A teoria do discurso como base epistemológica de compreensão para a sociologia da ciência: aportes sobre a (des)fundamentação e a desconstrução das verdades absolutas / The theory of discourse as an epistemological basis for understanding sociology of science: contributions on unsubstantiation and deconstruction of absolute truths

Autores

  • Gabriel Bandeira Coelho Instituto Federal Catarinense

DOI:

https://doi.org/10.1590/15174522-106716

Palavras-chave:

pós-estruturalismo, pós-fundacionalismo, ciência, sociedade, hegemonia

Resumo

O presente artigo, de cunho teórico, tem como objetivo central apontar as possibilidades de inserção e interpretação da teoria do discurso de Ernesto Laclau e Chantal Mouffe para os estudos no âmbito da sociologia da ciência. Busca-se, assim, propor a teoria do discurso como ferramenta teórica e epistemológica à compreensão (sociológica) dos fenômenos que constituem o campo científico, salientando sua possível operacionalidade e potencialidade para as pesquisas que tomam a ciência como discurso. Dado seu olhar pós-estruturalista e pós-fundacionalista, a teoria do discurso pode proporcionar novas possibilidades de compreensão das complexas nuances que permeiam a produção de ciência, tanto em nível epistemológico como político-institucional. Em suma, são apresentadas, neste trabalho, as principais categorias de análise da teoria do discurso, como discurso, antagonismo, agonismo, articulação e hegemonia, a fim de demonstrar teoricamente que tal modelo teórico pode ser, de algum modo, incorporado aos estudos sociais da ciência, seja em pesquisas teóricas ou empíricas.

 

====

 

The main objective of this theoretical paper is to point out possibilities of inclusion and interpretation of the theory of discourse as developed by Ernesto Laclau and Chantal Mouffe in studies in the scope of sociology of science. It is argued that the theory of discourse comprises a theoretical and epistemological tool for the (sociological) understanding of the phenomena that constitute the scientific field, highlighting its possible operability and potential for research that take science as discourse. Given its post-structuralist and post-foundationalist approach, discourse theory can provide new possibilities for understanding the complex nuances that permeate the production of science, both at the epistemological and political-institutional levels. In short, this paper presents the main categories of analysis of discourse theory, such as discourse, antagonism, agonism, articulation and hegemony, in order to demonstrate that such a theoretical model can be, in some way, incorporated into the social science studies, whether in theoretical or empirical research.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriel Bandeira Coelho, Instituto Federal Catarinense

Doutor em Sociologia, professor substituto de Sociologia Geral e Sociologia da Educação no Instituto Federal Catarinense/Brusque e pesquisador no grupo de pesquisa Tecnologia, Meio Ambiente e Sociedade (TEMAS/UFRGS).

Referências

BENDER, Matheus; COELHO, Gabriel. Anthony Giddens e Pierre Bourdieu: é possível falar em pós-estruturalismo? Interfaces Científicas - Humanas e Sociais, v. 7, n. 1, p. 59-70, 2018. https://doi.org/10.17564/2316-3801.2018v7n1p59-70

BLOOR, David. Conhecimento e imaginário social. São Paulo: UNESP, 2009.

BOURDIEU, Pierre. O campo científico. In: ORTIZ, Renato (Org.). A sociologia de Pierre Bourdieu. São Paulo: Olho d’Água, 2013.

COELHO, Gabriel B. Sociologia do conhecimento e da ciência: da sua emergência a Pierre Bourdieu. Sinais, v. 21, n. 2, p. 266-294, 2017.

COELHO, Gabriel B. Capes e o fomento aos programas de pós-graduação interdisciplinares: um olhar a partir dos estudos sociais da ciência. 2015. 202 f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2015.

COLLINS, Harry. Prefácio. In: PREMEBIDA, Adriano; NEVES, Fabrício M.; DUARTE, Tiago R. (Org.). Investigações contemporâneas em estudos sociais da ciência e tecnologia. Jundiaí: Paco Editorial, 2015. p. 9-14.

DERRIDA, Jacques. A escritura e a diferença. 3. ed. São Paulo: Editora Perspectiva, 2002.

KOZICKI, Katya. Prefácio à edição brasileira. In: MOUFFE, Chantal. Sobre o político. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2015. p. vii-xviii.

KUHN, Thomas. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva, 2001.

LACLAU, Ernesto. Desconstrução, pragmatismo, hegemonia. In: MOUFFE, Chantal (Org.). Desconstrução e pragmatismo. Rio de Janeiro: Mauad X, 2016. p. 77-106.

LACLAU, Ernesto. Posfácio. In: MENDONÇA, Daniel; RODRIGUES, Léo P. (Org.). Pós-estruturalismo e teoria do discurso: em torno de Ernesto Laclau. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2008. p. 189-191.

LACLAU, Ernesto. Nuevas reflexiones sobre la revolución de nuestro tiempo. Buenos Aires: Nueva Visión, 1993.

LACLAU, Ernesto; MOUFFE, Chantal. Hegemonia e estratégia socialista: por uma política democrática radical. São Paulo: Intermeios, 2015.

LACLAU, Ernesto; MOUFFE, Chantal. Hegemonía y estrategia socialista: hacia una radicalización de la democracia. Madrid: Siglo XXI, 1987.

LAMO DE ESPINOSA, Emilio; GONZÁLEZ GARCÍA, José M.; TORRES ALBERO, Cristobal. La sociología del conocimiento y de la ciencia. Madrid: Alianza Editorial, 1994.

LECOURT, Dominique. A filosofia das ciências. São Paulo: Ideias & Letras, 2018.

MANNHEIM, Karl. Ideologia e utopia. Rio de Janeiro: Zahar, 1982.

MARCHART, Oliver. Teoria do discurso, pós-estruturalismo e paradigma da Escola de Essex. In: MENDONÇA, Daniel; RODRIGUES, Léo P. (Org.). Pós-estruturalismo e teoria do discurso: em torno de Ernesto Laclau. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2014. p. 9-13.

MENDONÇA, Daniel. A noção de antagonismo na ciência política contemporânea: uma análise a partir da perspectiva da teoria do discurso. Revista de Sociologia e Política, v. 1, n. 20, p. 135-145, 2003.

MENDONÇA, Daniel. Teorizando o agonismo: crítica a um modelo incompleto. Sociedade e Estado, v. 25, n. 3, p. 479-493, 2010. https://doi.org/10.1590/S0102-69922010000300004

MENDONÇA, Daniel; RODRIGUES, Léo P. Em torno de Ernesto Laclau. In: MENDONÇA, Daniel; RODRIGUES, Léo P. (Org.). Pós-estruturalismo e teoria do discurso: em torno de Ernesto Laclau. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2008. p. 25-34.

MENDONÇA, Daniel. Do estruturalismo ao pós-estruturalismo: entre fundamentar e desfundamentar. In: MENDONÇA, Daniel; RODRIGUES, Léo P. (Org.). Pós-estruturalismo e teoria do discurso: em torno de Ernesto Laclau. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2014. p. 27-38.

MERTON, Robert. Ensaios de sociologia da ciência. São Paulo: Editora 34, 2013.

MOUFFE, Chantal. Por um modelo agonístico de democracia. Revista de Sociologia e Política, v. 1, n. 25, p. 11-23, 2005.

MOUFFE, Chantal. Sobre o político. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2015.

NUNES, João A.; ROQUE, Ricardo. Os estudos sobre Ciência. In: NUNES, João A.; ROQUE, Ricardo (Org.). Objectos impuros: experiências em estudos sobre ciência. Porto: Edições Afrontamento, 2008. p. 30-36.

PESSOA, Carlos. Hegemonia em tempos de globalização. In: MENDONÇA, Daniel; RODRIGUES, Léo P. (Org.). Pós-estruturalismo e teoria do discurso: em torno de Ernesto Laclau. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2014. p. 151-161.

PETERS, Michael. Pós-estruturalismo e filosofia da diferença. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

PREMEBIDA, Adriano; NEVES, Fabrício; ALMEIDA, Jalcione. Estudos sociais em ciência e tecnologia e suas distintas abordagens. Sociologias, v. 13, n. 26, p. 22-42, 2011. https://doi.org/10.1590/S1517-45222011000100003

RODRIGUES, Léo P. A (des)estruturação das estruturas e a (re)estruturação dos sistemas: uma revisão epistemológica crítica. In: RODRIGUES, Léo P.; MENDONÇA, Daniel (Org..). Ernesto Laclau e Niklas Luhmann: pós-fundacionalismo, abordagem sistêmica e as organizações sociais. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2006. p. 35-67.

RODRIGUES, Léo P. Introdução à sociologia do conhecimento, da ciência e do conhecimento científico. Passo Fundo: Editora da UPF, 2005.

RODRIGUES, Léo P.; COELHO, Gabriel. A teoria do discurso como possibilidade de compreensão do campo curricular nesta contemporaneidade. In: LEITE, Elaine da S.; MASSAU, Guilherme; SOTO, William G. (Org.). Teorias e práticas sociológicas. São Paulo: Max Limonad, 2016. p. 29-48.

RODRIGUES, Léo P.; MARTINATTO, Fabrício. Transformações epistemológicas durante o século XX e a emergência dos Estudos Sociais da Ciência. In: ROBERT, Pedro et al. (Org.). Metodologia em ciências sociais hoje: perspectivas epistemológicas, reflexões teóricas e estratégias metodológicas. Jundiaí: Paco Editorial, 2016. v. 1, p. 23-50.

POPPER, Karl. A lógica da investigação científica. In: POPPER, Karl. Os Pensadores. São Paulo: Abril cultural, 1980. p. 3-124.

SALES JR., Ronaldo. Laclau e Foucault: desconstrução e genealogia. In: MENDONÇA. Daniel.; RODRIGUES, Léo P. (Org.). Pós-estruturalismo e teoria do discurso: em torno de Ernesto Laclau. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2014. p. 163-181.

SHINN, Terry; RAGOUET, Pascal. Controvérsias sobre ciência: por uma sociologia transversalista da atividade científica. São Paulo: Editora 34, 2008.

SILVA, Luís G. T da et al. A teoria do discurso de Ernesto Laclau como instrumento teórico na compreensão dos fenômenos políticos e sociais. In: SILVA, Luis G. T da et al. (Org.). Pós-Estruturalismo e teoria do discurso: a obra de Ernesto Laclau a partir de abordagens empíricas e teóricas. Curitiba: CRV, 2017. p. 15-21.

WILLIAMS, James. Pós-estruturalismo. Petrópolis: Vozes, 2012.

Downloads

Publicado

2021-12-12

Como Citar

COELHO, G. B. A teoria do discurso como base epistemológica de compreensão para a sociologia da ciência: aportes sobre a (des)fundamentação e a desconstrução das verdades absolutas / The theory of discourse as an epistemological basis for understanding sociology of science: contributions on unsubstantiation and deconstruction of absolute truths. Sociologias, [S. l.], v. 23, n. 58, p. 326–358, 2021. DOI: 10.1590/15174522-106716. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/sociologias/article/view/106716. Acesso em: 5 dez. 2022.