Nesta apresentação do dossiê O adolescente visto como problema: disputas narrativas, produção legislativa e punição, partimos do debate internacional sobre as tendências contemporâneas da justiça juvenil e apresentamos uma reflexão sobre o diagnóstico do avanço do assim chamado punitivismo no âmbito do sistema de justiça juvenil brasileiro, a partir da análise das disputas travadas na arena política em torno da temática. A reflexão envolve (i) a sistematização dos indicadores de punitivismo e de dados e informações relativos a esses indicadores; e (ii) a análise das disputas políticas nas esferas do legislativo e do judiciário a partir de dados sobre as proposições legislativas relativas ao tema apresentadas nos 30 anos de existência do ECA e do caso da ADI 3.446. Buscamos demonstrar que, na arena política, a perspectiva de defesa do ECA tem prevalecido e os discursos punitivos têm efeitos mais simbólicos do que práticos. As práticas punitivas, discursivas e não-discursivas, não se institucionalizaram em dispositivos legais ou políticas oficiais do sistema de justiça juvenil brasileiro. No entanto, os dados existentes sobre os demais indicadores de punitivismo sinalizam que a lógica punitiva parece desfrutar de amplo espaço no funcionamento das instituições diretamente responsáveis pelo processamento dos adolescentes autores de atos infracionais.

 

====

 

In this presentation of the dossier Adolescents deemed as a problem: narrative disputes, production of law and punishment, we build on the international debate on contemporary trends in juvenile justice and present a discussion on the advance of punitivism in the Brazilian juvenile justice, based on the analysis of disputes in the political arena. The discussion comprises (i) the systematization of indicators of ‘punitivism’ in juvenile justice and of the related data; and (ii) the analysis of political disputes in the legislative and the judiciary based on data of law production related to the topic during the 30 years since the promulgation of the Statute of Child and Adolescent (ECA) and on the case of the lawsuit on unconstitutionality no. 3,446 (Ação Direta de Insconstitucionalidade – ADI 3446). We seek to demonstrate that, in the political arena, ECA's perspective has prevailed and punitive speeches have rather symbolic than practical effects. Punitive, discursive and non-discursive practices were not institutionalized in legal provisions or official policies of the Brazilian juvenile justice system. However, existing data on other punitive indicators show that the punitive logic seems to have space in the functioning of institutions directly responsible for guarding young offenders.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruna Gisi, Universidade de São Paulo

Doutora em Sociologia, professora do Departamento de Sociologia da Universidade de São Paulo e pesquisadora associada do Núcleo de Estudos da Violência da USP.

Mariana Chies Santiago Santos, Universidade de São Paulo

Doutora em Sociologia e pesquisadora de pós-doutorado no Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo (NEV-USP).

Marcos César Alvarez, Universidade de São Paulo

Doutor em Sociologia e professor Livre Docente no Departamento de Sociologia da Universidade de São Paulo.

Referências

ALVAREZ, Marcos. A emergência do código de menores de 1927: uma análise do discurso jurídico e institucional da assistência e proteção aos menores. 1989. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1989.

BAILLEAU, Francis. La justice pénale de mineurs en France ou l’émergence d’un nouveau modèle de gestión des illégalismes. Déviance et Société, v. 26, n. 3, 2002, p. 403-421.

BARROS, Betina W. A coerência da crueldade: os significados da violência extrema para os envolvidos no tráfico de drogas no Rio Grande do Sul. 2020. Dissertação (Mestrado em Sociologia), Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2020.

BATEMAN, Tim. Who pulled the plug? Towards an explanation of the fall in child imprisonment in England and Wales. Youth Justice, v. 12, 1, p. 36-52, 2012.

BRASIL. Lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial da União, n. 135, Seção 1, p. 13563-13577. Brasília, DF, 16 jul. 1990.

CATE, Sarah. Devolution, not decarceration: the limits of juvenile justice reform in Texas. Punishment & Society, v. 18, n. 5, p. 578-609, 2016.

CHIES-SANTOS, Mariana. Resistentes, conformados e oscilantes: um estudo acerca das resistências produzidas pelos adolescentes privados de liberdade no Brasil e na França. 2018. Tese (Doutorado em Sociologia) – Programa de Pós-graduação em Sociologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2018.

CHIES-SANTOS, Mariana; BENETTI, Pedro Rolo. Aumento do tempo de internação e redução da maioridade penal: a produção legislativa sobre adolescentes em situação de conflito com a lei. In: ANDREUCCI, Ana C. P. T.; JUNQUEIRA, Michelle A. (Orgs.). Estatuto da Criança e do Adolescente 30 anos depois: narrativas, ressignificados e projeções. Londrina: Thoth, 2021. p. 215-240. (v. 3).

CIFALI, Ana C. As disputas pela definição pela justiça juvenil no Brasil. 2019. Tese (Doutorado em Ciências Criminais), Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 2019. Disponível em: http://tede2.pucrs.br/tede2/handle/tede/8884

CORNELIUS, Eduardo G. O pior dos dois mundos? A construção legítima da punição de adolescentes no Superior Tribunal de Justiça. São Paulo: IBCCRIM, 2018.

CUNNEEN, Chris; GOLDSON, Barry; RUSSELL, Sophie. Human rights and youth justice reform in England and Wales: a systemic analysis. Criminology & Criminal Justice, v. 18, n. 4, p. 405-430, 2018. https://doi.org/10.1177/1748895817721957

DIGIÁCOMO, Murilo José. Garantias processuais do adolescente autor de ato infracional – o procedimento para a apuração de ato infracional à luz do direito da criança e do adolescente. In: ILANUD; ABMP; SEDH; UNFPA (Org.). Justiça, adolescente e ato infracional: socioeducação e responsabilização. São Paulo: ILANUD, 2006.

FELD, Barry C. Abolish the juvenile court: youthfulness, criminal responsibility, and sentencing policy. Journal of Criminal Law and Criminology. v. 88, n. 1, 1997.

FRANÇA. Loi n° 2004-204 du 9 mars 2004 portant adaptation de la justice aux évolutions de la criminalité (1), Ministère de la Justice, 2004.

FRASSETO, Flávio A. A execução da medida socioeducativa de internação: primeiras linhas de uma crítica garantista. In: ILANUD; ABMP; SEDH; UNFPA (Org.). Justiça adolescente e ato infracional: socioeducação e responsabilização. São Paulo: ILANUD, 2006.

GARLAND, David. A cultura do controle: crime e ordem social na sociedade contemporânea. Rio de Janeiro: Revan, 2008.

GARLAND, David. Punishment and welfare: a history of penal strategies. Aldershot: Gower, 1985.

GISI, Bruna. A racionalidade prática do isolamento institucional: um estudo da execução da medida de internação em São Paulo. 2016. Tese (Doutorado em Sociologia), Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016. Disponível em: https://repositorio.usp.br/item/002789796

GISI, Bruna. O verdadeiro arrependimento como processo: o lugar da infração na execução da medida socioeducativa de internação. Confluências, v. 16, p. 220-243, 2014. https://doi.org/10.22409/conflu16i3.p381

GISI, Bruna. Socialização e regras de conduta para adolescentes internados. Tempo Social, v. 25, n. 1, p. 149-167, 2013. https://doi.org/10.1590/S0103-20702013000100008

GISI, Bruna; CHIES-SANTOS, Mariana. Sistema contemporáneo de justicia juvenil en Brasil: entre la cultura “menorista” y la lógica punitiva. In: ALVARADO, Arturo; TENENBAUM, Gabriel (Orgs.). Los desafíos de la justicia para adolescentes en América Latina: avances y retrocesos en el enfoque de derechos humanos. Cidade do México: Colmex, no prelo.

GISI, Bruna; VINUTO, Juliana. Transparência e garantia de direitos no sistema socioeducativo: a produção de dados sobre medidas socioeducativas. Boletim IBCCRIM, v. 28, n. 337, 2020.

GOSHE, Sonya. Moving beyond the punitive legacy: taking stock of persistent problems in juvenile justice. Youth Justice, v. 15, n. 1, p. 42-56, 2015.

HAINES, Kevin; CASE, Stephen. The future of youth justice. Youth justice, v. 18, n. 2, p. 131-148, 2018.

INGLATERRA. The Crime and Disorder Act 1998. UK Public General Acts, c. 37, 1998. Disponível em: https://www.legislation.gov.uk/ukpga/1998/37/contents.

KONZEN, Afonso A. Reflexões sobre a medida e sua execução (ou sobre o nascimento de um modelo de convivência do jurídico e do pedagógico na socioeducação). In: ILANUD; ABMP; SEDH; UNFPA (Org.). Justiça adolescente e ato infracional: socioeducação e responsabilização. São Paulo: ILANUD, 2006.

MAIOR NETO, Olympio de S. S. Garantias processuais penais do adolescente autor de ato infracional. In. ILANUD; ABMP; SEDH; UNFPA (Org.). Justiça, Adolescente e Ato Infracional: socioeducação e responsabilização. São Paulo: ILANUD, 2006.

MATTHEWS, Roger. The myth of punitiveness. Theoretical Criminology, v. 9, n. 2, p. 175-201, 2005.

MNPCT - MECANISMO NACIONAL DE PREVENÇÃO E COMBATE À TORTURA. Relatório Anual 2016-2017, Brasília, 2016.

MENDES, Gilmar F.; BRANCO, Paulo Gustavo. Curso de Direito Constitucional. São Paulo: Saraiva, 2021.

MIGLIARI, Maria de F. B. M. Infância e adolescência pobres no Brasil: análise social da ideologia. 1993. Dissertação (Mestrado em Sociologia), Pontifíca Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1993.

MOREIRA, Fábio M. Cadeias dominadas: dinâmicas de uma instituição em trajetórias de jovens internos. 2011. Dissertação (Mestrado em Antropologia), Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

MUNCIE, John. The “punitive” turn in juvenile justice: cultures of control and rights compliance in western Europe and the USA. Youth Justice, v. 8, n. 2, p 107-121, 2008.

MUNCIE, John. The globalization of crime control – the case of youth and juvenile justice: neoliberalism, policy convergence and international conventions. Theoretical Criminology, v. 9, n. 1, p. 35-64, 2005.

OLIVEIRA, Thiago R. Mecanismos sociais de decisões judiciais: um desenho misto explicativo sobre a aplicação da medida socioeducativa de internação. 2016. Dissertação (Mestrado em Sociologia), Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016.

PASSETTI, Edson. O menor no Brasil República. In: DEL PRIORE, Mary (Org.). História da criança no Brasil. São Paulo: Contexto, 1991.

PAULA, Liana de. Liberdade assistida: punição e cidadania na cidade de São Paulo. 2011. Tese (Doutorado em Sociologia), Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

PIÑERO, Verónica B. The semantics of repression: linking, opposing, and linking again rehabilitation and protection of society. Revue Générale de Droit, v. 36, p. 189-263, 2006.

PIRES, Álvaro A. P. de O. Responsabilizar ou punir? A justiça juvenil em perigo. In: SLAKMON, C.; MACHADO, Maíra R.; BOTTINI, Pierpaolo C. (Orgs.). Novas direções na governança da justiça e da segurança. Brasília: Ministério da Justiça, 2006.

RIZZINI, Irene; RIZZINI, Irma. “Menores” institucionalizados e meninos de rua: os grandes temas de pesquisas na década de 80. In: FAUSTO, Ayrton; CERVINI, Rubem (Orgs.). O trabalho e a rua: crianças e adolescentes no Brasil urbano dos anos 80. São Paulo: Cortez; UNICEF; FLACSO-BRASIL, 1996. p. 69-90.

SALLÉE, Nicolas. Rehabilitation within a punitive framework: responsibilization and disciplinary utopia in the French juvenile justice system. Youth justice, v. 17, n. 3, p. 250-267, 2017.

SARAIVA, João B. da C. Política criminal e direito penal de adolescentes. Adolescência e Conflitualidade, n. 8, p. 1-16, 2013. https://doi.org/10.17921/2176-5626.n8p%25p

SCHUCH, Patrice. Práticas de justiça: uma etnografia do “campo de atenção ao adolescente infrator” no Rio Grande do Sul, depois do Estatuto da Criança e do Adolescente. 2005. Tese (Doutorado em Antropologia), Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2005.

SOZZO, Máximo. Pós-neoliberalismo e penalidade na América do Sul: uma introdução. In: SOZZO, Máximo (org.). Pós-neoliberalismo e penalidade na América do Sul. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2017.

TRÉPANIER, Jean. Juvenile courts after 100 years: past and present orientations. European Journal on Criminal Policy and Research, n. 7, p. 303-327, 1999. https://doi.org/10.1023/A:1008780703191

VERONESE, Josiane Rose P. Medidas sócio-educativas: sinônimo de pena? Âmbito Jurídico, XI, n. 57, 2008.

VINUTO, Juliana. O outro lado da moeda: o trabalho de agentes socioeducativos no estado do Rio de Janeiro. 2019. Tese (Doutorado em Sociologia), Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2019.

VINUTO, Juliana. Entre o “Recuperável” e o “Estruturado”: classificações dos funcionários de medida socioeducativa de internação acerca do adolescente em conflito com a lei. (Dissertação (Mestrado em Sociologia), Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

WACQUANT, Loïc. As prisões da miséria. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

ZAPATA, Fabiana B. Medida socioeducativa de internação: um estudo a respeito do tempo de privação de liberdade associado à repetição do ato infracional. 2010. Dissertação (Mestrado Profissional Adolescente em Conflito com a Lei), UNIBAN, São Paulo, 2010.

Downloads

Publicado

2021-12-12

Como Citar

GISI, B.; SANTOS, M. C. S.; ALVAREZ, M. C. Apresentação: O “punitivismo” no sistema de justiça juvenil brasileiro / Punitivism in the Brazilian juvenile justice. Sociologias, [S. l.], v. 23, n. 58, p. 18–49, 2021. DOI: 10.1590/15174522-119875. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/sociologias/article/view/119875. Acesso em: 5 dez. 2022.