Efeitos da raça/cor e gênero da pesquisadora ou do pesquisador na pesquisa empírica

impactos na classificação racial de respondentes de um survey

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/18070337-114265

Palavras-chave:

paridade racial, interseccionalidade, classificação racial, survey

Resumo

Este artigo trata dos impactos da raça/cor ou do gênero das pessoas que conduzem a pesquisa sobre a autodeclaração de raça/cor de participantes. Para analisar o fenômeno, consideramos as respostas ao survey e as percepções de pesquisadores e pesquisadoras que aplicaram o survey em 2019 como parte da pesquisa Percepções Raciais no Distrito Federal. Utilizamos, para tanto, métodos qualitativos – breves relatos das pessoas que conduziram as entrevistas – e quantitativos. Os resultados sugerem a existência de um efeito complexo tanto da raça/cor das pessoas pesquisadoras quanto de seu gênero na forma como as pessoas entrevistadas designam sua raça/cor. Apresentamos algumas hipóteses provisórias para explicação das diferenças encontradas, cuja averiguação dependerá da realização de novas pesquisas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruna Cristina Jaquetto Pereira, Universidad Complutense de Madrid

Pesquisadora do Programa de Pós-Doutorado UNA4CAREER (Marie Skłodowska-Curie) no Grupo de Género y Política (GEYPO), Universidade Complutense de Madrid.

João Paulo Siqueira, Universidade de Brasília

Mestrando em Antropologia Social (bolsista CAPES) pela Universidade de Brasília (UnB).

Referências

ARAÚJO, Patrício C. Desafios da Antropologia contemporânea: elementos para se pensar o antropólogo insider no campo da Antropologia das populações afro-brasileiras. In: CLEMENTE, C. C.; SILVA, J. C. G. (org.). Culturas negras e Ciências Sociais no século XXI: perspectivas afrocentradas. Uberlândia: EDUFU, 2018. https://doi.org/10.14393/EDUFU-978-85-7078-480-3

BAILEY, Stanley. Dinâmicas raciais no Brasil contemporâneo: uma revisão empírica. PLURAL, v. 23, n. 1, p. 53-74, 2016. https://doi.org/10.11606/issn.2176-8099.pcso.2016.118385

BASTIDE, Roger; FERNANDES, Florestan. Brancos e negros em São Paulo: ensaio sociológico sobre aspectos da formação, manifestações atuais e efeitos do preconceito de cor na sociedade paulistana. São Paulo: Global, [1955] 2008.

BASTOS, João L. et al. Socioeconomic differences between self- and interviewer-classification of color/race. Revista de Saúde Pública, v. 42, n. 2, p. 324-334, 2009. https://doi.org/10.1590/S0034-89102008005000005

BENTO, Maria Aparecida. Branquitude e branqueamento no Brasil. In: CARONE, I.; BENTO, M. A. (org.). Psicologia social do racismo: estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2002. p. 25-57

BERNARDINO-COSTA, Joaze; GROSFOGUEL, Ramón. Decolonialidade e perspectiva negra. Sociedade e Estado. v. 31, n. 1, p. 15-24, 2016. https://doi.org/10.1590/S0102-69922016000100002

CAMPOS, Daniel S. Trajetória, experiência e corpo negro em cena: reflexões e apontamentos de um pesquisador iniciante. Cadernos de Gênero e Diversidade, v. 5, n. 2, p. 231-247, 2019. https://doi.org/10.9771/cgd.v5i2.29273

CARDOSO, Lourenço. O branco ante a rebeldia do desejo: um estudo sobre a branquitude no Brasil. 2014. 290 f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Araraquara, 2014.

CHOO, Hae Y.; FERREE, Myra M. Practicing intersectionality in sociological research: a critical analysis of inclusions, interactions, and institutions in the study of inequalities. Sociological Theory, v. 28, n. 10, p. 129-149, 2010. https://doi.org/10.1111/j.1467-9558.2010.01370.x

COLLINS, Patricia H.; BILGE, Sirma. Intersectionality. Cambridge: Polity Press, 2016.

COLLINS, Patricia H. Black feminist thought: knowledge, consciousness, and the politics of empowerment. Londres: Routledge, 2009.

DANIEL, G. Reginald. Race and multiraciality in Brazil and the United States: converging paths? State College: Pennsylvania State University Press, 2006.

DATAFOLHA. Racismo cordial. São Paulo: Consórcio de Informações Sociais, 2008.

DIXON, Angela R.; TELLES, Edward. E. Skin color and colorism: global research, concepts, and measurement. Annual Review of Sociology, v. 43, n. 1, p. 405-424, 2017. https://doi.org/10.1146/annurev-soc-060116-053315

DOMINGUES, Bruno R. C. Negro na universidade, branco no trabalho de campo: reflexões sobre representação e desigualdade racial na academia. Cadernos de Campo (São Paulo - 1991), v. 27, n. 1, p. 295-309, 2018. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v27i1p295-309

FERNANDES, Florestan. A integração do negro na sociedade de classes. São Paulo: Editora Nacional, 1965.

GONZALEZ, Lélia. A categoria político-cultural de Amefricanidade. Tempo Brasileiro, v. 92, n. 93, p. 69-82, 1988.

GROSFOGUEL, Ramón. A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico e os quatro genocídios/epistemicídios do longo século XVI. Sociedade e Estado, v. 31, n. 1, p. 25-49, 2016. https://doi.org/10.1590/S0102-69922016000100003

GUERREIRO RAMOS, Alberto. Patologia racial do “branco” brasileiro. In: GUERREIRO RAMOS, A. Introdução crítica à Sociologia Brasileira. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, [1982]1995. p. 215-240.

GUIMARÃES, Antônio Sérgio A. Como trabalhar com “raça” em sociologia. Educação e Pesquisa, v. 29, n. 1, p. 93-107, 2003. https://doi.org/10.1590/S1517-97022003000100008

HANCHARD, Michael. G. Racism, eroticism, and the paradoxes of a U.S. black researcher in Brazil. In: TWINE, F. W.; WARREN, J. W. (org.). Racing research, researching race: methodological dilemmas in Critical Race Studies. Nova York: New York University Press, 2000. p. 165-186.

HARDING, Sandra. “Strong objectivity”: a response to the new objectivity question. Synthese, v. 104, n. 3, p. 331-349, set. 1995. https://doi.org/10.1007/BF01064504

HARRIS, Marvin. Racial identity in Brazil. Luso-Brazilian Review, v. 1, n. 2, p. 21-28, 1964.

HOLBROOK, Allyson. L.; JOHNSON, Timothy P.; KRYSAN, Maria. Race- and ethnicity-of-interviewer effects. In: LAVRAKAS, Paul J. et al. (orgs.). Experimental Methods in Survey Research: Techniques that Combine Random Sampling with Random Assignment. New Jersey: Willey, 2020. p. 197-224. https://doi.org/10.1002/9781119083771.ch11

HORDGE-FREEMAN, Elizabeth. The color of love: racial features, stigma and socialization in black Brazilian families. Austin: University of Texas Press, 2015. https://doi.org/10.7560/302385

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. População chega a 205,5 milhões, com menos brancos e mais pardos e pretos. Agência IBGE Notícias, 24 nov. 2017. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/18282-populacao-chega-a-205-5-milhoes-com-menos-brancos-e-mais-pardos-e-pretos

ISLAM, Naheed. Research as an act of betrayal: researching race in an Asian community in Los Angeles. In: TWINE, F. W.; WARREN, J. W. (org.). Racing research, researching race: methodological dilemmas in Critical Race Studies. Nova York: New York University Press, 2000. p. 35-66.

LIU, Mingnan; WANG, Yichen. Interviewer gender effect on acquiescent response style in 11 Asian countries and societies. Field Methods, v. 28, n. 4, p. 327-344, 2016. https://doi.org/10.1177/1525822X15623755

MEDEIROS, Jonas. Conhecimento situado, gênero e raça: uma experiência de campo na Zona Leste de São Paulo. Plural, v. 26, n. 1, p. 155-179, 2019. https://doi.org/10.11606/issn.2176-8099.pcso.2019.159748

MONK Jr., Ellis P. Color, bodily capital, and ethnoracial division in the U.S. and Brazil. Oakland: University of California, 2013.

MUNIZ, Jerônimo O. Preto no branco? Mensuração, relevância e concordância classificatória no país da incerteza racial. Dados, v. 55, n. 1, p. 251-282, 2012. https://doi.org/10.1590/S0011-52582012000100007

NOGUEIRA, Oracy. Preconceito racial de marca e preconceito racial de origem: sugestão de um quadro de referência para a interpretação do material sobre relações raciais no Brasil. Tempo Social, v. 19, n. 1, p. 287-308, 2007. https://doi.org/10.1590/S0103-20702007000100015

OLIVEIRA, Josiane S. As influências raciais na construção do campo etnográfico: um estudo multissituado no contexto Brasil-Canadá. Organizações & Sociedade, v. 25, n. 86, p. 511-531, 2018. https://doi.org/10.1590/1984-9250868

OMI, Michael; WINANT, Howard. Racial formation in the United States: from the 1960s to the 1990s. Londres: Routledge, 1994.

PEREIRA, Bruna C. J. Dengos e zangas das mulheres-moringa: vivências afetivo-sexuais de mulheres negras. Pittsburgh: Latin America Research Commons, 2020. https://doi.org/10.25154/book6

PETRUCCELLI, José Luis. Autoidentificação, identidade étnico-racial e heteroclassificação racial. In: PETRUCCELLI, J. L.; SABOIA, A. L. (org.). Características étnico-raciais da população: classificações e identidades. Rio de Janeiro: IBGE, 2013.

PIZA, Edith. Porta de vidro: entrada para a branquitude. In: CARONE, I.; BENTO, M. A. S. (org.). Psicologia social do racismo: estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2002. p. 59-90.

RODRIGUES, Cristiano R. Afro-latinos em movimento: protesto negro e ativismo institucional no Brasil e na Colômbia. Belo Horizonte: Appris, 2020.

SANSONE, Livio. Nem somente preto ou negro: o sistema de classificatório racial no Brasil que muda. Afro-Ásia, v. 18, p. 165-187, 1996. https://doi.org/10.9771/aa.v0i18.20904

SANTIAGO, Flávio. Branquitude e creche: inquietações de um pesquisador branco. Educação em Revista, v. 35, n. 76, p. 305-330, 2019. https://doi.org/10.1590/0104-4060.66099

SCHUCMAN, Lia. V. Sim, nós somos racistas: estudo psicossocial da branquitude paulistana. Psicologia & Sociedade, v. 26, n. 1, p. 83-94, 2014. https://doi.org/10.1590/S0102-71822014000100010

SCHUCMAN, Lia V.; COSTA, Eliane S.; CARDOSO, Lourenço. Quando a identidade racial do pesquisador deve ser considerada: paridade e assimetria racial. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), v. 4, n. 8, p. 15-29, 2012.

TEIXEIRA, Moema P.; BELTRÃO, Kaizô I.; SUGAHARA, Sonoê. Além do preconceito de marca e de origem: a motivação política como critério emergente para classificação racial. In: PETRUCCELLI, J. L.; SABOIA, A. L. (org.). Características étnico-raciais da população: classificações e identidades. Rio de Janeiro: IBGE, 2013. p. 101-123.

TELLES, Edward E.; PERLA. Pigmentocracies: ethnicity, race, and color in Latin America. Chapel Hill: The University of North Carolina Press, 2014.

TELLES, Edward E. Racial ambiguity among the Brazilian population. Ethnic and Racial Studies, v. 25, n. 3, p. 415-441, 2002. https://doi.org/10.1080/01419870252932133

TURRA, Cleusa; VENTURI, Gustavo. Racismo cordial: a mais completa análise sobre preconceito de cor no Brasil. São Paulo: Ática, 1995.

TWINE, Frances. Racial ideologies, racial methodologies, and racial fields. In: TWINE, F. W.; WARREN, J. W. (org.). Racing research, researching race: methodological dilemmas in Critical Race Studies. Nova York: New York University Press, 2000. p. 1-34.

TWINE, Frances W. Racism in a racial democracy: the maintenance of white supremacy in Brazil. Nova Brunswick: Rutgers University Press, 1998.

WAGLEY, Charles. Race and class in rural Brazil. Paris: Unesco, 1952.

WEST, Brady T.; BLOM, Annelies G. Explaining interviewer effects: a research synthesis. Journal of Survey Statistics and Methodology, v. 5, n. 2, p. 175-211, 2016. https://doi.org/10.1093/jssam/smw024

WINANT, Howard. The theoretical status of the concept of race. In: BACK, L.; SOLOMOS, J. (org). Theories of race and racism: a reader. Londres: Routledge, 2000.

WOOD, Charles. Categorias censitárias e classificações subjetivas de raça no Brasil. In: LOVELL, P. Desigualdade racial no Brasil contemporâneo. Belo Horizonte: MGSP Editores Ltda, 1991. p. 93-111.

Downloads

Publicado

2022-08-29

Como Citar

JAQUETTO PEREIRA, B. C.; SIQUEIRA, J. P. Efeitos da raça/cor e gênero da pesquisadora ou do pesquisador na pesquisa empírica: impactos na classificação racial de respondentes de um survey. Sociologias, [S. l.], v. 24, n. 60, 2022. DOI: 10.1590/18070337-114265. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/sociologias/article/view/114265. Acesso em: 1 fev. 2023.